Crítica | Boardwalk Empire 5X01: Golden Days for Boys and Girls

estrelas 5,0

Atenção:  Contém spoilers do episódio comentado e das temporadas anteriores

Diante de uma verdadeira era de ouro da televisão encontramos inúmeras séries que se reinventam a cada temporada. São poucas, contudo, que conseguem realizar tal feito de forma bem sucedida, como é o caso de Homeland ou Doctor Who. Nas mãos de Terence Winter, que despontou em A Família Soprano, Boardwalk Empire é uma dessas produções que se recusam a se manter no status quo e, apoiada pela História, sempre move em frente, trazendo novos cenários e situações para seus personagens. No fim, o que vemos em uma temporada muito nos distancia daquilo que vimos naquele primeiro episódio dirigido por Martin Scorsese.

Mas isso, de forma alguma, é algo ruim, pois a série, a cada turno, dialoga com seu passado, como se seus personagens fossem vivos e não apenas o velho produto da ficção. E é justamente no passado que mergulhamos nos primeiros minutos de Golden Days for Boys and Girls. Com uma voz familiar realizando uma narração em off assistimos um grupo de crianças mergulhando para pegar as moedas que um certo Comodoro joga do píer de Atlantic City. Estamos em 1884 e desde já percebemos que iremos conhecer, enfim, a história de como Nucky Thompson chegou até onde ele está. Nesse exato momento, através de uma transição imperceptível, realizada com a maior precisão, de tirar o sorriso de qualquer um que aprecie tal aspecto do cinema, passamos para outro mar, com outras crianças.

Agora estamos em Havana, Cuba, no ano de 1931 onde nos deparamos com o Nucky de sempre, claramente se lembrando de seus dias como criança. Não temos como deixar de sentir aquele saudosismo dos tempos de outrora, como se o fim estivesse chegando (e ele realmente está). Para o personagem é como se a vida passasse diante de seus olhos, naqueles momentos finais. Mas raramente permanecemos somente no óbvio sob a direção do experiente Tim Van Patten, responsável pelo que ainda considero o melhor episódio de Game of Thrones, o exato primeiro, Winter is Coming. O episódio, passado essa sua introdução, nos coloca diante de uma negociação entre Thompson e um senador, visando o término da Lei Seca e, obviamente, um possível lucro para o velho tesoureiro de Atlantic City. E que hora ideal para termos essa situação! No première da última temporada temos o exato oposto do que vimos no première da primeira – quando ainda se discutia as operações de contrabando de bebidas alcoólicas às vésperas da proibição.

O diálogo entre as temporadas, então, é oficialmente aberto e se ainda não pensássemos naqueles “dias de glória” de Nucky, com Jimmy Darmody (Michael Pitt) ao seu lado, agora se torna impossível não fazê-lo. Inevitável, portanto, deixarmos de pensar nas mortes que presenciamos, sendo que a mais recente delas, Richard Harrow na temporada anterior, ainda nos abala. Abrindo uma linha direta com esses acontecimentos, vemos Chalky White (Michael K. Williams) encarcerado, sendo movido para o meio da floresta onde irá cortar lenha para a prisão, junto dos outros prisioneiros. Em seu costumeiro silêncio, através de closes que bem captam sua insatisfação, sabemos exatamente o que se passa na cabeça do homem e sua raiva, mesclada a desolação, se torna praticamente palpável.

Nas mãos de Van Patten somos ensinados a temer as possíveis reações de cada personagem em Boardwalk, como se estivéssemos em perigosas negociações. Nenhum diálogo vem solto, são todos pensados a fundo, podendo gerar inúmeras repercussões – cedo ou tarde. Por isso, quando vemos uma tentativa de assassinato, aparentemente sem motivo, ao velho Nucky, já passamos a suspeitar de outros elementos da narrativa. A série, portanto, não nos deixa descansar e nos coloca para pensar a cada instante, forçando-nos a participar de sua trama envolvente. Por mais que estejamos diante de um season première, já temos inúmeros eventos sendo colocados em movimento, desde uma bem-vinda volta de Margaret Schroeder (vivida pela talentosa Kelly Macdonald), que esteve apagada na temporada anterior, até as origens da Cosa Nostra, com Charlie Luciano (Vincent Piazza).

A quinta temporada de Boardwalk Empire, através de um ótimo primeiro episódio, promete fechar com chave de ouro uma das melhores séries dos últimos anos. Terence Winter prova mais uma vez que não tem medo de sair do lugar comum, fazendo bom uso de elipses temporais que chegam até a nos tirar personagens queridos. Estamos falando de um mundo vivo, afinal, com personagens reais e chegou a hora de acompanharmos Nucky Thompson nesse fim de sua longa jornada.

Boardwalk Empire 5X01: Golden Days for Boys and Girls (EUA, 2014)
Showrunner: Terence Winter
Direção: Tim Van Patten
Roteiro: Howard Korder
Elenco: Steve Buscemi, Michael K. Williams, Chris Caldovino, John Ellison Conlee, Ivo Nandi, Vincent Piazza, Kelly Macdonald, Anatol Yusef, Patricia Arquette

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.