Crítica | Legends of Tomorrow – 2X05: Compromised

legends-of-tomorrow-compromised-plano-critico

estrelas 3

Contém spoilers! Leiam as críticas dos demais episódios de Legends of Tomorrow, aqui.

Legends of Tomorrow tem apresentado um efeito-gangorra neste segundo ano, até agora, com um resultado mais positivo do que negativo, sempre considerando este “positivo” como algo diferente em se tratando das produções da CW. Uma concessão em comparação aos outros horrores que a emissora produz, por assim dizer.

Todavia, um episódio como Compromised prova que é possível, em algum momento, deixar coisas estúpidas e mal escritas como Abominations de lado e exibir algo que cumpra os princípios básicos de um bom roteiro de qualquer série: a) o drama precisa fazer sentido diante do contexto do cânone e da temporada; b) o episódio não pode ser isolado, ele precisa se conectar a um motivo dramático maior; c) não importam as “boas intenções”, se algo aparece em cena, obrigatoriamente precisa dizer algo para um personagem (ou um conjunto de personagens) e ao mesmo tempo para o Universo do qual ele faz parte.

Compromised cumpre boa parte desses princípios básicos sem muitos problemas. Evidente que mesmo o mais otimista dos espectadores terá o bom senso de admitir que o cliffhanger foi de um didatismo e pobreza textual absurdos e que muito do drama de Martin não serviu para nada dentro da história, mas o episódio trouxe coisas bem mais interessantes que isso, logrando pelo menos um simples e bom divertimento.

Eobard Thawne, o Flash Reverso, volta a propor parceria a Damien Darhk em um momento histórico delicado. O cenário da Guerra Fria e os impactos possíveis, caso o acordo não desse certo, são bem aproveitados pelo roteiro e os pequenos blocos destinados a cada um dos personagens se intercalam com alguma organicidade. Isso poderia ser melhor, não fosse o vício terrível da montagem de Andrew Kasch, cujas transições funcionam muito bem nas duas ou três primeiras vezes, mas depois perdem qualquer empolgação, chateando o espectador por ver exatamente o mesmo tipo de passagem entre um bloco e outro. A falta de imaginação de alguns setores nesta série às vezes é alarmante.

De certa forma, estamos diante de um episódio que mexe em feridas do passado, colocando o reencontro de Vixen com o Manto Negro (nota: enfim ela usou uma outra habilidade animal além da de gorila! Eu reclamava justamente dessa repetição intragável com um leitor, nos comentário de Abominations); de Martin com ele próprio, mais novo; a readequação de Ray, tentando se tornar o Capitão Frio; a crise moral de Sara; a discussão longa demais — porém com um tema coerente — entre Jax e Stein sobre modificações na História; as lembranças do Onda Térmica do tempo em que teve Snart como parceiro; e, por fim, uma interação cada vez maior do historiador Nate, o Cidadão Gládio, na equipe. Aliás, vale dizer que Nick Zano tem feito um bom trabalho com esse personagem, tornando-o simpático e espontâneo, encabeçando uma das construções mais rápidas e melhores que a série viu até hoje, o que é uma vergonha para certas Lendas que estão em cena desde a primeira temporada.

Voltam aqui as boas cenas de luta que vimos em The Justice Society of America, além de um ajuntamento maior de dados para justificar a temporada. Na semana em que descobrimos, com grande pesar e revirar de olhos até a nuca, que a temporada foi aumentada em mais desnecessários 4 episódios (como diria Inês Brasil: “pra quê? Pa cumê?“), pelo menos tivemos algo bom para assistir. E já aparecem aqui alguns indícios do mote central deste ano do show, aliás, o mesmo que serve como linha-guia da 3ª Temporada de Flash e Sua Turminha da Pesada: as mudanças temporais passionais. Até que ponto isso vai parecer algo “em tese, potencialmente, talvez, quem sabe, se pá, bom”, eu não sei. A gente tem até o episódio (pasmem!) 17 para descobrir.

Legends of Tomorrow – 2X05: Compromised — EUA, 10 de novembro de 2016
Direção:
David Geddes
Roteiro: Keto Shimizu, Grainne Godfree
Elenco: Victor Garber, Brandon Routh, Caity Lotz, Franz Drameh, Matt Letscher, Maisie Richardson-Sellers, Amy Pemberton, Nick Zano, Dominic Purcell, Neal McDonough, Graeme McComb, Emily Tennant, Lance Henriksen, Dimitri Vantis
Duração: 44 min.

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.