Crítica | Chef

capachefe2

estrelas 4,5Jon Favreau fez nome graças a Homem de Ferro. Mas, na verdade, ele já estava trabalhando duro em Hollywood desde 1992 onde iniciou sua carreira como ator. A de diretor começaria apenas anos mais tarde, em 2001, com o filme Crime Desorganizado no qual ele não apenas dirigiu, mas também foi o produtor, escreveu o roteiro e contracenou com Vince Vaughn.

Até então, Jon Favreau era apenas mais um na grande Meca dos filmes e lutava para conquistar um espaço só seu. Aos poucos, ele foi se cercando das pessoas certas e encabeçando projetos nos quais participava de ao menos duas funções, variando entre ator e diretor ou ator e produtor e algumas vezes sendo ator e roteirista. Óbvio que nem todos os projetos foram um incrível sucesso, o que não o impediu (como também não impede Michael Bay) de continuar sempre em frente.

Aparentemente, todos esses anos exercendo mais de uma função lhe rendeu experiência suficiente para que ele se aventurasse em um projeto solo (de novo) e totalmente independente, fugindo dos grandes estúdios. Nascia assim Chef, que pode ser considerado uma singela obra-prima apenas por não tentar ser mais do que é.

Carl Casper é o respeitado Chef da cozinha do restaurante Riva. Sua equipe o adora, principalmente seus amigos Martin e Tony, com quem ele divide suas receitas e inspirações. Os ânimos estão um tanto exaltados, pois um famoso crítico gastronômico irá visitar o restaurante e Casper quer impressioná-lo. Infelizmente, o dono do local, o próprio Riva, decide que eles devem se ater ao cardápio de sempre já que Carl não foi muito feliz nas últimas mudanças. Contrariado, o Chef atende ao pedido do patrão e acaba não tendo uma surpresa muito agradável. O crítico, Ramsey Michel detona tanto a comida quanto o próprio Chef e a crítica acaba viralizando nas redes sociais, algo do qual ele não faz a menor ideia. É seu filho Percy quem o apresenta ao Twitter, dando início assim a uma série de problemas. Desabituado a troca de mensagens e tweets, Carl acaba provocando o crítico para uma espécie de revanche. Porém, mais uma vez seus planos são minados por Riva, só que com um agravante: ele é demitido.

Todo esse problema gera um burburinho imenso na internet e só resta a Carl dar um tempo. Porém, ele não quer desistir de cozinhar e poder oferecer sua comida para qualquer pessoa e é então que decide aceitar uma sugestão da ex-esposa, montar um food truck. Recomeçando do zero, Carl irá reaprender alguns valores que deixou para trás e descobrir a importância de pequenos momentos.

Chef tinha tudo para cair nos típicos clichês que pontuam esse gênero de filme, mas, toda vez que isso ameaçou acontecer houve uma virada. Carl poderia ter buscado vingança. Não aconteceu. Carl poderia ter ficado em casa, isolado, se lamuriando. Também não aconteceu. Para quê apostar no óbvio, quando o mais simples é capaz de surpreender?

Favreau acertou em cheio ao dirigir, escrever, produzir e atuar nesse filme que arrisco em dizer, não possui defeitos. O longa consegue prender o espectador do primeiro ao último segundo do filme, o que inclui até os créditos e também a intensa produção das comidas, pratos esses que são feitos durante as gravações e parecem bem apetitosos. Algo que poderia muito bem entediar, mas, acontece justamente o oposto, graças aos ângulos de câmera certos, uma música bem animada e diálogos divertidos.

Outro primor é a escolha do elenco. Jon fez sua seleção a dedo e temos Dustin Hoffman, Scarlett Johansson, Bobby Cannavale, Oliver Platt e Robert Downey Jr. em pequenas atuações que contribuíram bastante para o sucesso do filme. Downey Jr.por exemplo, aparece em cena por menos de dez minutos e dá um show arrancando risadas da platéia. Os personagens de Sofia Vergara e de John Leguizamo fornecem um apoio essencial ao personagem de Favreau, porém, a cereja desse bolo confeitado é o jovem Emjay Anthony que interpreta o filho do grande chef. O menino juntamente com Leguizamo e Favreau têm, talvez, as melhores cenas em todo o longa.

Chef estreou no Festival de Tribeca deste ano e teve uma das melhores bilheterias para filmes independentes. É um filme que merece ser visto e apreciado pelo sua simplicidade.

Uma dica? Comam antes de entrar na sala de cinema. Pipoca e refrigerante não serão suficientes.

Chef (USA – 2014)
Direção: Jon Favreau
Roteiro: Jon Favreau
Elenco: Jon Favreau, Sofia Vergara, John Leguizamo, Scarlett Johansson, Bobby Cannavale, Oliver Platt, Emjay Anthony, Dustin Hoffman, Robert Downey Jr.
Duração: 114 min.

MELISSA ANDRADE . . . Uma pessoa curiosa que possui incontáveis pequenos conhecimentos desde literatura a filmes a reality shows a futebol alemão e está sempre disposta a aprender muito mais. Por isso sou Jornalista por experiência e vocação. Fotógrafa Profissional com muita paixão e um olhar apurado e Roteirista frustrada e uma Crítica de Cinema em ascensão.