Crítica | “Montage Of Heck: The Home Recordings” – Kurt Cobain

estrelas 0

Nunca imaginei que daria zero estrelas a algo. Sempre questionei a necessidade de dar um zero absoluto como avaliação. Não seria isso uma falta de respeito a obra? Então cheguei a uma conclusão de qual situação tal nota seria admissível: quando a criação da obra em questão é extremamente questionável, além de oferecer, claro, uma qualidade duvidosa. Esse é o caso de Montage Of Heck: The Home Recordings, álbum baseado na enorme quantidade de arquivos de Kurt Cobain vasculhados por Brett Morgen, o idealizador do tão falado documentário Kurt Cobain: Montage Of Heck. Todo o material foi brilhantemente usado no documentário que foi ao ar na HBO. Visto a popularidade que gerou, não demorou pra anunciarem o lançamento de um disco de demos e gravações caseiras de Kurt encontradas por Brett. O ponto é: o disco é totalmente sem necessidade e ilógico.

Não há praticamente nada em Montage Of Heck: The Home Recordings que se salve. Tudo que poderia ser aproveitado já foi utilizado onde deveria: no documentário. Nada aqui dá pra se levar a sério como música por simples fatos: não passam de ensaios e áudios aleatórios que mal passaram por simples edições. É Kurt cantando extremamente desafinado, fazendo brincadeiras, afinando a guitarra (Reverb Experiment é uma verdadeira piada), cheio de onomatopéias que não farão quase ninguém parar pra ouvir o disco mais do que uma vez. As faixas não passam de demos de ensaios. Quem vai preferir escutar versões de total descompromisso e qualidade sonora duvidosa se podem escutar discos como Bleach ou Nevermind?

Em essência, tudo que escutamos no álbum pode funcionar muito bem em vídeo (principalmente partes que lembram o bom humor de Kurt), mas não unicamente em áudio, em disco. Se pensarmos bem, o lançamento de tal álbum é um perigo enorme para o mundo da música. Se a indústria atual já tenta faturar dinheiro por cima de QUALQUER coisa, não é improvável que, se Montage Of Heck: The Home Recordings for bem de vendas, inúmeras gravadoras passem a lançar discos com materiais descartáveis de ensaios e demos de artistas afinando instrumentos, cantando desafinados e fazendo quaisquer coisas isentas de musicalidade. Felizmente para essa teoria, o disco tem decepcionado nas vendas comparado ao que era esperado.

De todo o álbum, só há uma faixa que se salve, e esta é o cover de And I Love Her dos The Beatles. Aqui ela se destaca muito mais pela interpretação que Kurt dá a canção, e por mostrar uma de suas influências, do que realmente pelo resultado sonoro. Uma decisão muito mais sensata que o lançamento do álbum seria lançar a faixa como single e fazer um bom trabalho de edição e mixagem, como foi feito recentemente com trabalhos de Michael Jackson e Johnny Cash.

Montage Of Heck: The Home Recordings é um dos maiores caça-níqueis da indústria musical atual. Muito longe de acrescentar algo a história do líder do Nirvana e muito mais perto de desconstruir seu talento musical. Seria melhor ter se limitado apenas ao ótimo documentário.

Aumenta!: And I Love Her
Diminui!: Praticamente o disco inteiro

Montage Of Heck: The Home Recordings
Artista: Kurt Cobain
País: Estados Unidos
Lançamento: 13 de novembro de 2015
Gravadora: Universal Music
Estilo: Rock, Grunge

HANDERSON ORNELAS. . . Estudante de engenharia química, cantor de chuveiro e tocador de guitarra de ar. Seja através dos versos ácidos de Kendrick Lamar, a atitude de Bruce Springsteen, ou a honestidade de Tim Maia, por seus fones de ouvido ecoam ondas indistinguíveis. Vai do sangue de Tarantino à sutileza de Miyazaki, viajando de uma galáxia muito, muito distante até Nárnia. Desbravador de podcasts e amante de indie games, segue a vida com um senso de humor peculiar e a certeza de que tudo passa - menos os memes.