Crítica | Caminhos da Floresta

estrelas 2A imagem de capa não poderia ser mais propícia, pois é com essa exata expressão que fica o espectador ao assistir ao mais novo musical da Disney Estúdios Caminhos da Floresta baseado em uma peça de teatro famosa. Mesmo com um elenco que muitos consideraram perfeito logo quando foi anunciado, o longa possui uma série de falhas que são impossíveis de serem ignoradas.

A trama ou tentativa de uma, segue a princípio as desventuras do casal James Corden e Emily Blunt ao adentrarem a floresta para conseguir os itens mágicos que foram pedidos pela bruxa (Streep) para encerrar com a maldição dela e a deles de não conseguirem ter um filho. Os itens mágicos são bem conhecidos de todos aqueles que leram e conhecem contos de fada: a vaca mais branca, a capa mais vermelha, o sapato mais dourado e os fios amarelos como milho. A bruxa some tão rapidamente como apareceu e sobra para o casal concluir a missão em três dias. Contudo, no caminho, irão encontrar alguns obstáculos que deixarão a tarefa mais complicada, pois terão que depender da bondade de estranhos – para eles e conhecidos para nós – a fim de conseguirem reunir os itens pedidos pela bruxa.

Toda a atmosfera construída em Caminhos da Floresta é mágica, no entanto, a edição sofrível e as transições que são piores ainda dificultam e muito para que o espectador se sinta contagiado pela história. Além da trama principal com o casal, há ainda outros quatro sub-plots que narram os contos da Cinderela, Rapunzel, João e o Pé de Feijão e Chapeuzinho Vermelho com direito a um lobo Johnny Deep que não dura muito assim como manda a fábula, ainda bem. Com isso, há cortes abruptos logo depois de determinadas canções fazendo com que o filme mais pareça uma peça de teatro, mas infelizmente, ele acaba ficando no meio termo e não consegue se definir entre nem uma coisa e nem outra. Algo que deixa o filme confuso como um todo e deveras mal acabado.

Esses erros, por vezes, são mascarados pelas canções que empolgam e até por algumas atuações marcantes como a da jovem atriz Lilla Crawford que interpreta a Chapeuzinho. A menina possui uma voz doce, agradável e expressões igualmente suaves, mas que de alguma forma acabam contrastando com a sua performance enquanto Chapeuzinho, já que a personagem se mostra bastante travessa e atrevida. O mesmo não pode ser dito do seu colega igualmente jovem, Daniel Huttlestone, que interpreta o João. Por mais carismático que o garoto seja, possui uma dicção travada e sem o auxílio das legendas é impossível conseguir entender o que ele está falando ou mesmo cantando, o que é uma pena pois ele possui uma linda voz. Já o casal principal de atores Corden e Blunt demonstraram possuir uma química incrível em cena – possivelmente por se conhecerem a tanto tempo – o que acabou gerando diversos momentos cômicos e sinceros.

Todavia, nada decepciona mais do que a atuação de Meryl Streep. A atriz que é notoriamente conhecida por sua excelência na arte de atuar, foi indicada inúmeras vezes ao Oscar e até já fez outro papel cantante em Mamma Mia que empolgou muito mais, aqui, ela não consegue se destacar das sombras projetadas pelo cenário. Mesmo sendo o elo de ligação do casal principal para com o resto dos personagens, não tem muita utilidade no restante do longa, deixando aqui a incógnita do motivo de mais essa indicação ao Oscar.

Se for preciso destacar outro ponto interessante em Caminhos da Floresta, além daquilo dito acima acerca das canções e atuações, é a fidelidade dos roteiristas em relação as fábulas. Nenhuma teve um desfecho a la Disney com direito a “felizes para sempre” no final, e sim, vemos o encerramento de todas as fábulas que foram citadas no começo do texto. Infelizmente, o fato da edição pecar, e muito, acaba estragando o que deveria ser uma experiência mágica dentro da sala de cinema, pois, se for para assistir a uma tentativa de transmitir uma produção teatral é preferível ir conferir a peça em sua forma e local original: no teatro.

Caminhos da Floresta (Into The Woods, EUA – 2014)
Direção: Rob Marshall
Roteiro: James Lapine
Elenco: Anna Kendrick, Daniel Huttlestone, James Corden, Emily Blunt, Christine Baranksi, Tammy Blanchard, Lucy Punch, Tracey Ullman, Lilla Crawford, Meryl Streep, Simon Russell Beale, Joanna Riding, Johnny Deep, Billy Magnussen, Mackenzie Maunzy, Chris Pine, Richard Glover
Duração: 125 min.

MELISSA ANDRADE . . . Uma pessoa curiosa que possui incontáveis pequenos conhecimentos desde literatura a filmes a reality shows a futebol alemão e está sempre disposta a aprender muito mais. Por isso sou Jornalista por experiência e vocação. Fotógrafa Profissional com muita paixão e um olhar apurado e Roteirista frustrada e uma Crítica de Cinema em ascensão.