Crítica | The Companion Chronicles – 1ª Temporada (#1 e 2)

Temos aqui os episódios iniciais da série The Companion Chronicles (1ª Temporada).

A proposta dessa série é trazer aventuras inéditas para os Doutores da Série Clássica com alguns de seus mais icônicos companions. As duas primeiras temporadas da série foram curtinhas, com apenas 4 episódios cada uma. A partir da 3ª Temporada, a Big Finish investiu numa ampliação do conceito e no número de aventuras a serem gravadas. Ambos os episódios dessa crítica foram lançados em janeiro de 2007.

.

Frostfire

1X01 – Series Premiere
estrelas 2,5

frostfire_plano-critico

Equipe: 1º Doutor, Vicki, Steven
Espaço-tempo: Cartago, 1164 a.C. (segmento apenas com Vicki) / Londres, fevereiro de 1814

O que vem primeiro, a cinza, a chama ou o ovo da fênix? O que uma ação no passado pode interferir no futuro e o que uma ação no futuro pode interferir — às vezes positiva, às vezes drasticamente — no passado de uma pessoa? Quando trabalhamos com viagem no tempo, é bem provável que essas questões venham à tona, e em Doctor Who elas são mais do que simples especulações.

A partida da Vicki, em The Myth Makers, é só o começo (ou o fim? Ou o meio?) para a presente aventura, que tem até uma participação de Jane Austen, para quem o Doutor declara, mais uma vez, seu amor literário (ele sempre fica animadinho quando conhece um grande escritor ou escritora). De um lado da História, no início do século XIX, temos Vicki, Steven e o Doutor em uma feira sob o gelo, no rio Tâmisa. Em outro ponto, temos uma velha chamada Cressida, conversando com o próprio vilão da história.

É difícil comentar alguns elementos do roteiro sem estregar a surpresa do final, mas vale dizer que o espectador vai ficar impressionado ao saber o futuro de Vicki e o que lhe custou ficar contando suas aventuras para os troianos, que a julgaram louca ou possuída por algum demônio.

A saga aqui tem um tom interessante no quesito “viagem no tempo” porque trabalha tanto com um paradoxo quando com um loop temporal, além de uma confusão básica quando se trata de saber “quem veio primeiro”… O grande problema é que as passagens em Cartago não me pareceram atraentes. Mesmo sabendo do atual estado de Vicki e gostando da leitura de Maureen O’Brien, não consegui apreciar esse lado do roteiro e por consequência, metade da história.

Diretor: Mark J Thompson
Roteiro:
 John Grindrod
Elenco: Maureen O’Brien, Keith Drinkel
Duração: 1 episódio de 60 min.

.

Fear of the Daleks

1X02
estrelas 2

Equipe: 2º Doutor, Jamie, Zoe
Espaço-tempo: Lavonia, tempo ineterminado

É engraçado que o mesmo fantasma que vimos perseguir Vicki na premiere da Companion Chronicles, persegue Zoe nesse episódio: a experiência de ter vivido coisas assustadores e ameaçadoras ao lado do Doutor. No caso de Zoe, essa questão é ainda pior, porque sabemos que ela teve sua mente ‘rebootada‘ quando deixou a TARDIS, de modo que não era para lembrar de nada do período em que estivera ao lado do Time Lord, muito menos de um vilão como os Daleks.

Sinceramente, achei a história uma espécie de reflexo de Blood of the Daleks, o que não é um elogio. Patrick Chapman até que começa a trama de forma instigante, com um pequeno prólogo de um Dalek falando de modo urgente e com uma ameaça que simplesmente se perde na maior parte da trama, para aparecer mais adiante na forma do “vilão manipulado”, um dos clichês mais horríveis utilizados em roteiros onde o autor quer impressionar mas não sabe direito como. É evidente que o comportamento dos Daleks é sim de manipular pessoas, mas, precisava ser algo tão descarado assim?

De outra forma, não dá para reclamar muito. A essência dessa história é a cara dos primeiros arcos do 2º Doutor, e o comportamento dos Daleks idem, mas como se trata de uma produção da Big Finish, não dá para não se decepcionar, uma vez que a produtora quase sempre nos entrega materiais de excelente qualidade.

Em tempo: por que diabos Jamie é escanteado nessa história? Wendy Padbury que me desculpe, mas o sotaque escocês dela é horroroso e Patrick Chapman escreveu, talvez, a pior participação de Jamie em uma história em áudio com o 2º Doutor!

Diretor: Mark J Thompson
Roteiro:
 Patrick Chapman
Elenco: Wendy Padbury, Nicholas Briggs
Duração: 1 episódio de 60 min.

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.