Crítica | Buraco Negro (2018)

plano critico 42 mostra sp buraco negro

Livros, peças, músicas, quadrinhos, filmes… diversas manifestações artísticas já trataram do tema da chegada da maturidade para alguém. Por ser amplo e, a rigor, não ter uma exata idade para que os rituais de passagem ocorram ou façam efeito — afinal, amadurecemos de tempos em tempos — o filão dos coming of age pode servir para discutir uma série de situações típicas de uma certa idade. No caso de Buraco Negro (2018), acompanhamos a chegada de Victor à casa dos 30 anos e o anúncio da gravidez de sua namorada, que juntamente com o projeto de segundo livro do novo trintão, bagunçará por um bom tempo os pensamentos e as ações do personagem, entrando em um cenário bastante perigoso.

Filmado em preto e branco — segundo o diretor, mais por uma questão de barateamento da película, diante dos cortes de investimentos do que por intenção estética –, Buraco Negro mostra o distanciamento de Victor (Victor Arauz) de suas responsabilidades mais imediatas, ou seja, a preparação para a grande responsabilidade de ser pai e um forte investimento de tempo na conclusão de seu livro. O trabalho, a questão familiar, os embates com a sogra e a relação cada vez mais difícil com sua parceira são problemas que o protagonista não consegue resolver. Lados que não consegue escolher. E para piorar, ele entra em um tipo de segunda adolescência, num jogo de encontros, paquera e laços que podem direcionar suas atitudes para julgamentos e olhares nada bons.

O curioso aqui é que o roteiro constrói a personagem Valentina (Marla Garzón) com uma dupla vertente de significados. Ela tanto pode ser a paquera desmedida e um tanto platônica de alguém que não pode relacionar-se com ela legalmente, mas também a ponte inesperada do ritual de passagem desse mesmo homem. Ele está esperando uma filha e, de certa forma, as conversas, o olhar, o comportamento em relação a Valentina também podem ser vistos com uma relação de cuidado, de carinho apenas. Mas é claro, isso não é algo simples de se ver e nem socialmente normal. Não é algo para o qual o “benefício da dúvida” é dado. Victor encontrou o menos indicado objeto de desejo e de passagem para amadurecer. E o roteiro de Araujo e Hanne-Lovise Skartveit não nos deixa esquecer disso um só momento.

Aos poucos, porém, essa relação deixa de ser algo com um propósito maior e passa a dominar um espaço do filme que não deveria. Ao final dessa jornada, o texto volta a atenção de novo para Victor, mas já atrelada e um elemento que realmente não fez bem ao longa. O tom fabular, sonhador e subjetivo que é dado ao personagem no exercício de sua função como escritor — vide aquele visgo que sai dele, como símbolo de sua autenticidade, toda vez que escreve algo “de dentro” — não encontra um real respaldo no filme, tampouco a ligação (visualmente maravilhosa, mas textualmente vaga) do protagonista diante de um buraco negro, tendo que lidar com essa relação que tanto o marcou, atraiu e diante da qual a sua maturidade dará a devida força para se afastar e se entender como alguém na casa dos 30 anos, com uma filha a caminho e um outro estilo de vida para seguir.

A beleza do aprendizado é um dos grandes ganhos do filme e a direção de Diego Araujo é funcional, tendo no longa um grande número de referências (O Apanhador no Campo de Centeio, The Cure, Jules e Jim) que nos ajudam a cercar uma atmosfera de tempos se chocando, de realidades e necessidades que não se combinam à primeira vista mas que, com o ajuste certo de uma mente que se vê com a idade que tem, pode muito bem compor o novo homem, agora pronto para enfrentar os desafios de uma nova década e com bagagem suficiente para enfrentar os desafios da próxima crise etária.

Buraco Negro (Agujero Negro) — Equador, República Dominicana, 2018
Direção: Diego Araujo
Roteiro: Diego Araujo, Hanne-Lovise Skartveit
Elenco: Victor Arauz, Daniela Roepke, Marla Garzón, Alejandro Fajardo, Cristina Morrison, Nicolás Andrade, Anahí Hoeneisen, Yasser Michelén, Diego Mignone, Marisol Romero
Duração: 102 min.

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.