Crítica | Arquivo X – 10X04: Home Again

xfiles104.1

estrelas 3,5

Obs: Há spoilers. As críticas da “série completa” e dos dois longas-metragens podem ser lidas aqui.

Arquivo X nem sempre foi o grande sucesso que muita gente pensa que ele foi. A série, assim como muitas outras, não soube a hora de pendurar as chuteiras e as últimas temporadas foram mornas, quase geladas. Para os fãs era triste ver aquele seriado tão incrível, com histórias tão fascinantes e personagens tão cativantes, terminar da forma como terminou. Como fã, não gostei de quase nada da temporada final de Arquivo X e acredito que muita gente tenha pensado como eu.

Um dos eventos que mais marcou essa última temporada foi a gravidez de Dana Scully (Gillian Anderson), que apesar de infértil dá luz a William, fruto de seu relacionamento com Fox Mulder (David Duchovny) que nessa finaleira já nem dava mais as caras nos episódios. Pois após dar a luz à criança, o casal de agentes decide colocá-lo para adoção já que o pequeno poderia sofrer represálias por causa da profissão dos pais, e mais, por causa de tudo que os dois sabiam de conspirações envolvendo o governo americano e tudo mais. Pois esse passado já havia sido abordado nos primeiros episódios dessa nova temporada de Arquivo X e mostrava que, depois de mais de 14 anos de espera, enfim, a gente vai poder ter respostas do que aconteceu com o filho de Scully e Mulder.

Esse quarto episódio começa com a dupla investigando um assassino que, aparentemente, tem uma força descomunal e age na calada da noite. Ao que tudo indica, o criminoso é mais uma espécie de defensor de moradores de rua, que são tratados como lixo pela comunidade onde vivem e são vistos como um problema que precisa ser eliminado para a construção de mais prédios e para a revitalização da área.

É no meio desse caso sobrenatural, mas com uma base bastante social, que Scully vive um dos momentos mais tristes da sua vida. Sua mãe acaba de sofrer um ataque cardíaco e está à beira da morte na UTI de um hospital. Os momentos ao lado do leito da mãe fazem a agente repensar a sua própria vida e as escolhas feitas por ela em relação ao filho William, citado pela mãe em suas últimas palavras antes de morrer.

Scully é de fato a minha personagem preferida de todo o universo de Arquivo X. Racional, mas ainda assim apaixonada pelo seu trabalho e pelo que acredita, Scully sempre foi uma muralha, enquanto que Mulder, muitas vezes, sucumbia devido às descobertas de conspirações que muitas vezes envolvia a sua irmã, abduzida por extraterrestres lá no início da série. Agora é a vez de Scully rever seu passado e ir atrás das suas verdades. O que terá acontecido com seu filho? Será que ele, assim como ela, tem perguntas e poucas respostas? Será que ele, ao ser abandonado pelos pais, se sente como os moradores de rua, como um problema, como um saco de lixo que precisava ser descartado o mais rápido possível? Ao que tudo indica essa décima temporada tem como objetivo, entre outras coisas, falar mais sobre esse assunto e colocar Scully no centro desse dilema que ficou anos sem resposta.

Ainda faltam dois episódios até o final dessa décima temporada que mostrou até agora poucas novidades, mas deixou o coração dos fãs cheios de esperança pelo que ainda pode vir pela frente. A Verdade está lá fora, vamos ver se Chris Carter e cia irá nos presentear com uma 11ª temporada para que tudo possa ser devidamente respondido, como o fã merece!

P.S.: Apesar da seriedade do episódio, destaque para a melhor tirada de Scully até agora (tem a ver com escadas e sapatos de salto). E sim, temos lanternas!

Arquivo X 10X04: Home Again (EUA, 2016)
Showrunner: Chris Carter
Direção: Glen Morgan
Roteiro: Glen Morgan e Chris Carter
Elenco: David Duchovny, Gillian Anderson, Tim Armstrong, Daryl Shuttleworth, Peggy Jo Jacobs, Sheila Larken, Alessandro Juliani, Chris Shields e John DeSantis
Duração: 43 min.

GISELE SANTOS . . Gaúcha de nascimento, mas que não curte bairrismos nem chimarrão! Me encantei pelo cinema ainda criança e a paixão só cresceu ao longo dos anos. O top 1 da vida é "Cidadão Kane", mas tenho uma dificuldade enorme de listar os melhores filmes da minha vida. De uns anos para cá, os filmes alternativos têm ganhado espaço neste coração que um dia já foi ocupado apenas por blockbusters pipoquentos.