Crítica | “Fortaleza” – Cidadão Instigado

imagem1

estrelas 4,5

.

“O disco, que resgata influências iniciais, fala sobre como as coisas nunca mudam apesar de mudarem sempre.”

Cidadão Instigado

.

O Cidadão Instigado é realmente uma das maiores bandas nacionais atuais. Mesmo com poucos álbuns, apresenta uma experiência de mais de 20 anos. A banda liderada por Fernando Catatau saiu de Fortaleza pra conquistar fãs e crítica com álbuns como O Metodo Tufo de Experiências e Uhuu!. Depois de mais de 5 anos desde o último disco, a banda retorna. O Cidadão agora lança seu quarto disco, Fortaleza, uma homenagem a cidade onde toda sua história começou, um olhar nostálgico por tudo que o grupo percorreu até hoje.

Se a banda mostrava influências do rock psicodélico, progressivo, da música brega e regional nordestina em seus álbuns anteriores, no novo mostra a mesma essência, mas com influências bem mais rock’n roll. É também perceptível no novo disco a escolha por uma abordagem mais pop e menos experimental (ainda que essa também exista), assim como foi feito em Uhuu!. 

Se a banda de maior influência para Catatau fazer seus discos sempre foi Pink Floyd, em Fortaleza o guitarrista mostra que realmente gosta bastante de Iron Maiden e Black Sabbath, ainda que o som do Cidadão esteja longe de ser metal. Claro, essas influências são em pequenos tons. Você vê Black Sabbath, seja em pequenas doses no tom misterioso que Até que Enfim abre o disco com seus rufar da bateria e sua excelente linha de baixo, ou nas fantásticas Quando a Máscara Cai e Green Card com seus riffs pesados de guitarra que lembram Tony Iommi imediatamente. Mas se o Cidadão é um dos maiores grupos de rock nacionais, isso é porque ele sabe misturar tudo isso com influências brasileiras. A melancolia presente em todas suas obras ainda persiste, com estilo “brega romântico nordestino” e arranjos regionais por todas as faixas.

Dizem Que Sou Louco Por Você é um exemplo da multiplicidade de influências, revezando entre melodias pop e melancólicas e riffs pesados onde a guitarra quase saxofonística de Fernando Catatau faz seu show a parte. Por sua vez, esse trabalho é o ápice de sua carreira, provando que Catatau é, de fato, um dos maiores guitarristas nacionais de sua geração como mostra seu solo em Os Viajantes ou Dudu vivi dada, esbanjando técnica e melodia bem ao estilo Santana, lembrando ainda Contando Estrelas do álbum anterior.

Perto de Mim aparece com sua psicodelia unida ao estilo romântico brega típico de Odair José e Roberto Carlos. O excepcional experimental do grupo aparece forte em Land Of The Light e Besouros e Borboletas, essa última sendo o ponto alto do disco com seu rock psicodélico e seu romantismo nostálgico que enfatiza o tema do disco (que estou mais velho/ longe de casa), com uma letra que serve pra ressaltar o talento de Catatau como letrista. Ficção Científica mostra um tom pop provando que, mesmo com toda sua complexidade, o som da banda é acessível a todos.

A voz desafinada, fanha e recheada de sotaque de Fernando Catatau continua a ser tanto um ponto marcante, quanto um grande defeito. Cantar fora do tom raramente é um fato aceitável, aqui uma série de coisas tentam disfarçar isso, seja o estilo quase humorístico e rico em interpretação como os versos são cantados, o forte regionalismo presente na voz, ou sua sábia união a coros e guitarras, disfarçando possíveis outras desafinações.

O regionalismo chega a seu máximo na faixa Fortaleza, uma homenagem a cidade natal da banda, cantado no estilo repente nordestino e carregado de emoção, crítica e melancolia (A elite foi pros prédios e o povo sem perceber/ que a Fortaleza bela/ ninguém mais podia ver/ culpa desses governantes que nos pisam com poder). Tudo é encerrado de forma simples na faixa Lá Lá, Lá Lá Lá Lá, os versos mais cantados no mundo, onde um arranjo influenciado pela surf music e a música brasileira fecham as cortinas de mais uma bela obra do Cidadão Instigado.

Um dia após o lançamento do disco, Arnaldo Baptista, dos Mutantes, já falava do álbum no facebook: “já está sendo chamado de melhor álbum de rock do ano”. Fortaleza merece tamanhos méritos, talvez até mais. Em um cenário musical brasileiro onde o rock parece estar desaparecendo, o Cidadão Instigado faz um dos melhores discos nacionais do estilo feito nos últimos anos. A banda conseguiu mostrar toda a essência rock n’ roll, brasileira e, acima de tudo, um som inovador.

Fortaleza
Artista: Cidadão Instigado
País: Brasil
Lançamento: 3 de abril de 2015
Gravadora: Independente
Estilo: Rock Nacional

HANDERSON ORNELAS. . . Estudante de engenharia química, fascinado por música, cinema e quadrinhos. Um fã de ficção científica e aventura que carrega seu fone de ouvido por todo lado e se emociona facilmente com música, principalmente com "The Dark Side Of The Moon". Enquanto não viaja pelo tempo e espaço em uma TARDIS, viaja pelo mundo dos livros e da música.