Crítica | Black Lightning – 1X06: Three Sevens: The Book of Thunder

Three_Sevens_The_Book_of_Thunder_plano critico raio negro serie plano critico
Há SPOILERS! Clique aqui para ler críticas de todos os episódios. E clique aqui para ler as críticas das HQs.

A revelação dos poderes de Anissa para seu pai e sua mãe (iniciada em uma das melhores cenas de luta que tivemos na série até agora; e melhor ainda: entre pai e filha sem saberem quem eram, por trás de suas máscaras) não poderia ter vindo em um momento mais propício de Black Lightning. Com a permanência do grupo “Os 100” agindo na cidade, a livre circulação de Tobias Whale e um dilema moral bastante interessante por parte de Jennifer Pierce, é bom que alguém “fora da curva” tenha surgido exatamente neste ponto, para mostrar perspectivas diferentes para o Raio Negro e para a própria família Pierce, que tem mais uma grande jornada heroica pela frente.

Escrito por Charles Holland (co-autor de Lawanda: The Book of Hope), este sexto episódio da série acrescenta mais algumas informações sobre Peter Gambi, sua relação com Lady Eve (Jill Scott domina com excelência toda a cena em que aparece, é impressionante!) e sugere algo sobre o por quê de ele encobrir os rastros de Tobias, ponto de suspeita adicionado na série desde o início e que agora vem ganhando fôlego, prometendo muito mais para os próximos capítulos. Tenho gostado bastante da forma como os roteiros estão apresentando os mistérios do passado juntamente com os dramas do presente. Um dos grandes medos que eu tinha era que o Raio Negro fosse se estabelecer sozinho, com lutas semanais contra diferentes obstáculos do The 100, até chegar no chefão, como em jornadas de games. Ainda bem que os produtores não caíram nesse abismo.

Primeiro, passamos pelo conhecimento do núcleo familiar de Jefferson Pierce. Entendemos o seu relacionamento com a ex-esposa Lynn (Christine Adams é sempre uma presença muito agradável nos episódios e a atriz tem feito um ótimo trabalho com a personagem), o relacionamento dele com as filhas e sua importância para a comunidade onde mora, especialmente para os alunos da escola onde é diretor. Depois, entendemos o seu lado heroico e seguimos explorando elementos de sua moral até o presente episódio, onde outra camada dramática se apresenta para a série, a relação com uma filha que também tem super-poderes, uma revelação que é o clímax de um enredo fortemente marcado por uma discussão histórica e sociológica do que é ser negro e de como valores ou posições cotidianas são produto de uma terrível herança que até mesmo alguns negros reproduzem, por ignorância, sem mesmo se darem conta.

Em termos de ritmo, o episódio só emperra um pouco no começo. Após a ação policial para encontrar Black Lightning (a sequência poderia muito bem ter uma abordagem mais ampla para os policiais, especialmente porque temos Damon Gupton nesse bloco e o ator é bom, assim como o seu personagem. Ele poderia ter mais espaço na série), passamos algum tempo tentando encontrar o verdadeiro foco da trama, até chegarmos a uma narrativa paralela que só após os 15 min. do capítulo é que se mostra sólida e interessante. O mais curioso é que o que vem daí para frente é tão bem escrito que fica difícil olhar o episódio com menos simpatia só pelo “senão” do início.

Discussões sobre cyber bullying e uma difícil decisão que se apresenta para Jennifer (realmente me dói ver Khalil passar para o outro lado da moeda. Mas ele será um antagonista muito bom) finalizam o escopo de boas coisas do episódio, isso sem contar na excelente cena entre Gambi e Lady Eve e a já citada luta entre Raio Negro e Tormenta. Com peso maior da fotografia nas cenas noturnas (como já é de praxe na série) e abordagem ágil do diretor Benny Boom, que valoriza a ação e o movimento dos personagens, o episódio pode até servir como um “novo começo” para a série, agora com um peso heroico a mais e possivelmente mais vilões ou maior ambição dramática nos próximos capítulos. Potencial aqui é o que não falta. E até agora, ele tem sido muito bem aproveitado.

Black Lightning – 1X06: Three Sevens: The Book of Thunder (EUA, 2018)
Direção: Benny Boom
Roteiro: Charles Holland
Elenco: Cress Williams, China Anne McClain, Nafessa Williams, Christine Adams, Marvin ‘Krondon’ Jones III, Damon Gupton, James Remar, Jill Scott, Jordan Calloway, Skye P. Marshall, Charlbi Dean Kriek, Amanda Davis, Anthony Reynolds, Eric Mendenhall, Kyanna Simone Simpson
Duração: 43 min.

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.