Crítica | Glee – 5X17: Opening Night

estrelas 4,5De todos os episódios desta atual temporada, Opening Night talvez tenha sido o maior criador de expectativas. Afinal, durante cinco temporadas vimos o amor e devoção de Rachel Berry por Barba Streisand e sua Fanny Brice de Funny Girl ser suplantado insistentemente, e agora, a personagem finalmente chega aos palcos da Broadway interpretando aquela figura das telas que lhe serviu de inspiração por toda uma vida. É um sentimento belo e poético, que durante todo este tempo foi aprofundado em cima de Rachel, e agora, encontra seu ponto máximo aqui.

Mas para quem esperava que o musical estivesse presente em, pelo menos, 60% do episódio, a decepção. Isso porque Opening Night não é somente sobre o musical em si (este quase fica em segundo plano), mas sobre a importância daquele momento para Rachel, e em como esta vitória é significativa para a mesma – afinal foram quatro anos sofrendo, levando patadas e passando por cima de outras pessoas, inclusive os próprios amigos, para chegar até este momento.

Assim sendo, foi importante que o roteiro trabalhasse mais a questão das expectativas de Rachel em cima de sua estreia nos palcos da grande cidade, e mais ainda, foi deveras essencial que o episódio tenha mostrado que Rachel, apesar de todos os seus esforços, não chegou lá sozinha, pois todos os seus amigos da época do colegial tiveram alguma participação na jornada de Rachel, o que torna essencial a presença e retorno de boa parte dos personagens (e os que não marcaram presença em cena, como Artie, Quinn e Puck acabam por fazer muita falta).

O episódio, entretanto, não é apenas de Rachel Berry. Will e Sue (lembrando dos meus gritinhos quando o cenário do colégio apareceu por aqueles míseros segundos) foram dar as caras em NY, embora Sue não estivesse nem um pouco interessada na vitória de sua ex-aluna. De fato, a simples ida de Sue para NY foi o suficiente para lhe despertar novamente o sentimento do amor por um desconhecido chamado Mario – e se a coisa vingar, espero que isso signifique uma mudança definitiva de Sue para NY, pois venhamos e convenhamos, embora Rachel seja a alma de Glee, o seriado perde uma boa parte de sua essência sem a presença constante de Sue e seus diálogos pra lá de afiados.

Opening Night é, sem dúvidas, um dos melhores e mais refrescantes episódios desta temporada. Trabalha muito bem todas as expectativas e anseios de Rachel, construindo situações outrora divertidas (luto pelas cordas do violão de Sam), ora emocionantes (a cadeira vazia na plateia, remetendo a falta que Finn ainda faz na vida de Rachel), e embora tenha seus pontos decepcionantes (como a já comentada ausência de alguns personagens e o nascimento do filho de Will e Emma que jamais chegamos a ver), é mais um ótimo episódio que faz jus a nova fase de Glee.

Músicas e Performances

Lovefool (Rachel Berry) – Chega bem perto de ser a melhor performance do episódio, e não digo isso apenas por trazer rapidamente alguns personagens marcantes do seriado, como Karofsky, Jacob Bem Israel ou Becky, mas a própria canção é deliciosa de se ouvir, ainda mais com o vocal de Lea Michele…

NYC (Will e Sue) – Não sou exatamente um apreciador da voz de Jane Lynch, mas é sempre bom quando a atriz/personagem solta a voz na tela, e seus duetos com Will, quase todos ao estilo old school, sempre funcionam. Mas fica a pergunta: existe apenas uma saída do metrô de NY?

I’m the Greatest Star (Rachel Berry) – Chris Colfer vai ter que engolir essa, mas a versão de Lea para esta música ficou absolutamente perfeita! Não apenas a atriz emula com precisão os vocais de Barbra em Funny Girl sem deixar que sua voz perca a identidade própria, como ainda consegue brincar com as notas mais arriscadas, alcançando um resultado vocal nada menos que admirável.

Who Are You Now (Rachel e Sue) – Um dueto Rachel + Sue foi algo que me surpreendeu, e gostei da ideia, mas a presença de Jane Lynch na performance ainda me soa um tanto estranha. Mais do que isso, a atriz acaba ficando apagada diante da emoção evocada por Rachel em suas lembranças de Finn. Impossível conter algumas lágrimas.

Pumpin Blood (Rachel, Mercedes e Santana) – Essa galera toda numa boate gay cheio de dançarinos marombados e descamisados? Diversão na certa!

Glee – 5X17: Opening Night
Showrunner: Ryan Murphy
Roteiro: Michael Hitchcock
Direção: Eric Stoltz
Elenco: Lea Michele, Darren Criss, Naya Rivera, Chris Colfer, Amber Riley, Jenna Ushkowitz, Matthew Morrison, Jane Lynch, Chord Overstreet, Lauren Potter, Josh Sussman, Max Adler
Duração: 43 min.

RAFAEL OLIVEIRA. . . .Cinéfilo ainda em construção, mas que já enxerga na Sétima Arte algo além de apenas imagens e som. Amante de Kubrick e Hitchcock e viciado em música indie, cético e teimoso, mas sempre aberto para novas experiências e estranhas amizades.