Crítica | O Incrível Hulk #180 e 181

estrelas 3,5

O governo canadense dos anos 70 parecia não gostar muito do Hulk… Atraído para uma área “em guerra” do país através de um feitiço, o Golias Verde foi imediatamente identificado pelos radares do governo, que resolveu então liberar a “Arma X” a fim de capturá-lo. Com essa simples, mas intrigante premissa, temos o mote principal de uma história que seria bastante lembrada pelos anos seguintes.

Com texto de Len Wein e arte de Herb Trimple, esse arco de duas revistas mostra o enfrentamento do Hulk contra Wendigo, o “Homem das Montanhas” ou “Pé-Grande”. Há um pequeno contexto explicativo (mas não necessariamente convincente) sobre o surgimento do monstro, e todo o restante da primeira edição (#180) é uma sequência de saltos narrativos.

É evidente que o foco de Wein era a construção de uma história larga, a ser desenvolvida através dos meses, mas ver tantas mudanças de cenários, personagens diferentes e contextos diferentes causa um mau efeito sobre o leitor, fazendo com que a história pareça, mesmo sem ser, confusa.

Mas o grande destaque do arco não é a magia, o problema moral em torno da transferência da maldição do Wendigo para outra pessoa ou a selvagem luta do Hulk contra o monstro branco. O verdadeiro destaque aqui é a primeira aparição do Wolverine, a tal “Arma X” desenvolvida pelo governo canadense e usada para capturar o Verdão.

O final do arco é bastante emocionante e mostra um lado emotivo e pouco conhecido do Hulk. A mesma postura também pode ser vista na edição seguinte, ainda mais emotiva porque o gigante se torna amigo de um velho negro, com quem aprende a escrever, mas logo em seguida se vê privado dessa amizade por uma série de trágicos eventos.

e surge o Wolverine!

Criado por Len Wein e John Romita, Wolverine era uma das primeiras peças da galeria de “Novos Heróis” da Marvel. Irascíveis, moralmente duvidosos e sem nenhum pudor para matar ou se assumirem mercenários, esses anti-heróis da era pós-Stan Lee tiveram em Wolverine a sua maior popularidade e aceitação geral do público, sem contar que o baixinho canadense (uma novidade em meio a tantos heróis estadunidenses) foi praticamente a pedra angular da renovação dos X-Men, encabeçada na editoria-chefe por Roy Thomas e tendo Len Wein como roteirista principal (acompanhado da arte de Dave Crockum).

Mas ao invés de esperar a Giant-Size Uncanny X-Men #01 (1975) para mostrar o primeiro fruto da nova fase dos mutantes, Wein trouxe o seu baixinho raivoso para uma aventura na revista do Incrível Hulk, no arco em que o Golias Verde enfrenta o Monstro Branco de nome Wendigo.

Por ser um herói canadense, Wein se inspirou no mamífero típico do extremo hemisfério norte do planeta (muito comum no Canadá ou no Estado de Michigan, nos EUA), o Glutão ou Carcaju, cujo nome em inglês é Wolverine. É um animal relativamente pequeno, mas é bastante agressivo e desafia bichos bem maiores que ele, principalmente se for roubar comida. Daí já vemos a semelhança de personalidade do Wolverine herói para o animal no qual foi inspirado.

Wolverine aparece sem muitas explicações sobre sua origem. Sabe-se apenas que o governo canadense investiu altas somas de dinheiro para sua criação e que o chamava de “Arma X”. Em sua aparição, ele tem diálogos irônicos enquanto luta contra Wendigo e contra o Hulk, de quem finge ser amigo e depois parte para a pancadaria. Wein consegue fazer uma apresentação interessante do “homenzinho de garras”, sem tirar do protagonista da revista a importância maior.

Em Incrível Hulk #181, Wolverine aparece a maior parte do tempo em uma fantástica luta contra o Verdão. Como ambos estão determinados a não perder a batalha, a arte e o texto se engajaram em mostrar uma batalha de proporções inesquecíveis, com uma cadência de ritmo que caminha para algo mais emotivo ao final do arco, como disse mais acima.

A primeira aparição do Wolverine na revista do Hulk foi uma jogada interessante da Marvel, e o resultado foi realmente muito bom. Não demoraria muito tempo para que ele se tornasse um herói amplamente conhecido e querido, além de ter mais de sua biografia explorada. Em breve, os X-Men alcançaria um outro patamar de popularidade e um dos principais representantes dessa nova era dos mutantes estava bem claro para todo mundo quem era…

O Incrível Hulk #180 e 181 (EUA, 1974)
Roteiro:
Len Wein
Arte: Herb Trimple
Arte Final: Jack Abel
Cores: Christie Scheele
20 páginas (cada número)

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.