Crítica | Lucas – Um Intruso no Formigueiro

Lucas – Um Intruso no Formigueiro é um filme mais voltado para o público infantil. Isso não impede que os adultos, no entanto, encontrem diversão e reflexões ecológicas bem pertinentes ao contemporâneo, momento alardeado por medidas de contenção diante dos desgastes sofridos pelo meio ambiente, haja vista a ação humana ao longo da nossa história. Ao passo que os seus 88 minutos avançam, a animação demonstra-se visualmente interessante, com diálogos simplórios e piadas bem suaves, mas a abordagem de um tema que pode interessar aos adultos que curtem conhecer um pouco mais do mundo em que vivem, isto é, neste caso, o “aparentemente” desprezível mundo das formigas, criaturas que trazem dor de cabeça para muita gente, mas que são importantíssimas para a dinâmica das relações na natureza.

O ponto de partida é a jornada de Lucas, um garoto que sofre problemas na escola. Menor que os seus colegas valentões, o jovem precisa lidar com o bullying constante. Por se sentir solitário constantemente, Lucas desconta a sua raiva no formigueiro que fica próximo a sua casa. Por meio de sua pistola de água de brinquedo, acerta em cheio a “sociedade” das formigas que se revoltam e, por intermédio da rainha, levam uma poção até a casa do menino enquanto ele dorme. Ao despejar o líquido no ouvido do garoto, ele encolhe e as formigas o carregam até o formigueiro.

Diante da situação exposta, Lucas acorda e recebe a missão. Trabalhar até reconstruir o lugar que ele mesmo destruiu. Será assim que o jovem aprenderá lições sobre diversos valores importantes para a vida em sociedade, tais como a necessidade de equilíbrio para a vida em comunidade e o respeito ao próximo. Do tamanho de uma formiga por tempo determinado, isto é, até cumprir sua missão, Lucas em breve terá que salvar os seus novos amigos dos pesticidas despejados pelo agente de limpeza que se oferta como um dos antagonistas da narrativa.

Na história, percebemos a importância das formigas para o desenvolvimento da natureza. Diferente dos filmes de terror que as apresentam como pragas assassinas e destruidoras, esses seres da natureza englobam em média treze mil espécies catalogadas e são responsáveis pela dispersão de sementes, agentes polinizadoras, tais como as abelhas, além de possibilitar a fertilização dos solos. As criaturas irritantes que invadem os alimentos que deixamos dispersos por algum descuido em casa também possuem “familiares” que removem camadas do solo e levam nutrientes do fundo para cima e vice-versa, produzem adubos naturais por meio de seus detritos expelidos após se alimentar de animais mortos na superfície, tendo ainda a função natural de atacar o besouro bicudo-do-algodoeiro, criatura que representa o horror dos que utilizam o algodão como fonte de economia. “Jardineiras da natureza”, as formigas comem parte do lixo que deixamos por ai e ainda evitam que algumas pragas urbanas sejam mais volumosas do que já são.

Dirigido e escrito por John A. Davis, “Lucas” se baseia no livro homônimo de John Nickle e traz as vozes de Meryl Streep, Julia Roberts, Paul Giamatti, Zach Tyler, Regina King, Nicolas Cage, Bruce Campbell, dentre outros, com produção assinada por Tom Hanks, interessado no potencial narrativo do material depois de ter lido para o filho. Narrada por meio de piadas leves e bem humoradas, a produção editada por John Price contou com uma cuidadosa e gigantesca equipe de designers focados na criação de formigas delineadas com traços humanos, um dos atrativos maiores, além da condução musical igualmente eficiente de John Debney.

Lançado em 2006, Lucas – Um Intruso no Formigueiro é uma animação de “menor” potencial quando comparada aos deslumbrantes conteúdos produzidos pela Disney/Pixar/Dreamworks, bem como as discussões mais maduras de Os Sem-Floresta, A Casa Monstro, Shrek, dentre outros. Fábula com as esperadas lições moralistas para o público, podemos ainda refletir o imperialismo entre as sociedades e a necessidade do trabalho em equipe, além de entender como seres irracionais vivem de maneira “mais organizada” que nós, arrogantes e humanos.

Lucas – Um Intruso no Formigueiro (The Ant Bully) – Estados Unidos, 2006
Direção: John A. Davis
Roteiro:  John A. Davis, baseado em livro de John Nickle
Elenco: Meryl Streep, Julia Roberts, Paul Giamatti, Zach Tyler, Regina King, Nicolas Cage, Bruce Campbell, Alan Cumming, David Kaye, Jake T. Austin, Larry Cedar, Myles Jeffrey, S. Scott Bullock
Duração: 101 min.

LEONARDO CAMPOS . . . . Tudo começou numa tempestuosa Sexta-feira 13, no começo dos anos 1990. Fui seduzido pelas narrativas que apresentavam o medo como prato principal, para logo depois, conhecer outros gêneros e me apaixonar pelas reflexões críticas. No carnaval de 2001, deixei de curtir a folia para me aventurar na história de amor do musical Moulin Rouge, descobri Tudo sobre minha mãe e, concomitantemente, a relação com o cinema.