Crítica | Gotham 1X07: Penguin’s Umbrella

estrelas 4

Deixados com um explosivo cliffhanger em Spirit of the Goat, já iniciamos o sétimo episódio da temporada repletos de expectativa. E, por grande parte do episódio, somos bem recompensados, com uma trama que foge da estrutura “vilão da semana” e se aprofunda no arco anunciado desde o primeiro episódio (e em todas as recapitulações antes dos capítulos começarem). Trata-se, é claro, da tão esperada guerra alertada por Oswald Cobblepot, o estouro do conflito Falcone x Maroni. Infelizmente, contudo, o roteiro desliza em seu terço final, podendo significar uma volta ao lugar comum.

Começamos o episódio com uma pequena elipse após o término do anterior. A tensão está no ar e Jim tenta pedir à Bárbara que deixe a cidade enquanto lida com sua delicada situação. O texto de Bruno Heller trabalha maravilhosamente bem o tom pesado que se instaura na delegacia de Gotham, ao mesmo tempo que une os diferentes pontos de vista apresentados até então em Gotham em uma única narrativa. Fish, Pinguim, Gordon, Falcone e Maroni, todos mais interligados que nunca e colocados no mesmo tabuleiro para se movimentarem.

Victor Zsasz é apresentado de forma assustadora, deixando claro a psicose do personagem. Como um vilão mais secundário de Batman, ele se encaixa mais organicamente dentro da narrativa da série, não aparentando uma forçada introdução visando o fan-service. Certamente veremos mais dele nos capítulos posteriores, mas aqui entramos em um sério problema envolvendo a série. A menos que ela decida se distanciar completamente do material orginal, não poderemos ver nenhuma morte desses personagens centrais e pior: Gotham não poderá sair dessa situação precária até a chegada do Morcego. Permanece a dúvida se iremos assistir temporadas atrás de temporadas onde, de fato, nada acontece.

Heller, porém, consegue nos entreter oferecendo um interessante desdobramento das personagens Renee Montoya e Crispus Allen, que se tornam aliados de Jim agora que as suspeitas em torno dele se demonstraram falsas. Temos nesse desenrolar uma cena desnecessária com Bruce Wayne, mas já estamos anestesiados de tais situações dentro da série, ao ponto que somente nos trazem um leve desconforto, ao contrário da total aversão dos primeiros episódios.

Ainda do lado de Jim, o que realmente é interessante é a retratação de Harvey após um capítulo que trabalhou em cima do personagem de forma mais intimista (Spirit of the Goat). Bullock aparenta dar sinais de estar voltando para sua ideologia antiga, certamente influenciado por Gordon. Enquanto que já era esperado que ele ajudaria seu parceiro, a forma como foi feita deu sinais de uma progressão de personagem, nos tirando da unilateralidade apresentada na maioria dos capítulos.

O ponto alto de Penguin’s Umbrella, contudo, é justamente o foco que garante seu título. Vemos um ainda maior desdobramento dos planos do Pinguim, que ainda nos traz um interessante twist nos minutos finais. A revelação vem dotada de um certo didatismo, gerado pelo flashback (não poderiam deixar isso para nossa imaginação, criando até um certo mistério?), mas consegue permanecer orgânica dentro da estrutura do capítulo. Cobblepot já se firmou como um dos personagens de maior destaque de Gotham e, em grande parte dos casos, é o ponto atrativo que faz o espectador voltar semana atrás de semana. Para melhorar, a figura de Falcone ganha uma notável melhoria, desvelando o que há por trás daquela aparente fragilidade política.

Infelizmente, o episódio não vem ausente de deslizes. E o principal deles é a forma apressada como as problemáticas se resolvem. Tanto a “guerra” quanto a tensão em volta de Jim se resumem rapidamente, enquanto que poderiam durar mais alguns capítulos. Ambas se encaixaram dentro da reviravolta final, mas elas poderiam ter sido mantidas por um tempo maior a fim de criar uma maior tensão e nos afastar por mais tempo do “caso da semana”.

Tudo aponta, contudo, para uma volta à velha estrutura a partir do próximo episódio. De qualquer forma, Penguin’s Umbrella foi um sólido episódio, cujos acertos superaram os defeitos, acelerando a trama consideravelmente. O medo permanece que iremos nos deparar com alguns fillers em breve, mas resta somente esperar.

Gotham 1X07: Penguin’s Umbrella (EUA, 2014)
Showrunner:
Bruno Heller
Direção: Rob Bailey
Roteiro: Bruno Heller
Elenco: Ben McKenzie, Donal Logue, David Mazouz, Robin Lord Taylor, Erin Richards, Zabryna Guevara, Sean Pertwee, Victoria Cartagena, Andrew Stewart-Jones, John Doman, Jada Pinkett Smith, David Zayas
Duração: 42 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.