Crítica | Ingmar Bergman – Reflexões Sobre a Vida, a Morte e o Amor

estrelas 3,5

Alguns documentários nos fazem pensar melhor sobre nossas vidas e nossa opinião a respeito de algum cineasta. O impressionante Ingmar Bergman: reflections on life, death, and love (1999), dirigido por Stefan Brann é um desses filmes que nos atiçam a memória e nos fazem desenterrar pulsões, rancores e vivências.

A película de menos de 1h é o resultado de uma longa entrevista concedida por Bergman e seu grande amigo Erland Josephson, dois gigantes do cinema e do teatro sueco, falando sobre a relação de ambos com os filhos, as mulheres, a carreira, o envelhecimento e a morte.

Os dois conheceram-se quando Josephson tinha 16 anos e Bergman 21, o que faz da entrevista um filme de confissões, um desfile da óbvia cumplicidade eles, de uma amizade de mais de 50 anos, cheia de complicações, tristezas e felicidades de ambos os lados.

Particularmente nunca havia visto nada parecido no cinema. Tanto Bergman quanto Josephson compartilham experiências vividas que nos fazem entender as motivações de seus filmes, roteiros e peças. A arte é apresentada como o grande refúgio desses dois velhos solitários que negligenciaram amigos e amores para estarem consigo mesmos e com aquilo que mais amavam fazer: dirigir e atuar; teatro e cinema.

Durante a entrevista nada se fala a respeito dos filmes que fizeram juntos. Sobre esse assunto, temos um outro documentário, A Busca Pela Sanidade (Greg Carson, 2004), uma curta entrevista de 26 minutos com Liv Ullman, Erland Josephson e Ingmar Bergman sobre o processo de produção de alguns filmes, com destaque para o único terror de Bergman, A Hora do Lobo. Portanto, Reflexões… é um filme sobre os homens por trás dos filmes, os frágeis seres humanos por trás da brilhante carreira.

Para os espectadores reclusos por natureza, e para os admiradores de ambos os entrevistados, Reflexões… é um prato cheio para desfrutar com muito gosto. Um documentário de forma e conteúdo excelentes e com assuntos essenciais discutidos por dois dos maiores artistas do século XX.

Ingmar Bergman – Reflexões Sobre a Vida, a Morte e o Amor (Ingmar Bergman: reflections on life, death, and love) – Suécia, 1999

Direção: Stefan Brann
Roteiro: Stefan Brann
Entrevistados: Ingmar Bergman e Erland Josephson
Duração: 52min.

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.