Crítica | Doctor Who – Série Clássica: The Ribos Operation (Arco #98)

The Ribos Operation_Doctor Who

estrelas 4,5

SPOILERS!

Equipe: 4º Doutor, Romana, K9 II
Espaço: Planeta Ribos (Constelação de Scytha)
Saga: Key to Time (1 de 6)
Tempo: 3078 (?)

Para entender completamente The Ribos Operation e tudo o que este arco representa para a 16ª Temporada de Doctor Who, é preciso aprofundar-se um pouquinho em algumas criações e criaturas do universo da série. No decorrer do texto, irei inserir alguns blocos com informações adicionais sobre elementos do cânone de DW que julgo necessários para a compreensão desta temporada e o início da saga da Chave do Tempo, que se estende por todo este 16º serial, de The Ribos OperationThe Armageddon Factor.

Após uma interessante 15ª Temporada, finalizada com uma épica visita a Gallifrey (The Invasion of Time) o produtor Graham Williams tinha em mente fazer uma sequência cuja história se entendesse ao longo das semanas, mais ou menos como fora na 12ª Temporada, porém, com uma única trama dividida em partes, cada arco funcionando de forma independente. Assim surgiu a saga Key to Time.

No início da produção da temporada, a atriz Elisabeth Sladen (Sarah Jane Smith), que se despedira da série em The Hand Of Fear (1976) foi contactada para que pudesse voltar a viajar com o Doutor. Diante da recusa de Sladen, uma outra companion foi criada, a Time Lady Romanadvoratrelundar (ou simplesmente Romana) e a nova versão de K9 (pois o primeiro resolveu ficar com Leela em Gallifrey). Além dessas duas estreias, tivemos a primeira aparição do Guardião Branco, a citação do Guardião Negro e claro, a apresentação teórica da Chave do Tempo.
.

A Chave e os Guardiões do Tempo

.
A Chave do Tempo (Key to Time) é um artefato protegido pelos Guardiões do Tempo (Guardians of Time OU Guardians OU Council of Guardians OU Six-Fold God) e mantém o controle da ordem e do caos no Universo. Esse artefato possui seis segmentos, cada um de responsabilidade de um Guardião. Esses segmentos estão espalhados pelo Universo, muito bem disfarçados para que não sejam encontrados com facilidade. A missão que o Doutor recebe do Guardião Branco aqui em The Ribos Operation é encontrar todos esses segmentos (uma espécie de apropriação pouco louvável) e ajudar a controlar o caos e evitar o fim do Universo conhecido. Cada arco da temporada (são 6) mostra o Doutor, Romana e K9 II procurando um segmento da Chave do Tempo, assim, o serial inteiro cumpriu o seu objetivo trazendo histórias independentes mas que fazem parte de uma única grande trama.

A Chave do Tempo foi inicialmente criada por entidades que existiam fora do tempo e do espaço, The Grace, com o objetivo de apagar a memória dos participantes da Millennium War (150 milhões a.C.), ocorrida entre uma espécie chamada Constructors of Destiny (liderada por um computador, o Mad Mind of Bophemeral ou Great Attractor) e os Time Lords (liderados por Rassilon) + uma série de outras raças que vocês podem conferir no toggle abaixo.

Millennium War: Combatentes

A Millennium War envolveu os Constructors of Destiny versus os Time Lords mais uma aliança que comportava todas as espécies a seguir (seguidos de suas primeiras aparições na série):

E para falar um pouco sobre os Guardões do Tempo, é necessário falar dos Great Old Ones. Também conhecidos como Elder Gods ou Old Ones, esses seres/espécies são muito, muito antigos, existindo mesmo antes de o Universo existir. No toggle abaixo, vocês verão a lista dos Great Old Ones (seguidos de suas primeiras aparições na série).

Os Principais Great Old Ones


.

A Jornada do Doutor, Romana e K9 II em Ribos

.
Após um encontro cheio de medo e respeito entre o Doutor e o White Guardian, seguido do encontro cheio de ressalvas e alfinetadas entre o Doutor e Romana, a jornada para encontrar o primeiro segmento da Key to Time é iniciado. Robert Holmes escreve um roteiro na linha das “intrigas de bastidores”, mas não deixa que esse campo menor retire da história a sua grandeza. E o contraste é imediatamente sentido pelo espectador. Saímos de um encontro com um dos seres mais antigos do Universo e do encontro com uma Time Lady para chegarmos a um planeta no meio de um longo inverno e com um roubo palaciano.

A construção da sociedade de Ribos é feita a partir do mínimo, mostrando alguns costumes e cultura locais, citando acontecimentos de algumas regiões do planeta e deixando para que o espectador imagine o resto. A mesma dinâmica, utilizada em The Curse of Peladon, tem um efeito bastante positivo porque não obriga o texto a ser detalhista ou eventualmente cair em algum furo na contextualização, dando ao público exatamente o que ele precisa saber sobre o local, centrando a atenção máxima na busca do Doutor, Romana e K9 II para o segmento da Chave.

Lançando mão de um humor adorável e brincando com a persona do “bandido simpático”, aqui representada pela dupla Garron e Unstoffe (criados com inspiração nos personagens de Shakespeare) e que ganha na figura do Doutor mais um excelente representante. O único ponto negativo de Ribos Operation é o tratamento dado ao personagem Graff Vynda-K (que nome legal de se falar!) na reta final da aventura e também os desnecessários gritos da vidente, que, afora este detalhe, foi muito bem utilizada como elemento mítico da sociedade local, além de nos deixar a dúvida sobre a verdade de seus habilidades.

A busca pela Chave do Tempo começa de maneira brilhante. Romana é uma personagem apaixonante (que figurino sensacional, não é mesmo? Tão espalhafatoso quanto o do Doutor, o que faz uma ótima combinação) e a atriz Mary Tamm a representa com brilhantismo que muitas vezes suplanta até Tom Baker. The Ribos Operation foi, até agora, a melhor estreia de temporada da era do 4º Doutor.

The Ribos Operation (Arco #98) — 16ª Temporada – Season Premiere
Direção: George Spenton-Foster
Roteiro: Robert Holmes
Elenco: Tom Baker, Mary Tamm, Cyril Luckham, Iain Cuthbertson, John Leeson, Nigel Plaskitt, Paul Seed, Robert Keegan, Prentis Hancock, Oliver Maguire, John Hamill

Audiência média: 8,12 milhões

4 episódios (exibidos entre 2 e 23 de setembro de 1978)

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.