Crítica | O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro

estrelas 4

Certamente não irá pegar de surpresa, a quem assistiu Deus e o Diabo na Terra do Sol, a presença de Antônio das Mortes nessa retratação do sertão nordestino e os resquícios do cangaço – O Dragão da Maldade se passa vinte e nove anos após a queda de corisco nas mãos de Antônio. Podemos considerar, portanto, este como uma continuação. O filme, contudo, vai muito além disso, nos mostrando, através de uma linguagem única, a história de um homem que desesperadamente (e silenciosamente) tenta recuperar seu propósito.

A morte de Corisco significou o fim do cangaço, ao menos é isso que Antonio das Mortes acreditava. Ao descobrir que um suposto cangaceiro apareceu pela região do Jardim das Piranhas, o jagunço, que agora vive sem motivo, sem ânimo, vai em busca desse homem, em busca dos velhos tempos. Somente pela sua trama, o filme de Glauber Rocha poderia ser visto como simples, pois está na forma como ela é contada o grande diferencial de Dragão da Maldade. Sua narrativa se desenvolve através de uma mistura de opera e cordel. Ora temos imagens paradas e uma música sendo cantada por uma única pessoa, mostrando-nos a história, ora vemos verdadeiras e potentes mostras da cultura brasileira, através da cantoria, dança e diversos elementos do folclore e religião. Em ambas é impossível não se deixar levar pela composição de cena que não só conta com uma direção de arte detalhista, como uma direção meticulosa.

Tal trabalho do diretor, em conjunto com a fotografia de Affonso Beato, compõem verdadeiros quadros cinematográficos que captam cada centelha de atenção do espectador, forçando-nos a contemplar em detalhes tais imagens. É a montagem não convencional que nos trás de volta à realidade, como uma vontade de Glauber de pedir dedicação do espectador que também. Deve trabalhar para entender este conto do nordeste.

O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro certamente é um filme que pede a atenção de quem assiste, porém que recompensa quem o faz. Conta com inesquecíveis imagens ao som da cultura brasileira que, como um quebra cabeça, monta este epílogo da história de Antônio das Mortes. É mais uma singular visão de Glauber Rocha de nossa história.

O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro (Brasil, 1969)
Direção: Glauber Rocha
Roteiro: Glauber Rocha
Elenco: Maurício do Valle, Odete Lara, Othon Bastos, Hugo Carvana, Joffre Soares, Lorival Pariz, Rosa Maria Penna, Emmanuel Cavalcanti, Vinícius Salvatori.
Duração: 100 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.