Crítica | Esqueceram de Mim

estrelas 3,5

Todo o amor que legiões e legiões de espectadores têm para com Esqueceram de Mim (1990) é justificado. A história tem todos os ingredientes possíveis para chamar a atenção do público e, mesmo com exageros, falhas narrativas e trama genérica, consegue divertir em muitos aspectos, afinal, quem não gosta de bons filmes ambientados no Natal, com uma história engraçada e um escopo moral para coroar a data? Tudo bem que isso acaba sendo engessado pelo exagero do roteiro de John Hughes, mas não tem jeito: as caras de bocas de Macaulay Culkin, a maioria das trapalhadas do “bandidos molhados” (Joe Pesci e Daniel Stern, atuando de forma insana e hilária) e a exploração de gags — as armadilhas na casa, com o mapa desenhado pelo próprio ator protagonista — fazem qualquer um dar pelo menos uma boa gargalhada durante a projeção. Não tem como resistir.

O longa tornou Macaulay Culkin o ator mirim mais bem pago da década e Esqueceram de Mim, para espanto de praticamente todo o elenco adulto que não botava fé no projeto, foi um sucesso retumbante, levando a maior bilheteria de 1990 e conseguindo a 8ª maior da década. São números impressionantes para um projeto inicialmente tratado como “secundário” e tendo passado da Warner para as mãos da Fox, com uma orçamento maior e Chris Columbus na direção.

A ideia geral para o projeto surgiu enquanto John Hughes, roteirista e produtor,  dirigia Quem Vê Cara Não Vê Coração (1989), com Macaulay Culkin no elenco. Vendo o potencial do garoto, Hughes, conhecido por filmes que marcaram gerações como Clube dos Cinco (1985) e Curtindo a Vida Adoidado (1986), escreveu o roteiro e, para não se desviar da intenção de um “filme de família”, preferiu não dirigi-lo, cargo que foi ocupado por Chris Columbus (inicialmente relutante quanto a escalação de Culkin), ainda em sua primeira fase como diretor.

A despeito da constante martelada na questão familiar e nos aspectos ético-morais que acabaram definindo a abordagem estética para alguns personagens, basta ver como o vizinho idoso (supostamente o “assassino da pá”) é mostrado pela câmera, a película explora com louvor o micro-universo infantil sem ter medo de abraçá-lo, uma escolha acertada da produção e bem executada pelo diretor. Assim, vemos Kevin McCallister esconder-se debaixo da cama e das cobertas quando tem medo, comer tudo o que os pais proibiam, quebrar coisas, roubar coisas, ter peso de consciência, exercer maldade sobre os outros, fazer chantagem, ter rompantes de “maturidade”… tudo o que o comportamento infantil de crianças da idade do personagem normalmente faz. Essa verossimilhança quase nos faz esquecer os deslizes ocorridos no desenrolar da trama.

Boa parte do filme é rodado dentro da casa dos McCallister, em Chicago, o que nos dá uma sensação de enclausuramento interessante e que combina bem com o filme. Esse é o espaço da solidão mas também de cenas quase teatrais, como a sequência de abertura que, apesar dos diálogos sofríveis, possui uma dinâmica exemplar dos atores em movimentação pelo quadro, além de ser a segunda parte do filme com melhor montagem — a outra é a parte das armadilhas de Kevin pela de casa –, além de servir para exposição dos principais temas da música de John Williams, que foi indicado ao Oscar em duas categorias por este filme: trilha sonora e canção original, para Somewhere in My Memory, com letra de Leslie Bricusse.

Ainda é preciso citar o sensacional noir fictício que Kevin assiste, repete e utiliza contra os “bandidos molhados”. Filmado especialmente para Esqueceram de Mim, o curta em preto e branco com dinâmica noir foi inspirado em Anjos de Cara Suja (1938), e se chama Angels With Filthy Souls, recebendo um destaque metalinguístico sensacional no filme, presenteando-nos com a imediatamente “clássica” fala de Johnny:

__ […] Hey! I tell ya what I’m gonna give you, Snakes. I’m gonna give you to the count of ten, to get your ugly, yellow, no-good keister off my property, before I pump your guts full o’ lead! […] 1… 2… 10! Keep the change, ya filthy animal.

Com participação de vários membros da família de Columbus no elenco, do irmão mais novo de Macaulay Culkin, Kieran, que estreia no cinema aqui, e um elenco adulto bem escalado, com destaque para Catherine O’Hara no papel da mãe dando toda docilidade possível ao papel, Esqueceram de Mim é um marco natalino que certamente esteve presente na vida das novas gerações com toda a graça e “maldosa inocência” possível. Não é um filme livre de erros mas é uma comédia cativante, daquelas que ninguém cansa de assistir.

Esqueceram de Mim (Home Alone) — EUA, 1990
Direção: Chris Columbus
Roteiro: John Hughes
Elenco: Macaulay Culkin, Joe Pesci, Daniel Stern, John Heard, Roberts Blossom, Catherine O’Hara, Angela Goethals, Devin Ratray, Gerry Bamman
Duração: 103 min.

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.