Crítica | Community – 5ª Temporada

estrelas 3,5

Assistir à 5ª Temporada de Community é como acordar de um pesadelo. Um pesadelo que nos fez perder a fé na série, em sua 4ª Temporada, um ano inteiro jogado fora por um capricho insano da NBC, que demitiu Dan Harmon do posto de showrunner de sua própria série e contratou dois produtores que de alguma forma — mesmo por não terem muita alternativa — acatariam as decisões da emissora e tornariam a série “mais acessível ao grande público”, ou seja, menos inteligente.

Nessa trilha, é possível entender o motivo pelo qual a 4ª Temporada de Community foi simplesmente deplorável, tendo um foco quase único no romance entre os protagonistas e deixando de lado os roteiros e situações criativas, episódios temáticos realizados com inteligência, referências específicas a séries de TV, filmes, jogos e cultura pop em geral, e, acima de tudo, uma jornada dramática e com uma linha central de acontecimentos pelo ano letivo dos alunos em Community — cujo melhor ano foi o da 3ª Temporada, a que mais causou dor de cabeça a Dan Harmon e custou-lhe a demissão da série, tamanho o embate dele com a NBC.

Depois do insuportável 4º ano da série, foi um verdadeiro milagre que Community tenha sido renovada. Mas novos ventos traziam boas novas: Dan Harmon estava de volta. E como não podia deixar de ser, ele reergueu a série do seu jeito, ou pelo menos do jeito que ele conseguiu melhorá-la em 13 episódios, retirando-a da sucata criativa em que se encontrava. É claro que a 5ª Temporada não conseguiu reaver de todo o brilho dos anos iniciais do show, mas foi, sem sombra de dúvidas, um bom ano.

Demorou 5 episódios para que Dan Harmon conseguisse estabelecer um novo parâmetro narrativo e ressignificasse as personagens. Com a saída definitiva de Chevy Chase e a presença de Donald Glover em apenas 5 episódios, passamos de Repilot até Geothermal Escapism em uma corda bamba. Não há dúvidas de que havia muita coisa a ser feita. Pierce precisava sair de uma vez por todas da série e não utilizando-se do modo “desaparecer sem justificativa”. Troy, por ser um personagem querido e de importância essencial para Abed deveria ter uma partida digna, portanto, entendemos esses capítulos iniciais como uma reescrita e uma leve indicação do que viria no restante da temporada.

A partir daí, o caminho estava livre para que uma nova fase surgisse sem interferências. O custo para alcançar isso? Mais dois episódios. Analysis of Cork-Based Networking e Bondage and Beta Male Sexuality foram episódios-bússola para um novo caminho temático. Apesar de serem bons capítulos, eles possuem um sentido bastante prático que é o de marcar território de alguns alunos, inserir elementos que visivelmente caminhariam para o Finale e amadurecer uma linha narrativa geral. O Comitê da Faculdade não poderia ser apenas um Comitê. Jeff, como professor, tinha sua justificativa sólida para estar lá, os outros, não necessariamente. Esses dois episódios são responsáveis por definir fronteiras e ações para o grupo e também para colocar em cena os primeiros obstáculos verdadeiramente novos para a temporada.

A coisa começa a ser realmente genial em App Development and Condiments, o episódio-de-crítica-social-e-histórica do ano. Basicamente trazendo referências de Zardoz, Fuga do Século 23 e A Rede Social, além de um ambiente semelhante ao da Revolução Francesa e toda a derrocada de Robespierre (aqui, encarnado em Britta), o capítulo é inteiramente Community de volta com todas as letras e ousadia de antes. Daí para frente há apenas um episódio fraco, G.I. Jeff, que como o próprio nome brinca, faz referência a G.I Joe, Comandos em Ação. Tendo apenas o sonho de Jeff como ligação e como ponto isolado em toda a trama, temos em cena um filler atípico vindo de Dan Harmon. O curioso é que é um bom episódio, o único problema é que, na dinâmica estabelecida a muito custo no início deste ano, ele se desloca completamente.

O final da 5ª Temporada de Community nos faz pensar na ‘profecia’ estabelecida desde o início do show: 6 temporadas e um filme. Há um grande potencial para mais uma jornada, provavelmente a última temporada da série e, em seguida, um filme de encerramento. Mas isso são conjecturas. O que temos de concreto é o louvável retorno de Community e os seus inteligentes jogos intelectuais. Chang revela uma outra face (além de ser professor de Matemática!), Jeff e Britta estão noivos, Annie e Abed amadureceram, cada um à sua maneira, Shirley está lidando maravilhosamente bem com sua atual situação civil e Duncan e o professor Buzz foram ótimas adições ao grupo. Eis aí um modo de se resgatar uma série da lama e fazer uma temporada boa, contrariando todos os prognósticos. Dan Harmon está de parabéns.

Community – 5ª Temporada (EUA, 2014)
Direção: Tristram Shapeero, Jay Chandrasekhar, Joe Russo, Rob Schrab
Roteiro: Dan Harmon e equipe
Elenco principal: Joel McHale, Gillian Jacobs, Danny Pudi, Yvette Nicole Brown, Alison Brie, Donald Glover, Jim Rash, Ken Jeong, Jonathan Banks, John Oliver
Duração: 21 min. (cada episódio)

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.