Crítica | A Origem

estrelas 5,0

E Christopher Nolan fez mais uma vez, entregou uma obra-prima que como muitas outras obras, divide opiniões.

Há quem diga que Nolan não fez nada mais do que copiar conceitos e ideias de outros filmes e pensadores. Outros afirmam se tratar de pura genialidade mesmo e consagram o diretor como um dos mais sofisticados da atualidade.

Seja qual for a sua opinião, o que de fato importa é que Christopher Nolan já garantiu seu espaço criativo cativo perante a outros diretores. Seu estilo é claramente identificado e seus filmes, cópias ou não, impressionam plateias.

Ao criar A Origem, o diretor elevou sua carreira a outro patamar bem distinto. Afinal, são poucos os filmes de qualidade em hollywood que te fazem mesmo pensar se tudo aquilo ali visto é real ou não. Bom, sim, é uma ficção. Mas, somente em A Origem que surge essa indagação em relação a realidade apresentada e a ficção dentro da ficção. Cobb ao deixar seu peão girando e a câmera cortar a cena pontua que tudo não passou de um sonho ou o peão estava de fato caindo?

É inegável que ao fazer tais apontamentos, Nolan acabou criando um filme que é preciso ser visto e revisto para um melhor entendimento, fazendo com que o espectador passe por diversas fases durante a projeção; ficando curioso, empolgado, tenso, ansioso, alegre e ainda mais curioso. E não era essa justamente a intenção do diretor? Será que só para que a trama fizesse sentido ela precisa ter literalmente uma conclusão seguida de um ponto final?

Não, não precisa.

A Origem não é apenas um excelente filme por conta de seu roteiro e direção. Não. O elenco foi brilhantemente escolhido e Nolan mostrou que saber trabalhar com as pessoas certas faz toda a diferença.

Leonardo DiCaprio demonstra que assim como os vinhos que ficam melhores com o tempo, ele também melhorou muito como ator. A maturidade lhe fez um bem enorme e ele agora escolhe seus papéis a dedo, quando não tem um em específico feito pensando nele.  Com isso, seu nível de atuação elevou consideravelmente. Neste filme ele interpreta um homem procurado, com problemas do passado e que tem medo em encarar a realidade. Tudo isso é e também por ser o personagem principal, leva a todas as perguntas citadas acima.

Além dele, há outros nomes de peso no elenco como Michael Caine, Joseph Gordon-Levitt, Tom Hardy, Cillian Murphy, Marion Cotillard, Ken Watanabe – que também trabalharam na trilogia do Batman – Ellen Page e Dileep Rao.

O filme brinca ainda com o surrealismo e de certa forma usa esse conceito para descontruir o filme aos olhos do espectador, deixando-o abismado e completamente envolvido.

A Origem é mais um excelente trabalho do diretor e merece um destaque considerável.

A Origem (Inception – EUA, 2010)
Direção:
Christopher Nolan
Roteiro: Christopher Nolan
Elenco: Leonardo DiCaprio, Joseph Gordon-Levitt, Ellen Page, Tom Hardy, Ken Watanabe, Dileep Rao, Cillian Murphy, Tom Berenger, Marion Cotillard, Michael Caine
Duração: 148 min.

MELISSA ANDRADE . . . Uma pessoa curiosa que possui incontáveis pequenos conhecimentos desde literatura a filmes a reality shows a futebol alemão e está sempre disposta a aprender muito mais. Por isso sou Jornalista por experiência e vocação. Fotógrafa Profissional com muita paixão e um olhar apurado e Roteirista frustrada e uma Crítica de Cinema em ascensão.