Crítica | Gotham – 4X03: They Who Hide Behind Masks

– Contém spoilers do episódio. Leiam nossas outras críticas da série aqui.

Se Gotham demonstrou algo nesses quatro anos desde sua estreia, foi a total ausência de medo em alterar substancialmente o status quo da cidade que dá nome à série. Tal característica pode, mais uma vez, ser observada nesse terceiro capítulo da quarta temporada, They Who Hide Behind Masks, ao passo que vemos o retorno de dois importantes antagonistas, além da introdução de uma nova personagem – todos capazes de desestabilizar o cenário de Gotham como ele se apresenta agora. Isso sem falar, claro, nas ações de Bruce Wayne. Essa coragem, contudo, acaba gerando certo temor em nós, espectadores, já que foi aberto o precedente para que tudo perca seu foco daqui para a frente, com excesso de subtramas paralelas.

Esse receio, claro, é oriundo do grande número de vilões em atividade – temos o Pinguim com seu controle de quem pode ou não exercer atividades criminosas;  Ra’s al Ghul, que retorna à cidade em busca de uma faca que não sabemos como ele perdeu; Edward Nygma, acordando ainda mais instável de seu congelamento por cinco meses; e, por fim, o próprio Espantalho, que não apareceu aqui, mas deve dar as caras novamente, em breve. Existe também a possibilidade de Sofia Falcone ter a própria agenda, colocando mais uma possível antagonista na jogada.

A possível fragmentação narrativa, oriunda de tamanha presença de personagens, felizmente, não aparece aqui, já que o episódio sabe muito bem dosar o tempo dedicado a cada um deles. É preciso notar, também, como, desde cedo, as subtramas de Barbara, Bruce e do Pinguim dialogam entre si, além daquela de Gordon, diretamente ligada à de Cobblepot. Dessa forma, a trama principal da temporada é mantida de forma concisa, sem se distanciar muito do que realmente importa. A própria presença da filha de Falcone, ainda que jamais tenha sido citada anteriormente, funciona tanto para criar o vínculo com a primeira temporada, quanto para impedir que o seriado retorne a um estado anterior, aspecto que seria possibilitado pelo retorno de Carmine.

O que efetivamente soa como conveniente demais é a apresentação da fã de Nygma, que surge do nada, apenas para cumprir uma função específica e é, logo após, descartada sem mais, nem menos. A libertação do antagonista poderia ter sido realizada por alguém que já estivesse presente na história, ao invés disso, foi deixada a impressão de que o roteiro de Steven Lilien e Bryan Wynbrandt inventaram uma desculpa qualquer para colocá-lo de volta no jogo. Aliás, esse próprio retorno prematuro nos deixa com a pulga atrás da orelha, podendo significar que retornaremos à velha inimizade entre ele e o Pinguim de forma repetitiva.

Outro aspecto que gera certo estranhamento é o fato do Pinguim não notar a súbita alteração na personalidade de Wayne – há dois episódios atrás eles trocaram faíscas na festa e, agora, ambos conversam como se nada tivesse acontecido, algo que faz sentido do lado de Bruce, mas não no de Oswald. De qualquer forma, é gratificante enxergar como o jovem Wayne começa a utilizar uma de suas máscaras mais famosas, assumindo a postura de jovem mimado. Falta certo refino em sua técnica, mas já era esperado, considerando que essa é a primeira vez que o vemos agir dessa maneira. Por falar em falta de refino, o jovem vigilante claramente precisa aprender a não se envolver em brigas quando não é necessário, algo que o roteiro não cansa em repetir.

De toda forma, é interessante observar como Gotham mostra que realmente abandonou suas origens procedurais, focando no desenvolvimento de tramas mais amplas, com largas passadas a cada semana. Resta torcer para que o excesso de antagonistas não prejudique a narrativa dos episódios posteriores, tornando-a fragmentada demais. Fora isso e algumas conveniências por parte do roteiro, tivemos mais um sólido capítulo da série baseada nos quadrinhos da DC Comics.

Gotham – 4X03: They Who Hide Behind Masks — EUA, 5 de outubro de 2017
Showrunner: 
Bruno Heller
Direção:
Mark Tonderai
Roteiro:
Steven Lilien, Bryan Wynbrandt
Elenco: 
Ben McKenzie, Donal Logue, Robin Lord Taylor, David Mazouz,  Cory Michael Smith,  Camren Bicondova, Sean Pertwee, Anthony Carrigan, Maggie Geha, Jessica Lucas, Crystal Reed,  Charlie Tahan, Alexander Siddig, John Doman, Crystal Reed
Duração: 
42 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.