Crítica | O Código Tarantino

estrelas 4

Sam Peckinpah. Mr. White. Jungle Boogie. Elvis. Pulp Fiction. Silver Surfer. 70’s. Tarantino’s Mind.

Escrito e Dirigido por um grupo da “Republika Filmes” que assina como “300 ML”, O Código Tarantino é um curta metragem de 15 minutos, dedicado a uma série de pequenas teses muito interessantes sobre a filmografia do diretor estadunidense Quentin Tarantino.

Os incríveis Selton Mello e Seu Jorge, que estrelam o curta, estão em um bar onde começam a conversar sobre cinema e, a partir daí, os cortes entre as sequências mostram cenas dos filmes citados pelo personagem de Selton Mello, ilustrando suas ideias.

Para quem conhece os filmes de Quentin Tarantino, o curta é um pequeno deleite e um interessante exercício para se pensar no pós-exibição. De Like a Virgen da Madonna, passando por possíveis jogadores de pôquer da ESPN, o tal “código” a ser decifrado preenche todas as linhas do filme com um quê de teoria da conspiração, aguçando ainda mais o espectador cinéfilo.

A montagem inteligente agiliza a narrativa que poderia ser uma catástrofe, já que, duas pessoas em um bar conversando (numa reprodução de um plano-sequência de Pulp Fiction), não é algo que suscite muitas epifanias cinematográficas, mas se o cenário-filme for trabalhado de forma dinâmica (como é no curta), só há espaço para um aplauso no final.

O que minimiza a qualidade do filme é o ralo rigor fotográfico, embora seja visível a carga proposital disso. Penso que uma fotografia menos monocromática cairia bem ao curta. As outras ressalvas são em relação à abertura, que é bruscamente interrompida (que descuido interromper a música em um ponto não propício!), e a algumas falas do personagem de Seu Jorge. Aliás, a linha narrativa do diálogo, embora não se perca, parece querer perder-se. É estranho, mas mesmo assim, funciona.

Dentre os milhares de curtas que circulam pela rede, esse metalinguístico brasileiro é um dos que valem a pena ver, mas já previno aos que não conhecem o mundo tarantinesco: nem se aventurem, porque não entenderão nada.

* Importante: a foto em destaque no texto não pertence ao curta. Eu apenas a escolhi porque não foi possível encontrar nenhum fotograma do filme em questão com boa qualidade e tamanho adequados.

O Código Tarantino (Brasil, 2006)
Direção: 300 ML
Roteiro: 300 ML
Elenco: Selton Mello, Seu Jorge
Duração: 15 min.

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.