Crítica | Fargo – 3X07: The Law of Inevitability

estrelas 5,0

  • Contém spoilers. Leiam, aqui, a crítica do filme original e, aqui, as críticas das temporadas anteriores.

Nessas últimas semanas de Fargo, o ritmo do seriado tem acelerado consideravelmente, com todas as peças do tabuleiro consideravelmente mais próximas umas das outras. Afinal, não poderia ser diferente, já que nos aproximamos do season finale e ainda há muito a ser resolvido antes que ess história possa se dar como encerrada. The Law of Inevitability é mais um capítulo que demonstra a qualidade da série, mesmo que ela opte por dar maiores passadas, deixando bem claro o quão bem tudo foi construído até aqui.

Iniciamos no interior da casa de Emmit Stussy, com V.M. Varga abrindo os presentes que estão embaixo da árvore de Natal, simbolizando perfeitamente o quanto o criminoso infestou a vida desse empresário, tomando conta de todos os aspectos dela, tanto os pessoais, quanto os ligados ao trabalho. Enquanto isso, Gloria e Winnie descobrem o corpo de Ray em sua própria casa, o que leva à prisão de Nikki Swango. O que todos descobririam é que, mesmo atrás das grades, a mulher não está a salvo e a policial utiliza isso para, mais uma vez, tentar convencer seus superiores que todos esses assassinatos estão conectados.

The Law of Inevitability é um episódio consideravelmente mais melancólico de Fargo. Claro que o roteiro de Noah Hawley, Matt Wolpert e Ben Nedivi ainda pincelam partes da narrativa com ironia e humor negro, mas eles o fazem ao mesmo tempo que sentimos o peso da morte de Ray, por mais que isso seja feito de forma mais discreta. Acompanhamos vidas que realmente foram destruídas e enxergamos isso na resignação completa de Emmit, que age como se estivesse em um tipo de transe, tendo perdido totalmente o controle. Ao seu lado vemos Sy, que realmente se entrega às lágrimas em um dos mais emocionantes trechos da temporada, que resume seu desespero de maneira íntima e tocante.

A esperança de qualquer salvação se encontra em Gloria, que continua como uma policial implacável e Carrie Coon realmente merece toda nossa atenção, se entregando à sua personagem ao máximo. Coon dispensa qualquer tipo de hesitação, mesmo quando encontra alguma barreira, vemos nela uma mulher resoluta, que parece não ter um pingo de medo e não podemos deixar de ansiar pelo esperado conflito entre ela e V.M. Sim, ambos já se encontraram, mas tudo ficara na base das aparências, do teatro tão bem realizado por esse vilão que, a cada semana, se torna mais assustador. Pontos, claro, para David Thewlis, que é capaz de interpretar uma figura de poder enquanto mantém a maior calma do universo.

No meio disso tudo temos a imprevisibilidade de tudo, algo que tão bem define o seriado, como pode ser sentido ao máximo na sequência da biblioteca, que utiliza de uma fotografia mais escurecida (justificada, claro), para garantir a maior ameaça do lacaio de Varga. Seu confronto com o policial é a prova da qualidade do roteiro, que não exagera em momento algum, tocando nos pontos certos para que nossa tensão seja elevada ao máximo, enquanto ficamos na dúvida se um deles acabará morrendo ali. O mesmo ocorre na claustrofóbica cena do ônibus, que marca o ideal cliffhanger do episódio, que já nos deixa ansiando pelo próximo, que definirá a sobrevivência ou não de Nikki.

The Law of Inevitability, no seu ritmo mais acelerado, consegue trabalhar com cuidado cada um de seus personagens, a tal ponto que, surpreendentemente, nos importamos com cada um deles. Gloria se aproxima cada vez mais de V.M. enquanto todos os outros perdem o controle de sua vidas, um encadeamento de acontecimentos que deixa bem clara a qualidade do roteiro da temporada como um todo. A partir de agora já podemos ter alguma ideia do que irá acontecer, por mais que a série, na sua maior parte, ainda seja pautada na imprevisibilidade.

Fargo – 3X07: The Law of Inevitability — EUA, 31 de maio de 2017
Showrunner:
Noah Hawley
Direção: Mike Barker
Roteiro: Noah Hawley, Matt Wolpert, Ben Nedivi
Elenco: Ewan McGregor,  Carrie Coon,  Mary Elizabeth Winstead, Goran Bogdan,  David Thewlis,  Michael Stuhlbarg,  Shea Whigham, Scoot McNairy,  Olivia Sandoval, Linda Kash
Duração: 46 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.