Crítica | Destiny of the Doctor #1: Hunters of Earth

estrelas 4

Equipe: 1º Doutor e Susan
Espaço-tempo: Shoreditch, Londres, Outubro de 1963

Susan e o 1º Doutor chegaram ao endereço da Totter’s Lane em Junho de 1963. Pelas informações cedidas nessa aventura, sabemos que a TARDIS estava com alguns problemas e o Doutor, empenhado em resolvê-los, conseguia os materiais que julgava necessários através da compra em uma loja de departamentos ou simplesmente roubando. Nesse período, Susan começa a visitar as aulas na Coal Hill School. Em outubro do mesmo ano, ou seja, 4 meses depois de chegarem à Totter’s Lane, o Doutor e sua neta viveriam o primeiro problema de sua estadia no local…

Com roteiro de Nigel Robinson e uma acertada escolha de tempo e espaço para dar início à saga, Hunters of Earth abre de forma competente a série Destiny of the Doctor, produzida pela Big Finish e pela AudioGO. A série surgiu como ideia de celebrar os 50 anos de Doctor Who e teve o lançamento de uma história por mês, de janeiro a novembro de 2013.

Hunters of Earth traz o 1º Doutor ao lado de sua neta Susan um mês antes de se encontrarem com os professores de Ciências e História da Coal Hill School — Ian e Barbara — no arco An Unearthly Child. De forma bastante irônica, o problema inicial desta trama parte do mesmo local. Não é de se espantar, portanto, que o Doutor tenha ficado tão nervoso quando do encontro com os acadêmicos, um mês depois. Afinal de contas, mesmo que por influência de ondas de rádio e controle mental, ele e sua neta estavam sendo caçados por humanos que os queriam ver mortos.

O roteiro de Nigel Robinson tem como premissa o racismo e a xenofobia, características sociais trabalhadas com perfeição no decorrer da história. O autor usa do “duplo sentido” da palavra alien e explora, não só a sua classificação como substantivo (estrangeiro, alienígena), como também sua aplicação como adjetivo (alheio, de natureza diferente). Para o Doutor e Susan, que eram tanto uma coisa quanto outra, o início da perseguição foi algo bem mais perigoso do que se mostrou de meados para final da história.

Nessa esteira, Robinson traz ainda muitas referências da cultura pop britânica ou da História dos anos 60, o que faz com que o enredo realmente se enquadre no contexto real e fictício da série televisionada. Há citações sobre a Guerra Fria (os pais do “amigo” de Susan, Cedric, eram socialistas); o tio de Cedric, Coronel Rook, que servira no Exército Britânico durante a II Guerra Mundial, levanta a possibilidade de a União Soviética estar por trás dos planos de dominação mental de alguns jovens da região; a Corrida Espacial aparece no The Daily Sketch e um trecho da matéria é lida por Susan, que nunca tinha ouvido o termo antes, assim como nunca ouvira o termo Guerra Fria.

Além do campo histórico, há um gigantesco número de citação aos Beatles e à banda John Smith and the Common Men, que aparece em An Unearthly Child; além de outras referências, tais como Jazz, Bob Dylan e histórias em quadrinhos. Por um momento, temos a falsa impressão de que Susan realmente conseguiu um lugar entre os humanos, algo que nos deixa bastante felizes, porque não há dúvidas de que ela era uma garota solitária, mesmo sob a companhia e extremo cuidado e amor que tinha por parte do avô.

O desenvolver da trama dá bastante destaque à personagem, que ganha na voz de Carole Ann Ford uma maravilhosa atuação. Tam Williams também faz bonito na interpretação de Cedric, acompanhando à altura sua companheira de gravação. E como era de se esperar, a realização da Big Finish e da AudioGO é sensacional, com ótimos efeitos e uma notável trilha sonora – destacando-se um macabro e incrível tema para piano composto por Simon Hunt -, que fecha este capítulo com chave de ouro.

O cliffhanger para a ventura seguinte é uma espécie de premonição que vem até Susan, algo que revela o futuro do Doutor, alguma coisa terrível da qual ele não pode escapar. De antemão, sabemos que essa é uma mensagem enviada pelo 11º Doutor para todas as suas encarnações anteriores, um link que se fixa em todas as histórias e é revelado/resolvido no episódio finale da série, The Time Machine.

Destiny of the Doctor: Hunters of Earth (Reino Unido, jan, 2013)
Roteiro: Nigel Robinson
Direção: John Ainsworth
Elenco: Carole Ann Ford, Tam Williams
Duração: 70 min.
Distribuidora: Big Finish Productions e AudioGO

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.