Crítica | Gotham – 4X07: A Day in the Narrows

– Contém spoilers do episódio. Leiam nossas outras críticas da série aqui.

A introdução de mais um vilão em Gotham trouxe preocupações, podendo criar uma superlotação no seriado, visto que alguns previamente apresentados nessa temporada, ou na anterior, ainda não tiveram suas histórias concluídas. A Day in the Narrows, no entanto, aliviou um pouco desses temores, ao passo que a trama envolvendo o Professor Pyg foi unida organicamente com tudo envolvendo a Pax Penguina, sendo usada, inclusive, para intensificar as desavenças entre Gordon e Bullock, ponto que certamente garante uma boa dose de drama para a série, tendo em vista que a amizade entre os dois policiais vem sendo desenvolvida desde a primeira temporada.

Mesmo que a reação final mostrada por Harvey tenha sido um tanto quanto exagerada, especialmente considerando a trajetória dos dois desde o início da série, não há como deixarmos de sentir o peso dessa cisão, que pode, enfim, significar a ascensão de Jim dentro da GCPD – afinal, com Batman prestes a surgir de vez (acredito eu), é de se esperar que Gordon ocupe, ao menos, a posição de capitão. Além disso, é preciso notar como as diferenças ideológicas entre os dois já se fazem presentes desde o primeiro ano, mas somente agora o conflito parece prestes a estourar, com Gordon, finalmente, sendo respeitado pelos seus colegas da delegacia.

É interessante observar como o antagonista em questão representa justamente um exagero da linha de raciocínio do próprio James. Ambos buscam limpar Gotham da corrupção, aspecto que é enxergado por Pyg, que acautela o protagonista durante o capítulo. A simples presença dessa ideologia radical, portanto, funciona para enaltecer o detetive, que se recusa a cair na barbárie, na violência, mesmo tendo todos contra ele. De fato, se há alguém que represente a Justiça dentro da série é Jim, por mais que ele tenha, como foi citado no próprio episódio, saído da linha algumas vezes em capítulos anteriores.

A Day in the Narrows, porém, gera certas dúvidas em relação à forma como explora as subtramas paralelas. Bom exemplo disso é a curta aparição de Sofia Falcone, que basicamente cumpre sua cota semanal, sem grandes repercussões, podendo facilmente ter permanecido ausente durante o episódio. Em graus menores, o mesmo ocorre com o arco de Bruce e o de Selina – por mais que esses sejam importantes para o desenvolvimento de cada um desses personagens, suas aparições nos distanciam do importante conflito de Harvey e Jim, que poderiam ganhar algumas cenas adicionais, ao invés da constante troca de foco. Nada que efetivamente estrague o episódio, mas que nos deixa em dúvida sobre o que ele poderia ter apresentado no lugar.

No fim, A Day in the Narrows  mostra como a série sabe fazer uso de seus vilões a fim de desenvolver os personagens centrais. Mesmo com deslizes aqui e ali, permanecemos engajados nessa investigação, que tem como alvo o Prof. Pyg, mas que acaba acertando em cheio as diferenças ideológicas entre Jim e Harvey. Gotham parece estar à beira de mais uma de suas grandes mudanças – resta esperar para descobrirmos se Jim, enfim, irá ascender dentro da GCPD.

Gotham – 4X07: A Day in the Narrows — EUA, 2 de novembro de 2017
Showrunner: 
Bruno Heller
Direção:
John Behring
Roteiro:
Peter Blake
Elenco: 
Ben McKenzie, Donal Logue, Robin Lord Taylor, David Mazouz,  Cory Michael Smith,  Camren Bicondova, Sean Pertwee, Anthony Carrigan, Maggie Geha, Jessica Lucas, Crystal Reed,  Charlie Tahan, John Doman, Morena Baccarin
Duração: 
42 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.