Crítica | Abismo de um Sonho

Abismo de um Sonho marca a primeira vez que Fellini dirigiu um filme sozinho, já que sua estreia atrás das câmeras se deu em regime de co-direção (em Mulheres e Luzes, ao lado de Alberto Lattuada). Só que, mais importante do que isso, o filme marca a primeira vez que Fellini aborda um tema recorrente em sua maravilhosa filmografia: a oposição da realidade e sonho.

A história é simples: um casal recém-casado vai passar uma e curta e atarefada lua-de-mel em Roma. Ivan Cavalli (Leopoldo Trieste) quer apresentar sua esposa à sua respeitada família. Wanda Cavalli (Brunella Bovo), por sua vez, tem um sonho: conhecer pessoalmente O Xeque Branco ou, mais precisamente o “ator” de fotonovelas (aqueles que forem muito novos, pesquisem para descobrir o que é essa curiosa forma de arte) Fernando Rivoli (Alberto Sordi). Quando Wanda sai de fininho para ir até o “estúdio” onde as fotonovelas são escritas, ela se envolve em uma sequência de acontecimentos que a impede de voltar para o marido que, claro, se desespera e tenta a todo custo impedir que sua família descubra sua desgraça.

Estabelecida a situação acima em não mais do que dez minutos, Fellini, então, biparte seu filme. De um lado, a realidade. Nela, vemos Ivan tentando, a todo custo, descobrir onde é que foi parar sua esposa ao mesmo tempo em que dribla a atenção de sua família dizendo que sua esposa adoeceu e fico no quarto. Usando um bigode e um sobretudo claro, Leopoldo Trieste vive um Ivan que é uma espécie de antecessor do Inspetor Jacques Clouseau, magnífico personagem criado por Peter Sellers em 1963: atrapalhado, de olhos esbugalhados e um tanto inocente.

Do outro lado, o sonho. Não se enganem, pois não é o sonho propriamente dito, com imagens do subconsciente, mas sim a realidade vista pelos olhos sonhadores de Wanda que vai atrás de sua obsessão heroica, o Xeque Branco. Em sua ingenuidade, ela não consegue verdadeiramente separar o personagem da pessoa, especialmente depois que seu primeiro e surreal encontro com o ator se dá no meio do mato (em Óstia, litoral próximo a Roma) com o Xeque, todo paramentado, balançando em um surreal balanço. Nesse momento, Wanda deixa de ser a esposa de Ivan e mergulha com aqueles olhinhos brilhantes e inocentes no seu mundo de fotonovelas, em seu mundinho particular de sonhos, onde tudo pode ser realidade.

A contraposição da realidade com sonho ou com o “ideal imaginado” é belíssima no filme, definitivamente retirando-o do lugar comum. Além disso, Fellini monta seu filme de forma que as narrativas sejam simultâneas, criando uma dinâmica muito interessante e impedindo que as sequências com Ivan ou com Wanda fiquem longas demais, potencialmente cansando o espectador.

O uso de música “circense” também pontua o filme de Fellini, marcando, também, sua primeira parceria com o grande Nino Rota, parceira essa que se manteria por muitos e muitos anos. A música de Rota é especialmente importante nas sequências de sonho de Wanda, ajudando no ar de “ideal da mente” que Fellini tenta criar, trazendo até um camelo para o set de filmagens na praia de Óstia.

Aliás, toda a sequência na praia merece destaque especial pelo trabalho de câmera de Fellini com Arturo Gallea, diretor de fotografia. Os conseguem captar incríveis detalhes em uma conturbada e populosa filmagem em locação que enlouqueceria qualquer um. E o momento em que a fotonovela é efetivamente fotografada é de arrancar risadas de qualquer um.

Abismo de um Sonho também conta com uma ponta de Giulietta Masina, esposa de Fellini e que já havia trabalhado em Mulheres e Luzes. O interessante é que, aqui, ela faz o papel de uma prostituta chamada Cabíria, papel esse que ela viria a reprisar e expandir, também sob a batuta do marido, em 1957, no estupendo Noites de Cabíria.

Abismo de um Sonho merece ser visto, revisto e estudado como uma espécie de casulo em que o trabalho imagético de Fellini se desenvolve, para definitivamente transformá-lo em um dos maiores diretores do Cinema.

RITTER FAN. . . . Aprendi a fazer cara feia com Marion Cobretti, a dar cano nas pessoas com John Matrix e me apaixonei por Stephanie Zinone, ainda que Emmeline Lestrange e Lisa tenham sido fortes concorrentes. Comecei a lutar inspirado em Daniel-San e a pilotar aviões de cabeça para baixo com Maverick. Vim pelado do futuro para matar Sarah Connor, alimento Gizmo religiosamente antes da meia-noite e volta e meia tenho que ir ao Bairro Proibido para livrá-lo de demônios. Sou ex-tira, ex-blade-runner, ex-assassino, mas, às vezes, volto às minhas antigas atividades, mando um "yippe ki-yay m@th&rf%ck&r" e pego a Ferrari do pai do Cameron ou o V8 Interceptor do louco do Max para dar uma volta por Ridgemont High com Jessica Rabbit.