Crítica | Doctor Who 8X06: The Caretaker

estrelas 4

Chegamos ao meio da temporada. A essa altura, alguns elementos já se mostram bem estabelecidos para a era do 12º Doutor e este episódio de Gareth Roberts e Steven Moffat estabelece o primeiro ponto firme para o relacionamento de Clara e Danny Pink, além de centrar-se na relação entre o casal e o Doutor.

Gostando ou não da forma como o roteiro lincou o Time Lord e o (ex?) soldado e atual professor de matemática, é impossível negar que a dinâmica entre eles é deliciosamente explosiva, embora marcada por pontos questionáveis da parte de Danny (um ciúme estranho e o estabelecimento de regras para Clara que simplesmente fogem ao parâmetro esperado) e uma posição nada convidativa do Doutor, um lado que muitos espectadores andam criticando mas que eu particularmente gostei muito.

Em Into the Dalek o drama do “eu odeio soldados” foi estabelecido como parte desta encarnação do Doutor e eu não consigo entender muito o motivo. Desde sua segunda encarnação o Doutor estabeleceu relações muito firmes com soldados e até em suas vidas mais recentes foi responsável indireto pelo “treinamento” de um soldado, a companion Martha Jones. Sendo assim, é estranho vermos como o Doutor passou a ter raiva de militares, mas isso, creio, será melhor explicado nesta reta final da temporada, portanto, ainda não vejo como um furo narrativo, apenas como um ponto estranho.
.

O problema e a solução

Com a ameaça do Skovox Blitzer (quem não gosta dessas máquinas malucas da série?) estabelecida próxima à Coal Hill School (home, sweet home), creio que todos nós esperávamos alguma referência a Ian e Barbara, companions do 1º Doutor, mas não houve nenhuma menção. Confesso que fiquei decepcionado com os roteiristas por isso. É engraçado perceber que, após tantas referências à Série Clássica nos capítulos anteriores, a produção tenha deixado escapar uma oportunidade de ouro como esta. Há até uma citação de River Song e uma caracterização fan service do 11º Doutor na pessoa do professor Adrian, mas, infelizmente, nada de Ian e Barbara.

O episódio, no entanto, se estabelece de maneira sólida, alternando momentos cômicos vividos pelo Doutor. O texto brinca com o Time Lord tentando viver entre os humanos enquanto resolve a ameaça alienígena, o que para ele é um verdadeiro suplício. A atuação de Peter Capaldi, nesses momentos, é gloriosa. O ator consegue alternar raiva, humor, complacência e mistério em questão de segundos, tornando seu Doutor um verdeiro poço de humor e sentimentos inesperados.

O disfarce de zelador põe o gallifreyano em contato com Courtney Woods, a garota que diz frases enigmáticas sobre soldados para Clara e aparentemente é uma “má influência”. Ele faz uma viagem com ela (quem esperava isso?) e estabelece o primeiro ponto de aproximação com humanos nesta nova encarnação. O engraçado é que ele se aproxima e aceita viajar com uma garota que parece ser um terror na escola e não gosta muito de seguir regras, o que, de algum modo, a aproxima psicologicamente dele, daí a identificação e a confiança imediatas.

Como já foi dito no início, o episódio não decepciona em qualidade, apesar de suas estranhezas. É fato que poderia sim ter características mais marcantes e seu texto investir menos nos meandros enciumados da relação entre Clara e Danny, um porém que de alguma forma tem impacto negativo na ligação deles com o Doutor, mas, a despeito de tudo isso, temos em cena um capítulo ágil, divertido e revelador, inclusive com a volta de uma mal humorada e ocupada Missy ao final do episódio.
.

Breves comentários e outras referências

a) A sequência de abertura não foi tão boa quanto a dos episódios anteriores, mas a brincadeira com as “duas vidas” de Clara, dividida entre Danny e o Doutor merece aplausos, tanto pela forma como foi filmada (a abertura, com eles presos a correntes em um planeta [?], é maravilhosa!), quanto mela musicalização e incrível edição e fotografia.

b) O Doutor gosta de Matemática e despreza Educação Física, ao menos essa é a impressão que a gente tem quando ele insiste em não aceitar Danny como matemático.

c) Cinco atitudes do Doutor aqui merecem destaque: 1) ele sendo legal com Clara “porque funciona com ela”; 2) ele se apresentando como o novo zelado de Coal Hill School; 3) ele apresentando a TARDIS juntamente com Clara para Danny – aliás, toda a sequência naquele teatro é muito boa; 4) ele empurrando Adrian para Clara só porque parecia com sua antiga encarnação; 5) ele dizendo “foi bom começo” para Danny.

d) Jane Austen é referida neste episódio. O Doutor corrige as anotações na lousa de Clara, dizendo que a data de escrita de Orgulho e Preconceito estava errada. O Time Lord de fato encontrou Austen, em sua primeira encarnação, no áudio Frostfire.

e) O Doutor e Clara visitam os fish people, povo que o Time Lord já encontrara em sua segunda encarnação, no arco The Underwater Menace.

f) O Doutor assobiando o famoso trecho de Another Brick in the Wall, do Pink Floyd.

Doctor Who 8X06: The Caretaker (Reino Unido, 2014)
Direção: Paul Murphy
Roteiro: Gareth Roberts, Steven Moffat
Elenco: Peter Capaldi, Jenna Coleman, Samuel Anderson, Ellis George, Nigel Betts, Edward Harrison, Andy Gillies, Nanya Campbell, Joshua Warner-Campbell, Oliver Barry-Brook
Duração: 45 min.

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.