Crítica | O Agente da U.N.C.L.E. (2015) – Trilha Sonora Original

estrelas 5,0

Daniel Pemberton nasceu em 3 de novembro de 1978, no Reino Unido. Em 1994, ele embarca no ramo de trilhas sonoras, começando com pequenos trabalhos na televisão inglesa, variando entre séries, documentários e telefilmes; ele também emprestou sua habilidade para curtas e videogames. Em 2013, sua música chama a atenção de Ridley Scott, que o contrata para compor a trilha de seu O Conselheiro do Crime, trampo que já lhe garantiu a chance de trabalhar com Danny Boyle no vindouro Steve Jobs e com Guy Ritchie em O Agente da U.N.C.L.E.

Por que a longa introdução? Bem, quando ouvirem o que esse tal Pemberton faz em U.N.C.L.E., vão querer saber tudo sobre ele.

Como lidamos com uma trama de espionagem nos anos 60, haverá um claro desejo de seguir o estilo musical da época, assim como evocar a elegância e sensualidade presente nos filmes de James Bond de Sean Connery. Para isso, Pemberton adota uma guitarra suave, mas ao mesmo tempo máscula, para His Name is Napoleon Solo e a excelente The Vinciguerra Affair, sendo bem sucedido na construção de uma música que grita espionagem à moda antiga. Não só a guitarra, já que seu trabalho é de uma versatilidade e ecletismo inacreditáveis, trazendo influências de Ennio Morricone, salsa, tango e uma saudosa ode ao mexicano, com Breaking Out (The Cowboy Escapes), e uma percussão de bateria que resolve com economia uma das batalhas do clímax; no caso, Drums of War.

Mas se há um grande herói nessa trilha, é a flauta baixo. É o instrumento principal de praticamente toda a trilha, mas é com Escape from East Berlin que ele domina a cena, ajudando a tornar a fuga de Solo e Gaby tão empolgante, além de proporcionar um tipo de som pouco usado no Cinema, quase animalesco e elétrico. Também admiro a decisão da mixagem sonora de manter os suspiros ofegantes do flautista na edição final, não só valorizando o perceptível esforço do músico, mas também oferecendo um fator humano à música durante o filme.

Além do trabalho original de Pemberton, o álbum nos traz uma seleção de muitíssimo bom gosto de músicas do período. Compared to What, de Roberta Flack passa exatamente o tipo de classe que encontraríamos nessa aventura, logo na elegante e nostálgica sequência de abertura, enquanto hits como Five Months, Two Weeks, Two Days, de Louis Prima, e Il Mio Regno, de Luigi Tenco e Gianfranco Reverberi, ajudam a criar climas (seja entre Solo e Illya, ou o russo e Gaby) e pontuar locações internacionais. E os fãs da Tropicália brasileira ficarão entusiasmados com a presença da ótima Jimmy, Renda-se, de Tom Zé, que pontua com perfeição a primeira grande reviravolta da trama.

A elegante trilha sonora de O Agente da U.N.CL.E. é uma grande surpresa, prometendo alavancar a promissora carreira de Daniel Pemberton, que se revela uma das mais frescas e originais vozes dos últimos anos. Pra se dar replay inúmeras vezes.

AUMENTA: Escape from East Berlin
DIMINUI:

The Man from U.N.C.L.E. – Original Motion Picture Soundtrack
Composta por Daniel Pemberton
País:
EUA
Lançamento: 2015
Gravadora: WaterTower Music
Gênero: Trilha Sonora

LUCAS NASCIMENTO . . . Estudante de audiovisual e apaixonado por cinema, usa este como grande professor e sonha em tornar seus sonhos realidade ou pelo menos se divertir na longa estrada da vida. De blockbusters a filmes de arte, aprecia o estilo e o trabalho de cineastas, atores e roteiristas, dos quais Stanley Kubrick e Alfred Hitchcock servem como maiores inspirações. Testemunhem, e nos encontramos em Valhalla.