Crítica | Fargo – 3X04: The Narrow Escape Problem

estrelas 5,0

  • Contém spoilers. Leiam, aqui, a crítica do filme original e, aqui, as críticas das temporadas anteriores.

Um dos melhores aspectos de se assistir Fargo é enxergar como Noah Hawley busca, a cada episódio, nos contar a história de forma diferenciada, algo que foi deixado bem claro em The Law of Non-Contradiction, que apresentava trechos de animação, intercalados com a trama principal em si, em live-action. O quarto capítulo dessa terceira temporada, The Narrow Escape Problem, segue por um caminho diferente, utilizando Pedro e o Lobo, de Sergei Prokofiev, para ilustrar o enredo, traçando paralelos com seus personagens centrais.

De volta ao Minnesota, depois de passarmos um episódio todo em Los Angeles, vemos Ray Stussi fazendo a sua barba, claramente a fim de se tornar mais parecido com seu irmão. Cedo já vemos quais os seus planos, ele veste uma peruca e entra no banco onde acredita estar guardado, no cofre de Emmit, o selo que criara a rivalidade entre os dois irmãos. Ewan McGregor novamente rouba nossa atenção, interpretando um de seus personagens, que, por sua vez, tenta interpretar o outro. Enxergamos a hesitação em sua fala, o medo contido, com um tentando adotar os trejeitos do outro em uma sequência que, por si só, já vale o capítulo.

Esse, contudo, é apenas o começo do que veríamos aqui em The Narrow Escape Problem, que, também, dá continuidade à investigação de Gloria, com Carrie Coon novamente mostrando que não fica atrás de McGregor no quesito atuação. O roteiro de Beletsky ainda brinca com a personagem, que parece não ser captada por nenhum sensor automático, simbolizando sua resistência à tecnologia e os obstáculos em seu caminho como policial. Mesmo pequenos detalhes de sua personalidade refletem esse aspecto de sua persona, com ela colocando o filho para dormir, tirando seu celular: ela é old school e enxergamos isso em tudo o que faz, o que, automaticamente, a torna perfeita para esse caso, o qual as pessoas ao seu redor parecem querer deixar para trás.

Gloria é, claro, a figura do Pedro, que não tem medo do lobo, algo que a narração em off deixa explícito e, claro, acompanhando a personagem, temos as melodias de Pedro e o Lobo em si, com os outros indivíduos dessa história sendo acompanhados mais por instrumentos musicais separados, como o oboé ou a marcante trombeta francesa. Dito isso, a escolha de Hawley aqui é contar, novamente, duas histórias ao mesmo tempo, uma complementando a outra, com os eventos desse episódio de Fargo funcionando como uma livre releitura do conto infantil.

Já Emmit, por sua vez, se vê em uma situação cada vez mais complicada em relação a seu novo sócio, V. M. Varga, um homem que se demosntra cada vez mais assustador e que, aqui, demonstra ter um problema de bulimia (ou similar). Esse ponto dialoga claramente com o diálogo final com o personagem: ele não consome mais do que deve, dispensa o que não precisa, se esconde. Além disso, temos a sua persona pública, que se enquadra nos padrões da sociedade e a podridão de quem ele realmente é, simbolizada pelo vômito em si (não a bulimia, claro, que é um transtorno que afeta incontáveis pessoas por diversas razões) e, é claro, pelos seus dentes podres.

O que mais nos chama a atenção em The Narrow Escape Problem, contudo, e que também define Fargo como um todo, são as coincidências que aparecem no meio do caminho de todos os personagens. Monica Beletsky, guiada por Hawley, claro, transforma esses pontos em motores da trama, com o acaso guiando a vida desses diversos indivíduos, chegando a guiar a investigação de Gloria. Uma dessas eventualidades leva à outra, tornando todo o enredo dessa temporada conectado. Tal conexão, enfim, se torna mais forte nesse quarto capítulo, mostrando que, desde o início, a linha narrativa principal estava mais do que planejada, ao passo que acontecimentos passados são constantemente trazidos de volta para o presente.

Dito isso, o quadro geral desse terceiro ano começa a ser formado na mente do espectador, ao passo que nos vemos mais ansiosos para enxergar como tudo irá se encaixar. The Narrow Escape Problem revela ser mais um impecável capítulo de Fargo, mostrando, desde já, como essa é uma das melhores séries da atualidade, com seu showrunner não tendo medo de experimentar a cada semana que se passa, deixando tudo mais delicioso de se assistir.

Fargo – 3X04: The Narrow Escape Problem  — EUA, 10 de maio de 2017
Showrunner:
Noah Hawley
Direção: Michael Uppendahl
Roteiro: Monica Beletsky
Elenco: Ewan McGregor,  Carrie Coon,  Mary Elizabeth Winstead, Goran Bogdan,  David Thewlis,  Michael Stuhlbarg,  Shea Whigham, Scoot McNairy,  Olivia Sandoval, Linda Kash
Duração: 52 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.