Crítica | LJA / SJA: Vícios e Virtudes

plano critico liga da justiça e sociedade da justiça viscios e virtudes

estrelas 3,5

Não é sempre que a perspectiva de leitura de uma história com heróis mainstream deixam os leitores animados, curiosos e constantemente impressionados com a ação dos personagens, seus planos e relacionamentos. Para mim, as aventuras da Sociedade da Justiça ao lado da Liga da Justiça têm esse poder. São o tipo de história que mesmo não sendo boas (o que não é o caso desta Vícios e Virtudes) garantem momentos de diversão para o leitor porque trabalham com personagens de eras históricas distintas e com valores morais e éticos muitas vezes conflituosos, o que abre as portas para briguinhas de ego e conflito de geração engraçados, trazendo à tona um lado enciumado e às vezes não tão legal desses super-heróis.

Esta é basicamente a essência de Vícios e Virtudes, one-shot de Geoff Johns e David S. Goyer lançado em 2003, que traz as duas grandes equipes heroicas da DC Comics em sua habitual reunião anual. É dia de Ação de Graças na Torre de Vigilância e Superman e Sentinela (Alan Scott) estão do lado de fora, observando a Terra. Batman está fazendo o monitoramento das telas de vigilância, afastados de todos. O restante come e festeja, conversam, provocam uns aos outros e comemoram o fato de estarem juntos mais uma vez. Já nas dez primeiras páginas da história a grande mágica desse tipo de encontro acontece e somos completamente agarrados pela história. Mas é claro que a reunião de equipes tão importantes não “passaria batido”. Alguma coisa precisava acontecer.

O verdadeiro vilão dessa história e a forma que ele utiliza para atacar é um dos motivos pelos quais o texto de Vícios e Virtudes não funciona bem o tempo inteiro e o dilema em pauta pode ser considerado uma armadilha de roteiro. Por um lado, sabemos os meios escusos que Despero (isso mesmo, o barbatana da primeira história do título solo da Liga, Viagem Sem Retorno) utiliza para agir. Por outro lado, a primeira ação do vilão, agora reformulado, fortalecido, bombado e com Johnny Pranto a tiracolo, obriga os roteiristas a mudar o tom da trama, botando os heróis para brigar sem motivo aparente, criando um grande caos em poucos quadros sem que haja um verdadeiro motivo para tudo aquilo.

plano critico liga da justiça e sociedade da justiça pecados do homem

Aquele momento em que você descobre fotos comprometedoras dos seus amigos.

Depois de algum tempo, quando enfim Despero se revela, entendemos a verdadeira motivação por trás de tudo, mas o “mal” já estava feito. Analisando a conceitualização, faz sentido as coisas serem do jeito que o texto apresenta. Mas o estranhamento pela mudança de tom da história e a a sequência de uma série de batalhas inexplicáveis até que a verdade se revele não é algo que a gente possa ignorar só porque descobrimos, mais à frente, que havia a mão de um grande jogador por trás de tudo. E nesta lambança, a parte mais fraca em continuidade (não em luta mano-a-mano ou em arte, porque essas sim são interessantes) é a permanência de membros da Liga e da Sociedade da Justiça no Limbo.

Valendo-se do tom épico da história, Carlos Pacheco (desenhos) e Jesús Merino (arte-final) dão uma enorme e merecida atenção ao visual de batalha e interação dos heróis contra Despero, Pranto e os outros vilões de ocasião, como Doutor Bedlam, os Filhos de Anúbis, Surtur (que dá muito trabalho para os heróis no Limbo) e Typhon, um velho conhecido do Doutor Destino. Dos momentos de destaque, vale a ótima representação visual da prisão dos heróis como os Sete Inimigos Mortais do Homem, tendo Sr. Incrível como ORGULHO; Lanterna Verde (Kyle Rayner) como INVEJA; Homem Borracha como COBIÇA; Batman como IRA; Senhor Destino como PREGUIÇA; Poderosa (Karen Starr) como LUXÚRIA e Capitão Marvel ou Shazam como GULA.

Depois que os jogadores dessa batalha nos são revelados, conseguimos curtir mais tranquilamente a história. Diferente da forma como começou, a libertação dos heróis da dominação de Despero é lenta, mas vem em boa junção de forças para um objetivo final, levando-nos para um novo momento de confraternização entre as equipes. O ciclo se fecha de maneira mais ou menos orgânica e muito divertida, novamente com provocações e piadas internas, além de uma mensagem que vem tarde e parece apenas jogada na trama, com Sideral falando com a Mulher-Maravilha, questionando certas coisas do heroísmo. Ainda assim, a imagem dos isolados Superman e Sentinela na órbita da Terra volta o nosso pensamento para o dever desses heróis, que pode, muitas vezes, afastá-los do convívio entre os outros. Como a própria história diz, isso não é bom nem ruim. É tudo uma questão de perspetiva.

Liga da Justiça e Sociedade da Justiça: Vícios e Virtudes (JLA/JSA: Virtue and Vice) — EUA, 2003
No Brasil: LJA/SJA: Vícios e Virtudes (Panini, Edição Especial, 2003) 
Roteiro: 
Geoff Johns, David S. Goyer
Arte: Carlos Pacheco
Arte-final: Jesús Merino
Cores: Guy Major
Letras: Ken Lopez
Capas: Carlos Pacheco, Jesús Merino, Guy Major
Editoria: Dan Raspler, Stephen Wacker
98 páginas (encadernado da Panini)

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.