Crítica | A Trilogia Nikopol

estrelas 5

Nascido em Belgrado, Sérvia (antiga Iugoslávia), Enki Bilal é o autor da Trilogia Nikopol, lançada no Brasil pela Editora Nemo, reunindo em uma luxuosa edição os três álbuns que compõem a obra original, A Feira dos Imortais (1980), A Mulher Armadilha (1986) e Frio Equador (1992). A história se passa em versões futurísticas e distópicas Paris, Londres, Berlim, Cairo e da fictícia Equador City, localidades repletas de seres de todos os lugares e planos da existência. Em relação a outras obras de ficção científica e nuances políticas vistas em quadrinhos, a saga de Enki Bilal traz o diferencial do máximo absurdo, do grotesco social e antropológico que vai de querubins a cyborgs, de deuses egípcios a sanguessugas empoleiradas na Torre Eiffel, de Benito Mussolini a Alcide Nikopol.

.
A Feira dos Imortais

A imortalidade é uma forma de ditadura da vida sobre a morte. Sendo ditador e estando vivo, só me resta tornar-me imortal. E me tornarei, mesmo que morra por isso.

J.F. Choublanc (Escritos Diversos, Paris, 2023)

Quem tem por hábito ler quadrinhos sabe que não é assim tão comum uma história impressionar, desde o início, pela sua arte e roteiro. Algumas vezes a história é maravilhosa, mas a arte vai se construindo aos poucos, passando de uma realidade mediana para algo melhor ao final da edição; outras vezes é o texto que começa pouco inspirado e só engrena depois de algumas páginas ou capítulos. No caso desse primeiro álbum da Trilogia Nikopol, arte e roteiro deslumbram o leitor já nos primeiros quadros. Sabemos que a história se passa em Paris, no início de março de 2023, e a primeira cena que temos, após a introdução ácida de Enki Bilal, é a de uma pirâmide flutuante no meio da cidade (no Astroporto Paris-Sul), onde os deuses egípcios Anúbis, Bastet, Thoth, Khépri e Bes estão jogando Monopoly.

Passamos então para o Eliseu, palácio do governo de uma ditadura fascista comandada por Jean-Ferdinand Choublanc. O caráter do governo é de uma falocracia, onde as mulheres são condenas a viver como reprodutoras e sem nenhum direito, em lugares escondidos. Na superfície transitam apenas homens de maquiagem pesada e aparência afeminada. Essas caraterísticas aparecem como plano de fundo da história e o autor vai adicionando lenha à fogueira com a aparição de Alcide Nikopol e a possessão de seu corpo por Hórus, deus egípcio que quer vingança de seus pares que vivem na pirâmide flutuante.

Junto ao absurdo dos acontecimentos, Eki Bilal toca nas mais ocultas feridas sociais, passando pela religião, ironizando rituais papais, questionando o modo como governos e ideologias são obedecidos e como se erguem e caem com facilidade impressionante. Esse primeiro volume trata justamente da questão da mudança de poder no meio de uma sociedade de neve esverdeada, ventos sulfúricos e destruição quase total depois de duas guerras nucleares. Do fascismo para a democracia que não abandona rituais antigos, convivemos com a farsa política, a chantagem e as ameças de grupos descontentes com o poder em vigor. Fica muito claro o reflexo da França dos anos 1980 nas entrelinhas do roteiro. Cada personagem tem sua representação na geopolítica mundial, mesmo os alienígenas que convivem entre os homens desse futuro sujo e contaminado. O final do álbum ridiculariza a própria situação com um Deus ex machina irônico, culminando no lugar mais provável, depois de tudo o que se passou: um centro psiquiátrico.

A arte de Enki Bilal nesse álbum é repleta objetos e pessoas por todos os lados, com quadros sempre muito cheios, cores frias e opacas, muita sujeira e abuso de planos médios e pequenos, tornando toda a saga bastante pessoal. Diferente do álbum seguinte, temos poucas narrações e muito material de imprensa, mostrando diferentes versões do que acontece na cidade. O roteiro, ao mesmo tempo que dilacera todo o tipo de instituição, mantém vivo um humor negro de alta categoria crítica.
.

A Mulher Armadilha

Após dois anos (no tempo narrativo) e alguns sonhos premonitórios que separam os acontecimentos do primeiro para este segundo álbum, a parte dois da Trilogia Nikopol mostra o que aconteceu ao desafortunado e perturbado Alcide Nikopol quando o deus Hórus abandonou o seu corpo. O homem não consegue parar de recitar Baudelaire e rir sem motivo aparente. Do Centro Psiquiátrico Saint-Sauveur, em Paris, 22 de fevereiro de 2025, vamos para Londres, onde conhecemos a heroína que dá título ao álbum, Jill Bioskop, a mulher armadilha.

O álbum é centrado na vida de Jill e nos percalços políticos e étnicos que compõem a sociedade europeia naquele momento. O que é trabalhado em torno das diversas etnias que se aglomeram em Londres não foi trabalhado em Paris, no álbum anterior. Citações às “minorias afro-paquistanesas” e a uma “coalizão benino-togolo-ganesa” são exemplos do caldeirão étnico da cidade.

Há também a presença dos alienígenas, elemento que descobrimos melhor no jornal Libération, um anexo do álbum. Diferente do volume anterior, a mídia aqui não aparece como páginas no meio da narrativa central. Temos a citação pela própria protagonista, que é uma jornalista desempregada, dos fatos políticos importantes no presente ano de 2025, digitados em seu script-walker e enviando de volta no tempo, para 1993, e sendo interceptadas pelo Libération. A atividade divide-se entre o desabafo e a função profissional. Às vezes Jill divaga sobre seu amor, sua vida, as drogas que consome; às vezes escreve sobre a situação dos imigrantes e da corrupção em Londres. Um fato interessante são as várias citações políticas e culturais que o autor espalha pelo álbum, como por exemplo, os conflitos no Oriente Médio, o governo de Margaret Thatcher e o filme O Amigo Americano, de Wim Wenders, exposto como cartaz em uma estação de Berlim.

O traço de Enki Bilal nesse álbum é menos sujo e mais harmonioso que na edição anterior. A história se desenvolve em um ritmo editorial/jornalístico, ou seja, a narração de Jill e os quadros narrativos em cada página acabam por dar um ar mais literal à história, como se fizesse parte de uma publicação que altera narrativa em primeira e terceira pessoa sem que jamais diminua a sua qualidade. De modo geral, porém, essa álbum é sensivelmente inferior ao primeiro.
.

Frio Equador

A conclusão da história de Nikopol, Hórus, Jill e Niko (Nikopol Filho) acontece no magnífico Frio Equador (1992), um álbum que desde o seu título causa estranheza e curiosidade. A visão de mundo que o autor e artista nos apresenta já no início dos anos 90 (mesmo que ele estivesse falando de uma sociedade de 2034), guarda muitas semelhanças com o nosso tempo, seja no domínio político que as grandes corporações passaram a ter, seja no altíssimo nível de corrupção em escala mundial ou de estranhezas climáticas e descaso ou abandono das militâncias políticas.

Equador-City é uma cidade do centro-leste africano, na Linha do Equador e à margem de um lago. Com uma amplitude térmica muito alta (entre -21ºC e 47ºC) e governada por uma grande corporação corrupta, a KKDZO, Equador-City é um antro de opressão, burocracia burra e forte tendência cesaropapista. De alguma forma, há bastante semelhança política com a Paris de Jean-Ferdinand Choublanc, o fascista e falocrata de A Feira dos Imortais. Há também semelhanças com as questão corporativa de A Mulher Armadilha, onde vários grupos legais ou ilegais disputam território, dinheiro e influência ante os governantes.

A conclusão da história perpassa toda a mitologia da saga, as nuances familiares, o amor perdido, o “apagar a memória”, a influência dos deuses egípcios na vida dos humanos desse universo e a dominação territorial dos animais, nesse volume em especial, dos insetos e dos répteis. Tanto a arte quanto o roteiro de Enki Bilal nos apresentam um futuro hipotético, mas, infelizmente, possível de se realizar. E talvez seja por isso mesmo que a história se torna tão fascinante e tão amedrontadora ao mesmo tempo. A Trilogia Nikopol é um poderoso estudo sobre os resultados da autodestruição do mundo pelos próprios humanos e as consequências da nossa dominação desmedida sobre a Terra.

A Trilogia Nikopol (La Trilogie Nikopol – La foire aux immortels • lafemme piège • froid équateur) – França, 1980 – 1992
Publicação em 3 álbuns, posteriormente reunidos
Lançamento no Brasil: Editora Nemo
Roteiro: Enki Bilal
Arte: Enki Bilal
Páginas: 184

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.