Crítica | Doctor Who 8X10: In the Forest of the Night

estrelas 3,5

Se você gostaria de ver o Doutor em mundos de conto de fadas, ficção ou em contato com seres que nos lembram criaturas dessas histórias fantásticas, confira as nossas críticas para as histórias a seguir:

***

In the Forest of the Night, apesar de ser um bom episódio, é o único verdadeiramente desconexo da estrutura geral desta 8ª Temporada de Doctor Who. Ou pelo menos é o que parece, a não ser que tenhamos links para os eventos aqui mostrados no arco final deste ano da série.

O roteiro, assinado por Frank Cottrell Boyce, trabalha elementos de contos infantis com João e Maria e Chapeuzinho Vermelho (com referências interessantes ao Lobo Mau) e pitadas envernizadas de O Mágico de Oz, tramas que dão uma atmosfera mágica e fantasiosa ao episódio, fazendo dele uma espécie de suspiro sossegado antes da tensão extrema que nos promete o arco final composto por Dark Water e Death in Heaven.

Assumindo o caráter isolado e descontinuado do episódio, fica mais fácil gostarmos de sua concepção. É claro que a direção e o roteiro não acertam muito (vejamos, por exemplo, coisas como a presença de uma única mãe procurando pelos filhos ou a forma como Sheree Folkson dirigiu as cenas externas), mas, ainda assim, há uma atmosfera capaz de agradar a maior parte do público, especialmente os mais jovens, já que o episódio parece um especial feito sob medida para o Children in Need, o “Criança Esperança” britânico.

Alguns whovians pensaram que com a regeneração do 11º Doutor, o tom de fantasia iria desaparecer da série, afinal Peter Capaldi foi apresentado como um “Doutor Dark”. No entanto, vemos que a personalidade mais sombria do Doutor nesse início de encarnação não impediu que seu caminho cruzasse com mitos e lendas conhecidas e desconhecidas, desde Robin Hood em Robot of Sherwood até a libélula espacial em Kill the Moon ou os vários contos que se mesclam aqui em In the Forest of the Night.

Aliás, o tema da floresta como resultado do medo humano em relação as modificações do planeta e adicionado aos contos infantis é trabalhado de uma forma muito pertinente no texto de Boyce, desde o caráter mágico que o roteirista usa para resolver o problema até a justificativa cheia de interrogações para o “protetores da Terra”, aquelas criaturas que estavam aqui desde antes do Doutor e estarão aqui “até o fim”.

E por falar nas ‘criaturas defensoras naturais da Terra’, um elemento quase me fez repensar o fato de o episódio ser “o mais isolado da temporada”. Quando elas usam a voz de Maebh para conseguirem se expressar, dizem que a vida prevalece, e esta é justamente a fala que ouvimos (na voz de um Dalek) no trailer geral da temporada e, a rigor, foi um dos subtemas deste ano, com o Doutor fazendo referências ao fato de ele se regenerar para sempre (Kill the Moon) ou mesmo a discussão sobre salvar ou não salvar vidas, como vimos em praticamente todos os episódios da temporada e que foi o ponto de cisão entre o Doutor e Clara.

Com uma louvável direção de fotografia (realizada por Mark Garrett, em seu primeiro trabalho na série) e mais um belíssimo trabalho de Gold na trilha sonora, In the Forest of the Night funciona regularmente como episódio isolado e acrescenta apenas algumas migalhas no contexto geral desta 8ª Temporada. Mas apesar dos pesares, é um gracioso e inocente capítulo.
.

Breves comentários e outras referências
.

a) Em histórias como The Ark (Série Clássica) e The Beast Below (Nova Série) vemos o êxodo humano devido a fatais atividades solares. No entanto, essas histórias podem ser vistas como parte de um Universo paralelo ou, no caso de The Beast Below, de um Universo que foi reiniciado, portanto, aquele futuro existe apenas em uma linha do tempo alternativa.

b) O Doutor compara a atividade solar que atinge a Terra com aquela que destruiu o Banco de Karabraxos em Time Heist.

c) Os “talentos do 8º ano” da Coal Hill School recebem o mais legal de todos os projetos escolares que um grupo de alunos já recebeu: ajudar milhões árvores salvarem a Terra.

d) Só eu achei estranho o desaparecimento e reaparecido de Annabel, a irmã de Maebh? Missy tem algo a ver com isso?

e) A presença de Danny aqui transita entre o interessante, o suportável e o insuportável. Ou Moffatt dá um rumo específico para o personagem ou ele será uma pedra no sapato daqui pra frente.

f) A temática contemporânea do Ecoterrorismo está nas entrelinhas do episódio.

g) Pelo amor de Rassilon, o que foi aquele teaser para a primeira parte do finale???

h) Aviso importante: na próxima semana não teremos a nossa crítica habitual. Eu vou esperar a exibição do arco completo para escrever um texto coerente sobre o final da temporada. A divisão em duas partes perderia muita coisa. Aguardem que no dia 10/11/2014, publicarei a crítica da dobradinha final da 8ª Temporada! E, na semana seguinte, publicarei a análise geral da oitava temporada!

Doctor Who 8X10: In the Forest of the Night (Reino Unido, 2014)
Direção: Sheree Folkson
Roteiro: Frank Cottrell Boyce
Elenco: Peter Capaldi, Jenna Coleman, Michelle Gomez
Duração: 45 minutos

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.