Crítica | Ed & Lorraine Warren – Demonologistas, de Gerald Brittle

Há casais unidos por sentimentos variados: amor, ódio entre os familiares, interesses financeiros e até mesmo “simpatia pelo diabo”. Ed e Lorraine Warren não eram amantes das forças malignas, mas passaram o tempo que puderam debruçados na análise de casos de possessões demoníacas e presenças indesejadas em diversos lares, tendo em vista a expulsão ou um “acordo” com tais entidades, a fim de trazer a tranquilidade e a paz para os habitantes de tais locais. Foi assim em Amityville, Enfield e outras casas assombradas por “desconhecidos”.

Escrito por Gerald Brittle, um autor conhecido por obras de não ficção, formado em Psicologia e Literatura, com especialização em Teologia Mística, Ed e Lorraine Warren: Demonologistas resgata através de entrevistas, análises descritivas e fotos do acervo pessoal do casal, os casos mais famosos: Amityville, talvez o mais conhecido, tão popular que dispensa maiores comentários; Anabelle, história sobre quatro colegas de quarto aterrorizadas pelo que elas diziam ser a possessão da boneca Raggedy, hoje parte integrante dos objetos que compõem o museu criado pelo casal; a Família Perron, casa assombrada por Bathsheba, uma bruxa que viveu no século XIX; o cemitério Union, caso sobre uma senhora que supostamente assombrava o local; Enfield, relato sobre Peggy Hodgson e suas filhas, aterrorizadas por forças malignas; a família Smurl, aterrorizada por vultos, odores desagradáveis inexplicáveis e aparições demoníacas; além do caso de Arne Johnson, homem que alega ter sido possuído pelo demônio ao matar o inquilino Alan Bono e uma casa de Connecticut que antes de ser um lar, havia sido uma casa funerária.

Conhecidos por dividir uma vocação, isto é, “oferecer ajuda espiritual para pessoas atormentadas pelo sobrenatural”, a biografia traz relatos de casos extraordinários, através de uma escrita detalhista e deflagradora de conflitos arrepiantes. Ele foi um veterano na Segunda Guerra que se tornou conferencista e ela uma clarividente com poder mediúnico aflorado.

Retratados em diversos filmes, o casal ganhou maior projeção com os dois filmes da eficiente franquia Invocação do Mal, de James Wan, cineasta que denominou a obra como “o livro mais assustador que já leu”. A atriz Vera Farmiga, protagonista dos filmes citados, alegou que baseou toda a sua pesquisa na composição da personagem através do livro em questão.

Na década de 1960, Ed e Lorraine fundaram a Sociedade de Investigação Paranormal em Nova Inglaterra, nos Estados Unidos, tendo em seus registros mais de 10 mil casos analisados. O Museu Oculto dos Warren até hoje aguça a curiosidade dos interessados pelo tema, mas para ter acesso é preciso bastante cautela. Nada pode ser retirado do local que abriga itens utilizados em rituais de ocultismo. A famosa boneca Anabelle, por exemplo, está lá bem guardada.

Lançado originalmente em 1980, a obra chegou ao Brasil pela Darkside Books, através de projeto editorial sofisticado e deslumbrante, tal como todas as obras estrangeiras resgatadas por este grupo especializado em traduzir para o português, clássicos do suspense, do horror e da ficção científica. Com 15 capítulos e 272 páginas, o livro é indicado aos interessados por temas comuns ao casal: exorcismos, casas assombradas e espiritualidade.

Ed e Lorraine – Demonologistas (It, EUA – 1980)
Autor: Gerald Brittle
Tradução: Giovanna Louise Bribalon
Data original de publicação: 1980
Editora no Brasil: Darkside Books (Coleção Arquivos Sobrenaturais)
Data de publicação no Brasil: 2016 (edição nacional atual)
Páginas: 272 (edição nacional atual)

LEONARDO CAMPOS . . . . Tudo começou numa tempestuosa Sexta-feira 13, no começo dos anos 1990. Fui seduzido pelas narrativas que apresentavam o medo como prato principal, para logo depois, conhecer outros gêneros e me apaixonar pelas reflexões críticas. No carnaval de 2001, deixei de curtir a folia para me aventurar na história de amor do musical Moulin Rouge, descobri Tudo sobre minha mãe e, concomitantemente, a relação com o cinema.