Crítica | Boardwalk Empire 5X04: Cuanto

estrelas 5,0

Atenção:  Contém spoilers do episódio comentado e das temporadas anteriores

Boardwalk não para. Em mais uma semana tivemos avanços que somente costumamos a ver nos episódios finais da temporada e não chegamos sequer à metade dela. O foco, desta vez, fica nos personagens em Chicago (Capone, Lucky e Mueller), Nucky, é claro, e sua correspondente de Havana, Sally. Como esperado, os velhos flashbacks retornam e compõem uma das melhores partes do episódio.

De fato, começamos a narrativa através das memórias de Enoch, agora sendo dispensado de seus serviços para o Comodoro em vista do fim do Verão. Este lado da trama do episódio segue por tal via e nos oferece um grande avanço quando se trata da carreira de Nucky. É interessante notar a formação de sua personalidade neste ponto, o sofrimento que a pobreza lhe causa e que, por fim, o motiva para se tornar o homem que ele é no futuro. Enxergamos que não é apenas ganância e sim a força de vontade de não viver mais daquela maneira, fazendo o necessário para tal.

A primeira rememoração termina com um súbito despertar e o já velho Nucky se vê em sua casa sendo visitado por Margaret, que busca ajuda com a sra. Rothstein. Após uma temporada inteira sem contato algum entre ambos é revigorante enxergar qualquer tipo de relação ali se estabelecendo. Boardwalk, contudo, não trabalha em cima do óbvio e compõe uma dramática cena de despedida, que não só se encaixa com o protagonista, como nos revela ainda mais sobre ele, nas entrelinhas. Já estava implícito faz algum tempo, mas tal característica ganha mais relevância conforme nos aproximamos do fim: Nucky está desesperançoso, ele segue sua vida tentando deixar para trás o que pode. A série, então, posiciona seu personagem central no lugar preciso: pós-crash de 1929, quando os ânimos de toda uma nação estão para baixo.

Já em Chicago é onde as peças visivelmente se movem e Luciano, declaradamente, revela suas intenções de ir contra Atlantic City. Assistimos uma sequência de cenas envolvendo Capone, maravilhosamente caracterizado por Stephen Graham, que empresta ao personagem uma grande volatilidade, no lembrando facilmente de Tommy DeVito, interpretado por Joe Pesci em Os Bons Companheiros. E que melhor maneira que trabalhar tão icônico indivíduo que o colocar assistindo uma propaganda de si mesmo? Public Enemy number 1. Esse foco da trama garante ao episódio uma forte tensão e coloca Mueller novamente no centro da jogada, trazendo à tona seu passado de forma mais que inteligente e orgânica para a história como um todo. Afinal, todas as pontas precisam ser atadas, não?

O que mais nos chama atenção, contudo, é a forma como Al lida com a investida contra Nucky. Ele é cauteloso, não demonstra nada na frente de Luciano. É um homem de muitas facetas – impulsivo e controlador, bruto e inteligente. Acima de tudo, porém, leal. Sabemos que não foi Capone que atacou seu antigo mentor e agora temos a certeza de que ele não trairá Nucky e a aliança firmada no fim da terceira temporada. O saudosismo, então, nos lembra de Jimmy Darmody, nos fazendo pensar o quanto a série caminhou até este ponto, trabalhando meticulosamente em cima de seus profundos personagens.

O capítulo, então, se encerra trazendo uma morte inesperada que funciona para cercar Thompson por todos os lados. Há pouca chance para qualquer sucesso, resta a dúvida se o homem irá sobreviver e quanto sangue será derramado até o fim deste ano. Cuanto tem um encerramento à altura de seu desenvolvimento: dramático, bem executado e memorável. Dificilmente uma série consegue manter uma temporada sem seus pontos baixos, mas, por enquanto, Boardwalk não deslizou sequer uma vez. Não irei me repetir e comentar, novamente, sobre a fantástica montagem e os detalhes da fotografia – já abordei tais aspectos nos episódios anteriores e o farei em minha crítica geral da temporada.

Eis uma série que se define, a cada episódio, como o ponto alto da semana na televisão ou até mesmo cinema.

Boardwalk Empire 5X04: Cuanto (EUA, 2014)
Showrunner: Terence Winter
Direção: Jake Paltrow
Roteiro: Terence Winter, Howard Korder, Cristine Chambers
Elenco: Steve Buscemi, Stephen Graham, Chris Caldovino, John Ellison Conlee, Ivo Nandi, Vincent Piazza, Kelly Macdonald, Anatol Yusef, Patricia Arquette

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.