Crítica | Carros 3 (Trilha Sonora Original)

estrelas 5,0

Compositor das trilhas da trilogia Toy StoryVida de InsetoMonstros S.A.Carros, dentre outros da Pixar, Randy Newman basicamente ajudou a formar a identidade desses universos criados pelo estúdio de animação, afinal, como desvencilhar You’ve Got a Friend in Me de Toy Story, ou mesmo a música tocada quando o castelo da Disney durante o longa. Em Carros 3, Newman retorna à franquia, tendo sido substituído por Michael Giacchino em Carros 2 e nos entrega uma trilha original que não somente ajuda a construir a atmosfera da obra, como é peça essencial para a formação do tom do filme.

O álbum tem início de maneira dramática, através de Storm’s Winning Streak, que muito bem simboliza a chegada dos novos corredores às pistas, enquanto que deslumbramos a determinação de McQueen, bem marcada por notas em tons mais “heróicos” que se distanciam do tom mais melancólico, que toma boa parte da faixa. When All Your Friends are Gone/ Crash funciona quase como continuação da música de abertura e rapidamente se define como a melhor do álbum, a tal ponto que vivenciamos todo o trecho inicial somente de escutarmos tal melodia.

Trata-se de uma faixa que lida perfeitamente com aquilo que Carros 3 pretende trabalhar, mesclando a vontade de continuar correndo de Lightning com a ameaça representada por Storm, que aparece através de tons metálicos os quais se destacam das cordas que sintetizam bem a melancolia da sequência. Newman, então, subitamente encerra a música, nos remetendo ao choque que vemos no início do filme.

Algo interessante de observar nessa trilha de Carros 3 é como conseguimos acompanhar todo o longa através dela. Doc’s Painful Demise, por exemplo, nos leva de imediato para um McQueen mais desolado. Enquanto que Fireball Beach nos leva direto para o cenário da praia, mais bem humorado, com tons que remetem ao trabalho do compositor em Toy Story – seu trabalho conta com tanta identidade que sabemos que “estamos em uma praia”, mesmo sem olhar para o nome da música. Em faixas como If This Track Could Talk, Newmna retoma perfeitamente a temática mais simplista, com notas que remetem ao country, nos fazendo viajar para o interior só de ouvir sua melodia. Toda a preocupação vai embora, enquanto encontramos a mesma paz que McQueen (re)descobre ali.

Newman, porém, realiza um trabalho cíclico, bem fechado em si e nos leva de volta ao início em Starting Dead Last, que retoma a melodia de When All Your Friends are Gone, nos conduzindo perfeitamente para o clímax do longa-metragem. A rápida percussão transmite perfeitamente a tensão almejada pela sequência, nos remetendo imediatamente ao início do filme. Há de se comentar da coragem de Newman, em trazer quatro diferentes músicas para o clímax. Claro que cada uma se complementa, mas ao mesmo tempo, evidencia a importância de seu trabalho para controlar as expectativas do espectador e, claro, definir a atmosfera da obra. É importante notar, também, como o maestro opta por melodias mais curtas, ao invés de longas composições, o mais comum quando se fala de trilhas sonoras nos dias atuais.

A trilha sonora de Carros 3, portanto, é um daqueles raros exemplos de álbuns que nos permitem visualizar todo o filme apenas ouvindo suas músicas. Newman nos entrega faixas com exemplar identidade, que nos fazem, ao mesmo tempo, enxergar que se tratam de composições de sua autoria, ao mesmo tempo que nos remetem imediatamente ao filme ao qual pertencem. Ouso dizer que o longa animado não seria metade do filme que é sem o trabalho de Newman e, justamente por isso, ele merece ser reconhecido.

Carros 3 (Trilha Sonora Original)
Artista: 
Randy Newman
País: 
Estados Unidos
Lançamento: 
16 de junho de 2017
Gravadora: 
Walt Disney Records
Estilo: 
Trilha Sonora

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.