Crítica | Guardiões da Galáxia: Awesome Mix Vol. 2

estrelas 5,0

  • Confiram, aqui, nosso especial Guardiões da Galáxia!

Poucas franquias possuem uma relação tão íntima com a música quanto Guardiões da Galáxia. O walkman de Peter Quill, junto de sua Awesome Mix Vol. 1, deixou inúmeros fãs, a ponto de criar expectativas sobre o que figuraria no volume 2. O diretor James Gunn, responsável por selecionar a dedo cada faixa presente na playlist, soube inserir a temática musical no longa de maneira orgânica, além de conversar perfeitamente bem com a estética pop e colorida do filme. Finalmente entre nós, é seguro dizer que a Awesome Mix Vol. 2 expande o conceito do primeiro filme que funcionou tão bem e bombardeia o ouvinte com uma atmosfera musical setentista de personalidade única.

Se a trilha do volume 2 precisava encontrar um tema tão marcante quanto foi Hooked On A Feeling para o Volume 1, provavelmente ela achou em Mr. Blue Sky, grande marco do Electric Light Orchestra que já abre a compilação no melhor clima possível. Toda a essência colorida e fervorosa típica de Guardiões é transbordada em excesso aqui. A canção é claramente um épico sem medo de soar pop, cantarolável quase como uma música do Queen, de harmonia riquíssima e arranjo de vozes diversificado. Se ainda assim você não tiver convencido, será impossível não se convencer com o hardrock chiclete de Fox On The Run, do Sweet. Os sintetizadores lisérgicos, as guitarras exageradamente melódicas, o refrão deliciosamente explosivo… pronto, parece que já estamos totalmente imersos na mente de James Gunn.

The Chain – faixa proveniente do clássico Rumours do Fleetwood Mac – já é alimentada no trailer, lançado um dia depois do icônico álbum da banda fazer aniversário de 40 anos (coincidência? Acho que não…). Recheado de uma inerente aura pop, foi feita para ser cantarolada, seja o refrão ou o inesquecível verso final, inserido logo após o solo estrondoso de Lindsey Buckingham: “Chaaaaaaaaain, keep us togetheeeer”. Assim como toda faixa da trilha, Gunn escolheu sabiamente a música para conversar com o roteiro do filme, no caso aqui servindo de metáfora para representar os Guardiões como a “corrente” a ser mantida unida.

Provavelmente a mais surpreendente escolha de faixa, Sweet Lord é a faixa perfeita para representar um ser místico e poderoso, uma espécie de divindade como Ego. Quando George Harrison lançou seu espetacular All Things Must Pass era notável que o compositor havia alcançado um nível espiritual acima do normal durante sua jornada pelo hinduísmo. Pelo menos essa é a única explicação que consigo formular mediante os arranjos inigualáveis de seu disco solo, de onde saiu tal faixa presente no Awesome Mix Vol. 2, um grande hit na época. Um Beatle em carreira solo fazendo o melhor álbum dos Beatles que-não-é-dos-Beatles. Ei, você, beatlemaníaco, guarde essa faca, ok?

O soul setentista – que no volume anterior marcava presença na forma de Marvin Gaye e The Five Stairteps – também ganha força aqui, surgindo na balada romântica de Bring It On Home To Me de Sam Cooke e no funk arrebatador de Flash Light do Parliament, banda quase irmã da Funkadelic. Seguindo o lado mais dramático do longa encontramos o folk emotivo de Father And Son de Yusuf/ Cat Stevens, faixa belíssima dotada de uma letra que cai como uma luva para a temática de Senhor das Estrelas e seu pai. Ainda há espaço para o talentoso Glenn Campbell surgir com os acordes ensolarados do country de Southern Nights e as guitarras vibrantes e eufóricas (com um pézinho quase nos anos 80) de Surrender do Cheap Trick.

Claro, assim como ocorreu no volume 1, Gunn não poderia deixar de inserir em sua coletânea hits setentistas que se perderam nas areias do tempo, além de bandas que se encaixam no famoso “one hit wonders”. É o caso do country rock a la Jim Croce de Lake Shore Drive do Aliota Haynes Jeremy, o soft rock de sonoridade tipicamente radiofônica de Brandy da banda Looking Glass, ou a leveza dançante presente nas melodias de Wham Bam Shang-A-Lang do grupo Silver. Um pouco mais fundo no baú do diretor, direto dos anos 60, também é possível encontrar o pop do grupo Jay & The Americans com Come A Bit Closer, faixa que destoa sutilmente do resto das faixas justamente por sua origem datar de um pouco antes das demais.

Ah, e que surpresa maravilhosa ver uma canção inédita cantada por DAVID FUCKING HASSELHOFF, cheia de sintetizadores, funk no talo e breguices típicas dos anos 70/80. Quem já escutou sua impagável cafonice em True Survivor, tema de Kung Fury, sabe que Hasselhoff já passava da hora de aparecer de alguma forma (direta ou indireta) em Guardiões da Galáxia.

James Gunn acertou novamente em cheio na trilha setentista de sua space opera de carisma tão particular. Se já parecia impossível botar defeito na Awesome Mix Vol. 1, o volume 2 consolida o excelente gosto musical do diretor e sua seletividade para a construção de suas trilhas sonoras, que já começa a ser comparada à de Quentin Tarantino. Divertido, dançante e auto-astral, Awesome Mix Vol. 2 é playlist feita pra ouvir no volume máximo e cantarolar sem vergonha. Ainda tem David Hasselhoff cantando uma canção inédita? Pelo visto o volume 3 possui referências lendárias a bater.

Aumenta!: Mr. Blue Sky
Diminui!: –

Awesome Mix Vol. 2
Artista: Vários
País: Estados Unidos
Lançamento: 21 de abril de 2017
Gravadora: Hollywood Records
Estilo: Trilha Sonora

HANDERSON ORNELAS. . . Estudante de engenharia química, fascinado por música, cinema e quadrinhos. Um fã de ficção científica e aventura que carrega seu fone de ouvido por todo lado e se emociona facilmente com música, principalmente com "The Dark Side Of The Moon". Enquanto não viaja pelo tempo e espaço em uma TARDIS, viaja pelo mundo dos livros e da música.