Crítica | Gotham – 3X06: Follow the White Rabbit

estrelas 5,0

Obs.: Contém spoilers do episódio.

É bastante difícil vermos uma série com tantos personagens quanto Gotham decidir focar um de seus episódios quase que exclusivamente em um deles, mas é o que Follow the White Rabbit Faz. Naturalmente, Jim Gordon (Ben McKenzie) é o protagonista do seriado, mas, em geral, o que assistimos é uma narrativa que dose seu tempo entre ele e Wayne, o Pinguim e outros. Aqui, porém, essas outras cenas são apenas pinceladas, que ajudam a construir a tensão no espectador de forma indireta, com uma montagem que sabe exatamente quando as inserir dentro do capítulo.

Após vermos Jervis Tetch (Benedict Samuel) assassinar uma mulher inocente no desfecho do episódio anterior, o Chapeleiro, ainda sofrendo com a morte de sua irmã, decide criar uma série de jogos a fim de destruir James mentalmente. Desde cedo o vilão cria situações clássicas ligadas à figura do antagonista: obrigar o herói a escolher entre duas alternativas, com total consciência de que uma ou mais pessoas irão morrer independente da escolha ou se simplesmente se recusar a tomar uma decisão. De imediato já sabemos que tudo isso irá culminar na escolha entre Lee (Morena Baccarin) e Valerie Vale (Jamie Chung), nossa dúvida, que permanece até os créditos finais, porém, é se Gordon irá conseguir salvar as duas.

De fato, a trama geral segue de forma previsível até certo ponto, mas o que quebra toda essa previsibilidade é justamente a impotência de Jim. O roteiro de Steven Lilien e Bryan Wynbrandt demonstra bastante coragem ao colocar o detetive nessa posição e, surpreendentemente, não acaba com um final feliz – muito pelo contrário, já que absolutamente nada deu certo nesse capítulo. Além disso, é criada uma coesão com toda a temporada, visto que, ao menos essa parte do ano, está se dedicando a fazer Gordon retornar para a polícia e, após esse trauma, é bem possível que vejamos isso em breve, visto que até a jornalista disse que sua carreira como detetive particular não corria muito bem.

O que mais nos chama a atenção em Follow the White Rabbit, porém, é a forma como outros personagens são colocados na posição exclusiva de coadjuvantes, como já fora mencionado anteriormente. As cenas envolvendo o Pinguim, por exemplo, funcionam como um elemento a fim de criar uma elipse temporal – oferece tempo para Gordon chegar ao seu destino e, simultaneamente, nos deixa mais nervosos, na expectativa do destino final de Thompkins e Vale. Dito isso, não há como deixar de se surpreender que alguém realmente levara um tiro e o roteiro ainda chega a brincar conosco, nos trazendo a esperança de uma feliz resolução através de Mario Falcone (James Carpinello).

Outro destaque do capítulo é a atuação de Benedict Samuel, como Tetch, que nos entrega um retrato perturbador da loucura, de um estuprador que não admite o que fizera. No fundo ele esconde seus problemas tanto quanto Gordon, criando um paralelo imediato entre os dois personagens – a necessidade do vilão punir o mocinho nada mais é que uma transferência, colocando a culpa em terceiros, quando ele realmente fora o causador de tudo aquilo. Certamente um dos mais fascinantes antagonistas que apareceram no seriado e que, felizmente, ainda não foi descartado.

Do lado de Oswald (Robin Lord Taylor), nos impressiona que tenham escolhido seguir pelo lado do romance entre ele e Edward. Por mais que, muito provavelmente, isso não se concretize, especialmente agora que a doppelganger de Kringle apareceu, é bastante corajoso fazer tal escolha com dois personagens tão icônicos dos quadrinhos, o que apenas mostra que Gotham pode e deve se distanciar do material base o quanto necessário – afinal, quem não sentiu a química entre os dois no capítulo anterior? Pode não passar de fan-service, mas certamente se encaixa dentro do histórico de ambos ao longo das três temporadas do seriado.

Follow the White Rabbit é um episódio simples, mas não por isso deixa de ser marcante para nós espectadores. Com uma narrativa que não para a qualquer instante e que nos entrega uma interessante perseguição de gato e rato, marcada por rimas e escolhas distorcidas, temos aqui um dos melhores capítulos de Gotham, uma prova do quanto a série evoluiu desde sua primeira temporada. Com um cliffhanger angustiante e uma atmosfera pesada, somos deixados estáticos ao término de seus quarenta e dois minutos, sofrendo por ter de esperar mais uma semana para saber o destino da pobre jornalista. Se o episódio anterior foi sobre o amor, este foi sobre sua desconstrução.

Gotham 3X06: Follow the White Rabbit – EUA, 2016
Showrunner:
Bruno Heller
Direção:
Nathan Hope
Roteiro:
Steven Lilien, Bryan Wynbrandt
Elenco: 
Ben McKenzie, Donal Logue, Robin Lord Taylor, Erin Richards, Cory Michael Smith, Jessica Lucas, Richard Kind, Michael Chiklis, Drew Powell, Chris Chalk, Morena Baccarin, Jamie Chung
Duração:
42 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.