Crítica | Dia de Pagamento

estrelas 5,0

Preferido pelo próprio Chaplin dentre seus curta-metragens, Dia de Pagamento já reflete a qualidade que veríamos em seus subsequentes longas, adotando uma linha narrativa clara, que mantém seu espectador entretido não só pelas gags, como pelo próprio carisma do ator/diretor. A trama retrata um operário (Charlie) no dia que recebe seu salário. Com pouca dedicação ao próprio trabalho e uma esposa controladora, acompanhamos o protagonista utilizando praticamente todo seu dinheiro até o dia seguinte.

A força da obra está na forma como retrata simples situações de forma cômica, utilizando, muitas vezes, a própria montagem para constituir o humor. O mais notável destes exemplos é Charlie empilhando os tijolos que são jogados pelo seu companheiro de trabalho. O protagonista os apanha com os pés, mãos, dobra dos joelhos. Aqui já podemos observar outra grande qualidade do curta: sua objetividade. Ele não peca pelo exagero, repetindo piadas ou estendendo-as por longos períodos de tempo, que poderiam, em última instancia, cansar a audiência.

O grande atrativo de Dia de Pagamento, contudo, não está propriamente dito em suas gags e sim na temática, que fisga o espectador através da identificação deste pelo protagonista. Para tal, o trabalho de direção de Chaplin é essencial, conseguindo tirar convincentes situações através da própria atuação e condução dos outros personagens da trama. Muito do humor vem simplesmente da movimentação dentro de quadro, reiterando a dificuldade de cada composição e a precisão como tudo é retratado.

Outro destaque vai para as cenas noturnas, que facilmente constituem o ponto alto da obra. A iluminação aqui apresentada facilmente salta aos olhos da audiência, exibindo uma iluminação traseira de forte impacto, que perfeitamente constrói o clima de devassidão apresentado em tais sequencias. Além disso, o trabalho de cenário já nos remete aos posteriores longas do diretor, trazendo um maior grau de detalhes e, também, um próprio destaque dentro da narrativa, sendo utilizado para compor muitas das piadas apresentadas ao longo da projeção.

O último dos curtas de Charlie Chaplin, Dia de Pagamento, é um filme cativante, seja pelo seu clássico personagem, seja pelo preciso trabalho de direção. Sua qualidade é evidente, tornando-se evidente na fotografia e no próprio roteiro, que nos conduz por uma jornada cômica fechada em si mesma. Não é curto ou longo, sendo da duração necessária para nos fazer ver e rever cada minuto de sua produção.

Dia de Pagamento (Pay Day – EUA, 1922)
Direção: 
Charlie Chaplin
Roteiro: Charlie Chaplin
Elenco: Charles Chaplin, Phyllis Allen, Mack Swain, Edna Purviance, Syd Chaplin
Duração:
21 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.