Crítica | Luzes da Cidade

citylightsfull

estrelas 5,0

Charlie Chaplin é um dos nomes mais conhecidos do cinema, se não o mais. Suas obras variam desde a crítica social severa e pontual, até os toques de amor e sensibilidade. Seu personagem Carlitos é, sem dúvida alguma, o mais conhecido da história e sua forma de fazer cinema é aclamada até os dias atuais. Trata-se de uma das carreiras mais sólidas e brilhantes, um nome marcado na história não só do cinema, mas também da própria humanidade. Chaplin que era um crítico social de marca maior, um idealista – termo que erroneamente é taxado de forma pejorativa, num país em que malandragem é sinônimo de sabedoria – era também um romântico sensível e cativante. O filme Luzes da Cidade comprova tal afirmativa e não me deixa cair em descrença. Lançado em 1931, a obra continua bela e sensível. Com certeza, estamos falando de uma película eterna.

A paixão de um vagabundo por uma pobre florista cega, que acredita que ele é um milionário, o motiva a fazer o possível e o impossível para melhorar a vida de sua amada. Nutrido de um amor platônico, Carlitos se dedica neste objetivo, sendo capaz de se envolver nas maiores encrencas para obter o resultado desejado. Por ironia do destino, ele se aproxima de um milionário, que tentara o suicídio e fora salvo por ele, afim de arranjar algumas maneiras para ajudar a moça, mas nem sempre consegue o que deseja. Ao descobrir que um Médico havia descoberto a cura para a cegueira, Carlitos fará de tudo para conseguir o dinheiro necessário para a operação, mesmo que para isso ele precise trabalhar ou até mesmo lutar boxe.

Luzes da Cidade é simples. A obra dialoga de forma pura, verdadeira e sensível. Somos tomados por um misto de sentimentos que variam entre risadas e choros, uma verdadeira overdose de genialidade, uma genialidade simples e cativante. Durante o processo de transição do cinema mudo para o cinema falado, Chaplin continuou produzindo filmes mudos por mais treze anos, e a obra de 31 se enquadra neste período. Mas neste filme, Charlie utilizou alguns artefatos sonoros na composição da película, como por exemplo, na cena do apito, ou na cena da luta de boxe.

A trilha sonora de Luzes da Cidade, composta pelo próprio Chaplin, se agrupa de forma extramente harmoniosa, um casamento perfeito entre sonoridade e imagem. As atuações são fantásticas. A forma como os personagens se expressam é de uma pureza imensa, é algo que só pode ser vindo d´alma. A cena final é um dos momentos mais sublimes da história da sétima arte. Enfim, são apenas alguns aspectos de uma obra perfeita. Mas Luzes da Cidade é sensível de forma extrema, é um filme grandioso demais para ser definido por palavras, é muito mais fácil senti-lo: é simples e genial como o próprio Chaplin.

Luzes da Cidade (City Lights, EUA, 1931)
Roteiro: Charles Chaplin
Direção: Charles Chaplin
Elenco: Charles Chaplin, Hank Mann, Al Ernest Garcia, Virginia Cherrill, Florence Lee, Harry Meyers
Duração: 87  min.

RAFAEL OLIVEIRA. . . .Cinéfilo ainda em construção, mas que já enxerga na Sétima Arte algo além de apenas imagens e som. Amante de Kubrick e Hitchcock e viciado em música indie, cético e teimoso, mas sempre aberto para novas experiências e estranhas amizades.