Crítica | 10 Coisas que Eu Odeio em Você (1999)

Duas-meia-estrelas

Não, não é nenhuma viagem.  A comédia romântica 10 Coisas que Eu Odeio em Você é sim baseada em uma peça de Shakespeare, mais especificamente em A Megera Domada. Na peça, Katherina é a mais velha de duas irmãs, com um gênio terrível, que recusa todos os pretendentes que surgem, para desespero de sua irmã caçula Bianca, que só poderá se casar depois que se concretizar o matrimônio da irmã. No filme, Kat e Bianca vivem situação semelhante, sendo que a caçula só poderá ter o consentimento do pai para namorar depois que a irmã mais velha arrumar um namorado, coisa com a qual ela não parece interessada, tendo uma visão negativa a respeito dos rapazes em geral.  Cameron se apaixona por Bianca, e se vê obrigado a armar um plano para arrumar um namorado para sua irmã, a fim de que o pai permita o namoro. Ele então irá contratar Patrick Verona para seduzir Kat, ajudando-o e pagando para que ela prossiga em suas investidas até Kat ceder.

Mais do que uma verdadeira adaptação da obra de Shakespeare, 10 Coisas que Eu Odeio em Você funciona mais com uma homenagem ao dramaturgo inglês. Além das semelhanças da história, diretor e roteiristas deixaram suas pistas, sobretudo na escolha dos nomes dos personagens principais.  Se para as irmãs os nomes foram deixados exatamente iguais – Bianca e Kat, apelido para Katharina, ou Katherine em inglês – todos os outros foram alterados, mas mantendo vínculo com a obra ou a própria vida de Shakespeare. Petrusco da peça ganhou o nome de Patrick Verona, uma boa transição do nome italiano para o inglês, sendo que o sobrenome é uma clara referência à cidade natal do personagem na peça. O pai das moças, que na peça é Batista, ganhou o nome de Walter Stratford – uma alusão à cidade-natal de Shakespeare, Stratford-upon-Avon. Há pelo menos mais duas referências explícitas à Shakespeare: o nome da escola onde os jovens do filme estudam se chama Padua – cidade onde se passa a peça original – e a amiga de Kat, Mandella, é apaixonada pelo teatro do mestre inglês.

O filme resulta numa comédia romântica bem dentro dos padrões de Hollywood, apesar das referências à Shakespeare e sua obra A Megera Domada. Muita coisa teve que ser adaptada aos dias de hoje. As moças de hoje querem só namorar, não pensam em casamento. Kat não é necessariamente uma megera como na peça, mas apenas com ideais feministas, que não incluem se submeter aos caprichos dos homens, sendo uma mulher que quer se destacar pela sua inteligência mais do que por atributos físicos. Não deixa de ser simpático e inusitado uma comédia romântica despretensiosa render uma homenagem a um escritor clássico que muitos estudantes leem por obrigação na escola.

Leve e divertido como convém a uma despretensiosa comédia romântica, incluindo o inevitável final feliz, a receita deu certo e o filme foi um inesperado sucesso, principalmente nos EUA, graças em grande parte a um par romântico que tem sua química. Ao menos uma cena se destaca e se tornou clássica: quando Patrick se declara para Kat no campo de futebol da escola, cantando Can´t Take My Eyes Off  You. Guardadas as devidas proporções, é quase o equivalente a um monólogo em uma clássica peça teatral.

Mais do que ser lembrado pela sua qualidade como filme ou sua livre adaptação de uma famosa e clássica peça shakespeariana, 10 Coisas que Eu Odeio em Você entrou para a memória dos cinéfilos por haver reunido no mesmo filme três jovens talentos que iriam se destacar brevemente: Julia Stiles (A Identidade Bourne, O Sorriso de Mona Lisa), Joseph Gordon-Levitt (A Origem, Looper) e Heath Ledger (O Segredo de Brokeback Mountain, O Cavaleiro das Trevas).

10 Coisas que Eu Odeio em Você (10 Things I Hate About You) – Estados Unidos, 1999
Direção: Gil Junger
Roteiro: Karen MacCullah, Kirsten Smith
Elenco: Julia Stiles, Larisa Oleynik, Heath Ledger, Joseph Gordon-Levitt, David Krumholtz, Susan May Pratt, Larry Miller
Duração: 97 min.

SIDNEI CASSAL. . . . Formado em Letras (Português/Francês) . Estudante de Direito. Trabalhei com redação e criação publicitária. Participei de Oficina de Cinema, em convênio com a TVE-Porto Alegre, onde os curta-metragens produzidos foram montados e exibidos. Cinéfilo de carteirinha.