Crítica | Em Busca de Vingança

Dramas focados principalmente no psicológico dos personagens centrais dependem fortemente não apenas do roteiro ou direção, como das atuações do elenco principal, necessitando a presença de um talentoso ator ou atriz como protagonista a fim de criar a identificação com o espectador. A escolha de Arnold Schwarzenegger para ator principal no longa-metragem Em Busca de Vingança, portanto, é tida como um grande mistério, afinal, o icônico astro de filmes de ação oitentistas é bastante limitado quando se trata de atuação, o que, de imediato, já faz dessa obra uma aposta arriscada.

A trama acompanha Roman (Arnold Schwarzenegger) e Jake (Scoot McNairy), em narrativas paralelas. O primeiro é senhor esperando a chegada de sua esposa e filha, que vem da Europa de avião e tem sua vida estilhaçada quando descobre da colisão da aeronave na qual a família estava à bordo com outro avião, acidente que não deixou sobreviventes. Do outro lado, vemos Jake, o controlador de voo que, por descuido, permitiu que tal acidente ocorresse. Vemos, pois, um lidar com a perda e o outro com a pressão de todos à sua volta o culpando pela tragédia, o forçando a mudar de cidade e até de nome a fim de garantir a segurança de sua família.

Apesar do título sensacionalista, que remete aos filmes de outrora com Schwarzenegger, Em Busca de Vingança mergulha na psiquê desses dois personagens, ou, ao menos, é o que tenta fazer. O roteiro de Javier Gullón, responsável pelo texto de O Homem Duplicado, segue por uma via bastante intimista e requer muito da direção e atuações para ser efetivamente impactante, não muito diferente do que vimos na obra de Denis Villeneuve. Infelizmente, tal apoio jamais aparece, tanto pelas limitações tanto de Schwarzenegger, quanto de McNairy, ambos não sabendo entregar a dimensão necessária para que efetivamente nos aproximemos de seus personagens.

O diretor Elliott Lester, que opta por inúmeros planos contemplativos, também não sabe exprimir bem a dor de ambos os personagens, sempre ficamos em posição de distância, jamais imersos nos sentimentos do indivíduos mostrados em tela, de tal forma que a narrativa se torna cada vez mais lenta, já que não somos completamente envolvidos pela história. Mesmo com a tragédia em questão, há pouco que, efetivamente, cause desconforto ou até tristeza no espectador, com algumas sequências pontuais (como a de Roman nos destroços do avião) mostrando o que o restante do longa-metragem deveria ter sido.

Não bastasse isso, a montagem de Nicholas Wayman-Harris cria constantes rupturas na narrativa, de tal forma que a já frágil imersão, praticamente inexistente, é interrompida, a fim de pausas no meio da projeção, que apenas servem para dilatar a nossa percepção da duração do filme. Curtos noventa e quatro minutos passam a ser percebidos como mais de duas horas, tudo enquanto assistimos os atores lidar com um texto que pede mais do que eles podem oferecer.

Em Busca de Vingança, portanto, é uma obra que poderia ser muito melhor caso os responsáveis pelo casting houvessem pensado um pouco melhor em suas escolhas. Claramente pedindo demais do que Schwarzenegger ou McNairy podem oferecer, a obra falha em nos imergir em sua narrativa, tornando essa uma experiência pouco envolvente, durante a qual permanecemos, em geral, apáticos em relação ao que acontece em tela. Permaneceremos apenas na curiosidade, pensando o que seria da obra, caso outros atores vivessem os personagens criados por Javier Gullón.

Em Busca de Vingança (Aftermath) — EUA/ Reino Unido, 2017
Direção:
 Elliott Lester
Roteiro: Javier Gullón
Elenco: Arnold Schwarzenegger, Scoot McNairy, Maggie Grace,  Judah Nelson,  Larry Sullivan,  Jason McCune, Glenn Morshower
Duração: 94 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.