Crítica | Como Eu Era Antes de Você

estrelas 3,5

Alguns filmes são feitos exclusivamente para fazer o espectador se emocionar e chorar rios de lágrimas, sair inchado do cinema e para ser observado pelos outros espectadores que estão na fila esperando a próxima sessão. Digamos que Como Eu Era Antes de Você faça parte desse tipo de segmento cinematográfico, onde você precisa, antes de pipoca, lenços de papel. Mas não espere apenas um romance clássico que normalmente chega aos cinemas na semana do Dia dos Namorados. O filme, assim como o livro (cuja crítica pode ser lida aqui) traz consigo mais do que apenas uma história melosa, traz superação, reflexão sobre a vida, sobre viver e amar e o quanto as nossas escolhas refletem a vida que levamos e a essência do que somos.

O filme é absurdamente fiel aos escritos de Jojo Moyes. Algumas diferenças existem, mas nada que comprometa ou irrite os fãs mais apaixonados pelo livro da inglesa. A trama começa exatamente como no livro. Will Traynor (Sam Claflin), um jovem de 30 e poucos anos está com a namorada na cama e precisa sair para o trabalho em um dia de um verdadeiro dilúvio em Londres. No meio do caminho uma moto acaba com seus planos para sempre e o coloca em uma cadeira de rodas com uma lesão medular irreversível que lhe roubou os movimentos das pernas e dos braços. Will odeia essa situação e já tentou dar fim a sua vida pelo menos uma vez.

O contraponto desse personagem é Louisa Clark (Emilia Clarke), uma jovem de 26 anos que mora na mesma cidadezinha onde nasceu e quer pouco da vida. Namora o mesmo cara há sete anos e não sabe bem o que quer para o seu futuro. As finanças da família não vão nada bem e ela precisa trabalhar duro para ajudar em casa. Apesar dos problemas vividos pela família, naquela casa amor é realmente o que não falta. Lou então é contratada para ser cuidadora de Will e lhe proporcionar dias de alegria, já que a sua vontade de viver é enorme e a de Will nem tanto.

Depois de alguns meses de convivência com Will, Lou descobre que ele tem data de validade. Dentro de alguns meses ele realizará um suicídio assistido na Suíça e dará fim ao seu sofrimento. A partir daí, a cuidadora busca encontrar saídas para trazer a Will a vontade de viver, mesmo com todas as suas limitações físicas.

Lógico que não precisa muito para perceber onde a história vai dar. O roteiro, que é adaptado pela própria autora, não é nada inovador, mas traz momentos interessantes de diálogos entre Lou e Will realmente emocionantes e cheios de humor. A direção da novata Thea Sharrock (inglesa que já dirigiu episódios de The Hollow Crown) é segura, mas bastante convencional. Ela abusa dos closes e movimentos de câmera sutis que combinam bem com a situação limitada de Will e também com Lou e suas dúvidas em relação à vida.

O elenco tem altos e baixos. De fato a escolha de Sam Claflin para o papel de Will foi muito acertada. O ator consegue dar muita vida a esse personagem, mesmo com nenhum outro recurso além da fala e de movimentos faciais. O mesmo acontece com Janet McTeer que dá vida à mãe de Will e que demostra a cada cena o desespero vivido por aquela mulher vendo seu filho querendo dar fim à própria vida. O que me deixou com o nariz mais torcido foi mesmo a escolha de Emilia Clarke para o papel de Lou. Não que eu não goste da atriz, pelo contrário. Só acho que em alguns momentos ela pesa a mão com essa felicidade da personagem, que no livro é bem menos evidente. Ou talvez seja apenas por estar acostumada com ela em Game of Thrones, enfim, nada que comprometa de fato o resultado final.

Falando em final (e tentando não dar spoilers), achei-o exatamente como deveria ser. Como ouvi em outro filme uma vez: “Estar perto não é físico” e parece que Como Eu Era Antes de Você mostra exatamente isso. Que o amor pode transcender a própria vida e que sim, pode transformar quem somos e mudar o nosso destino. Se você é manteiga derretida leve lenços (muitos lenços) até porque a trilha sonora, meio exagerada, vai fazer você se emocionar mesmo em cenas que esse recurso não era necessário.

Gostei do filme mais por uma questão pessoal (quem ler a crítica do livro vai entender) do que de fato pelo que ele é. Mas recomendo para quem curte histórias de superação cheias de romance e humor. Mas não será nada que mudará sua vida. Vale a pipoca e também a reflexão sobre a importância de viver o hoje, o agora e ser feliz, acima de tudo.

Como Eu Era Antes de Você (Me Before You, Reino Unido – 2016)
Direção: Thea Sharrock
Roteiro: Jojo Moyes (baseado em romance de Jojo Moyes)
Elenco: Sam Claflin, Emilia Clarke, Vanessa Kirby, Eileen Dunwoodie, Pablo Raybould, Gabrielle Downey, Henri Charles, Samantha Spiro, Brendan Coyle, Jenna Coleman, Alan Breck, Matthew Lewis, Muzz Khan, Janet McTeer, Charles Dance, Stephen Peacocke, Ben Lloyd-Hughes
Duração: 110 min.

GISELE SANTOS . . Gaúcha de nascimento, mas que não curte bairrismos nem chimarrão! Me encantei pelo cinema ainda criança e a paixão só cresceu ao longo dos anos. O top 1 da vida é "Cidadão Kane", mas tenho uma dificuldade enorme de listar os melhores filmes da minha vida. De uns anos para cá, os filmes alternativos têm ganhado espaço neste coração que um dia já foi ocupado apenas por blockbusters pipoquentos.