Crítica | Agents of S.H.I.E.L.D. 2X02: Heavy is the Head

estrelas 3,5

Aviso: Há SPOILERS na crítica.

A primeira boa notícia do segundo episódio da segunda temporada de Agents of S.H.I.E.L.D. é que ele começa exatamente no segundo seguinte ao final do primeiro episódio – Shadows – que, em acidente de carro, vitimou Izzy e Idaho, focando na chegada de Ming-Na Wen e sua subsequente caçada ao Homem Absorvente, para recuperar o MacGuffin conhecido como Obelisco, um objeto 0-8-4. Com isso, a série demonstra que está preocupada, finalmente, com continuidade, evitando episódios soltos que não impulsionam a trama geral.

A segunda boa notícia de Heavy is the Head é que Nick Blood, o ex-agente da S.A.S. que se tornou mercenário, ganha muito mais tempo de tela, tornando-se, pelo visto, um personagem importante. Ele é capturado, logo no início, pelo General-Brigadeiro Glenn Talbot, que continua atrás de Coulson, para transformar Blood em um espião. Esse artifício, bastante corriqueiro, cria não só um bom grau de mistério e tensão ao episódio, como permite que aprendamos sobre o passado de Blood e em que ele acredita.

E a terceira boa notícia é que Raina está de volta e não como um agente da HYDRA, mas sim como alguém independente, correndo também atrás do Obelisco e aparentemente trabalhando para um personagem misterioso – possivelmente o pai de Skye – vivido por Kyle McLachlan nos segundos finais do episódio. Com isso, uma terceira ameaça ao pequeno grupo de Coulson é estabelecido. Ele tem o exército americano ao seu encalço, tem que lidar com a HYDRA e, agora, tem um inimigo nas sombras, um que promete criar grandes problemas para ele.

O episódio começa bem, com muita ação, mas não exagera nas cores. Nós já vimos os poderes do Homem Absorvente no primeiro episódio e, agora, eles têm bem menos destaque, com Heavy is the Head servindo de fechamento do ciclo Carl “Crusher” Creel, pelo menos por enquanto, claro.

Na base de Coulson, Fitz continua inútil, mal conseguindo completar suas frases e ainda vendo e conversando com o fantasma de Simmons. Mas há um elemento novo, o mecânico Mac, que apareceu de soslaio em Shadows e ganha, agora, mais proeminência como um potencial novo parceiro para Fitz. É estranho ver o grandalhão ao lado do raquítico e desmemoriado nerd, mas a química entre os dois pode gerar bons resultados, especialmente se diminuir a confusão mental de Fitz que, diga-se de passagem, é bastante irritante e já “ficou velha”. A temporada precisa arrumar uma solução para essa questão logo, antes que a repetição canse o espectador e Mac pode ser a saída. Vamos torcer.

Skye fica para escanteio nesse episódio, sem muita função. Ela desconfia de algum problema com Coulson, mas não faz ideia do que ele passam com os surtos psicóticos que o fazem desenhar aqueles símbolos estranhos da temporada anterior. Não há dúvidas que ela terá participação importante na temporada, especialmente agora, com o surgimento do personagem de Kyle McLachlan, mas, pelo momento, estamos em compasso de espera.

A segunda metade do capítulo tem uma certa quantidade de diálogo expositivo que acaba desacelerando o episódio. Não que isso realmente atrapalhe, pois aprendemos bastante sobre os novos personagens e sobre Raina e o próprio Coulson, mas realmente espero que isso não seja um sinal de que veremos um terceiro episódio “solto”, sem efetiva relevância dentro do grande esquema das coisas.

Heavy is the Head parece um epílogo de Shadows e funciona com o fechamento de um pequeno arco que, claro, abre outras possibilidades. É torcer para que os planos da Marvel sejam bem desenvolvidos nos episódios vindouros.

A partir daqui, listo as referências ao Universo Marvel em quadrinhos desse episódio:

1. Brigadeiro-General Glenn Talbot – Eterno caçador do Hulk, junto com o General Thunderbolt Ross.
2. Lance Hunter – Diretor da S.T.R.I.K.E., agência correspondente à S.H.I.E.L.D. na Inglaterra.
3. Carl “Crusher” Creel – O Homem-Absorvente, clássico inimigo de Thor.
4. Dr. Whitehall – Nos quadrinhos, Daniel Whitehall é um lendário agente da Hydra conhecido pelo codinome Kraken (apenas mencionado)
5. Peggy Carter – Primeiro amor do Capitão América, durante a 2ª Guerra Mundial (apenas uma foto no computador holográfico de Coulson).
6. Quinjet – Nave dos Vingadores criada com tecnologia de Wakanda, reino do Pantera Negra.
7. Personagem de Kyle McLachlan ainda sem nome – Pai de Skye? Um Kree? Um Inumano? Só o tempo dirá.

Agents of S.H.I.E.L.D. – 2X02: Heavy is the Head (EUA, 2014)
Showrunner: Joss Whedon, Jed Whedon
Direção: Jesse Bochco
Roteiro: Paul Zbyszewski
Elenco: Clark Gregg, Chloe Bennet, Ming-Na Wein, J. August Richards, Iain De Caestecker, Elizabeth Henstridge, Brett Dalton, B.J. Britt, Nick Blood, Adrian Pasdar, Hayley Atwell, Kenneth Choi, Neal McDonough, Henry Simmons, Brian Patrick Wade, Henry Simmons
Duração: 42 min.

RITTER FAN. . . . Aprendi a fazer cara feia com Marion Cobretti, a dar cano nas pessoas com John Matrix e me apaixonei por Stephanie Zinone, ainda que Emmeline Lestrange e Lisa tenham sido fortes concorrentes. Comecei a lutar inspirado em Daniel-San e a pilotar aviões de cabeça para baixo com Maverick. Vim pelado do futuro para matar Sarah Connor, alimento Gizmo religiosamente antes da meia-noite e volta e meia tenho que ir ao Bairro Proibido para livrá-lo de demônios. Sou ex-tira, ex-blade-runner, ex-assassino, mas, às vezes, volto às minhas antigas atividades, mando um "yippe ki-yay m@th&rf%ck&r" e pego a Ferrari do pai do Cameron ou o V8 Interceptor do louco do Max para dar uma volta por Ridgemont High com Jessica Rabbit.