Crítica | Gotham 2X14: This Ball of Mud and Meanness

estrelas 4,5Aviso: contém spoilers

Terminado o arco envolvendo Mr. Freeze, que, de forma mais discreta, ainda preservava resquícios do formato procedural dos princípios da série, Gotham decide abordar exclusivamente duas de suas subtramas já abertas. A primeira, que inicia o capítulo, nos traz o sofrimento de Cobblepot em Arkham, enquanto a segunda se aprofunda na busca de Bruce pelo assassino de seus pais. Dirigido por John Behring, já experiente no ramo da televisão, This Ball of Mud and Meanness nos traz precisamente o que seu título representa, enquanto realiza importantes questionamentos que moldarão o futuro de Wayne.

Começamos com uma espécie de alucinação do Pinguim, prontamente descobrimos que se trata de mais um experimento de Strange, envolvendo o soro do Dr. Crane e terapia do sono. Observamos uma mudança no olhar de Oswald, algo que se mantém pelo restante do capítulo. Robin Lord Taylor representa um homem mudado e, ao mesmo tempo, nos deixa na dúvida se não se trata de puro fingimento. O roteiro de Megan Mostyn-Brown é sábio nesse quesito, obrigando o espectador a pensar e não entregando tudo a ele mastigado. BD Wong continua nos oferecendo uma interpretação assustadora com sua personificação de Strange. Há uma certa pompa no personagem, mas sem cair na exacerbada teatralidade tão comum ao seriado.

Do outro lado, de forma tão envolvente quanto à subtrama acima comentada, Wayne persegue Matches Malone. Passo a passo da investigação, enxergamos evidentemente uma abordagem de pontos que definirão o futuro do personagem. Aspectos importantes da personalidade do futuro Homem-morcego são trazidos à tona, culminando na decisão do personagem no final do episódio. Em paralelo enxergamos o impacto do prelúdio de coringa, seu impacto na sociedade, profetizado pelo seu próprio pai, algo realizado de forma não tão discreta, mas que molda Gotham como uma cidade viva, ao passo que os eventos passados, de fato, influenciam no seu futuro e não são simplesmente deixados para trás.

Ao lado de Bruce, Alfred nos traz outro ponto alto do capítulo – o trabalho de Pertwee continua uma das maiores qualidades de Gotham. Há um ar de sobriedade no mordomo, fazendo dele uma figura na qual conseguimos acreditar. A luta ocorrida no episódio é outro acerto da direção, que consegue manter uma tensão no ar e brinca com o esperado e o inesperado – começamos sabendo que Alfred irá ganhar, mas isso é revertido inúmeras vezes no decorrer da sequência. Não bastasse, a lição que Pennyworth oferece a Wayne chega a ser uma verdadeira artimanha do roteiro, que insere ação no episódio, dando um sentido a ela mais que o puro espetáculo. Constrói um de seus mais importantes personagens.

Por fim, de maneira mais singela, a subtrama envolvendo Edward Nygma continua a ser trabalhada e devo dizer que esta é uma das construções mais certeiras da série – é feita sem pressa, se estendendo em segundo plano pela maior parte das duas temporadas, representando perfeitamente a visão dos outros personagens em relação ao futuro Charada. Ninguém presta muita atenção nele e sua personalidade disfuncional parece querer realizar tudo para subir ao palco principal.

Dito isso, This Ball of Mud and Meanness representa um verdadeiro avanço para a série. Abandonando completamente (ao menos nesse trecho) o formato procedural, Gotham mostra seu verdadeiro potencial. Com um teor evidentemente mais adulto, não só pela violência, como pelas questões morais exploradas, o seriado aparenta fazer jus à cidade que representa. Resta esperar que a qualidade vista aqui seja mantida, pois, do início ao fim, não conseguimos tirar os olhos da tela.

Gotham 2X14: This Ball of Mud and Meanness (EUA, 2016)
Showrunner:
Bruno Heller
Direção: 
John Behring
Roteiro: 
Megan Mostyn-Brown
Elenco: 
Ben McKenzie, Donal Logue, David Mazouz, Morena Baccarin, Sean Pertwee, Robin Lord Taylor, Erin Richards, Camren Bicondova, Cory Michael Smith
Duração:
42 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.