Crítica | Gotham – 3X13: Smile Like You Mean It

gotham-3x13-plano-critico

estrelas 3,5

Obs.: Contém spoilers do episódio. Leiam nossas outras críticas da temporada aqui.

Sem dúvidas um dos maiores vilões dos quadrinhos (se não o maior), o Coringa ganhou inúmeras faces aos longos dos anos, nas mais diversas mídias que Batman já apareceu, sendo interpretado de formas diferentes, que marcaram a televisão, games e cinema, isso sem falar, é claro, em suas representações ao longo dos anos nos quadrinhos. De todos os atores que viveram o personagem, porém, talvez nenhum tenha conseguido captar sua alma tanto quanto Heath Ledger e Mark Hamill (que praticamente se tornou a voz oficial do Palhaço do Crime) – temos através deles a prova de que para dar vida ao Coringa não é preciso somente risadas e vilania, é necessário captar a alma psicótica do vilão, que o torna tão assustador.

O anúncio dessa segunda metade da terceira temporada de Gotham já deixara bem claro que veríamos Jerome (Cameron Monaghan) como o suposto Coringa novamente e aqui, em Smile Like You Mean It, assistimos esse retorno do garoto que havia morrido no ano anterior. Após os eventos da semana anterior, o detetive Gordon, ao lado de Harvey  e toda a GCPD entram em uma busca por Dwight, cujos planos já são conhecidos – a trama principal, portanto, gira ao redor da tentativa de ressuscitação desse ídolo de Dwight e seu grupo. Enquanto isso, as maquinações de Nygma para derrubar o Coringa continuam, enquanto Selina descobre a verdade sobre o retorno de sua mãe.

O que chega a ser um tanto quanto desconcertante nesse capítulo do seriado, algo que já estivera presente na temporada anterior, é o quanto o roteiro nos tenta vender a figura desse novo Coringa, trazendo risadas atrás de risadas e ações vilanescas. O problema disso é que ainda não tivemos tempo para, de fato, conhecer essa nova encarnação do personagem, é preciso que nos habituemos a ele e suas ações falem por si só de maneira natural e fluida à narrativa e não forçando no espectador que esse é o Coringa e pronto. Mesmo em O Cavaleiro das Trevas não é de uma hora para a outra que nos habituamos à interpretação de Ledger e isso é o que falta aqui em Smile Like You Mean It.

Felizmente, o texto acerta ao brincar com nossas expectativas, não deixando claro se Dwight conseguira reviver seu ídolo ou não, fazendo, inclusive, uma referência aos Novos 52, com o rosto arrancado do Palhaço do Crime, que dá um toque bastante perturbador ao episódio. Poderia ser construído um maior suspense acerca disso, evidentemente, dispensando a montagem paralela que nos mostra Jerome acordando, mas nada que comprometa o andamento do episódio. No fim, Valeska consegue se destacar como antagonista ao causar o blackout em Gotham, algo que, qualquer um que viva em cidade grande, sabe que não traz boa coisa, o que certamente será elevado às alturas aqui. Confesso que acharia muito interessante se o próximo capítulo se passasse inteiro no escuro da cidade, vejamos se eles seguirão essa linha.

Do lado do Pinguim a situação fica tão angustiante quanto. Ao longo desses três anos passamos a gostar do personagem e Robin Lord Taylor definitivamente é um dos melhores atores presentes na série, portanto, é apenas natural que fiquemos tensos quando vemos tudo aquilo que ele construiu indo por água abaixo. Mas desse nervosismo acaba surgindo um problema: será que veremos mais uma vez uma queda e ascensão do personagem? Considerando que esse ponto já fora abordado mais de uma vez no seriado (em todas as temporadas), seria um repetição nada bem-vinda que apenas transformaria sua trama pessoal em um vai e vem eterno, por mais que o personagem tenha evoluído desde a primeira temporada.

Do lado de Bruce, por sua vez, tudo parece uma grande novela, com a mãe de Selina obviamente se revelando como uma pilantra. O destaque, contudo, vai para os momentos finais, com Kyle confrontando o Wayne, cena que nos mostra que o treinamento do futuro Batman está progredindo a todo o vapor. Vale ressaltar também que aqui vemos o encerramento de um pequeno arco, possivelmente abrindo caminho para que Jerome persiga Bruce no episódio da próxima semana.

Smile Like You Mean It consegue avançar bem a trama geral de Gotham e deia um ótimo gancho para o próximo capítulo, que, como já dito, esperamos que se passe todo no escuro da cidade. Com a volta de Jerome Valeska, nos resta aguardar para ver se esse novo Coringa irá, de fato, conseguir nos fisgar – algo para o qual, naturalmente, torcemos a favor. A próxima semana, definitivamente, promete um episódio que não irá parar em nenhum segundo, com Gordon no encalço do vilão e o confronto entre Cobblepot e Nygma.

Gotham 3X13: Smile Like You Mean It – EUA, 23 de janeiro de 2016
Showrunner:
Bruno Heller
Direção:
Olatunde Osunsanmi
Roteiro:
Steven Lilien, Bryan Wynbrandt
Elenco: 
Ben McKenzie, Donal Logue, Robin Lord Taylor, Erin Richards, Cory Michael Smith, Jessica Lucas, Richard Kind, Michael Chiklis, Drew Powell, Chris Chalk, Morena Baccarin, Jamie Chung, Cameron Monaghan
Duração:
43 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.