Crítica | O Peso da Água

estrelas 2

Versatilidade, talvez seja essa a melhor palavra para descrever Kathryn Bigelow, diretora que, desde cedo, demonstrou não ter medo de encarar novos gêneros cinematográficos. Desde The Loveless, seu longa-metragem de estreia, em 1981, ela já nos entregou uma história de vampiro, um thriller psicológico policial, um filme de ação e uma ficção científica. Em O Peso da Água, a realizadora filma seu primeiro roteiro adaptado de um livro, o romance, de mesmo nome, da autora Anita Shreve, uma mistura de filme de época com drama contemporâneo, que traça paralelos entre o passado e presente de maneira que os dois períodos complementam um ao outro.

A obra tem início com uma sequência, ambientada em New Hampshire do século XIX, que nos mostra a prisão de Louis Wagner (Ciarán Hinds), acusado de ter assassinado uma garota local, embora ele grite que é inocente. Pulamos para os tempos atuais, onde encontramos Jean (Catherine McCormack), fotógrafa de jornal que viaja, junto de seu marido, Thomas (Sean Penn), para a ilha onde o assassinato foi cometido em razão de uma matéria para seu jornal sobre o ocorrido há tantos anos. Lá eles encontram-se com o irmão de Thomas, Rich (Josh Lucas) e sua namorada, Adaline (Elizabeth Hurley). Durante esse tempo de estadia, Jean começa a suspeitar que o crime não fora cometido por Louis, tudo isso enquanto paralelos entre o passado e presente começam a aparecer.

Ao se adaptar um livro, ou qualquer outro material literário, para o cinema é muito importante levar em conta as diferenças de linguagem entre os dois formatos. Enquanto a literatura pode ser consumida em vários dias, o cinema nos proporciona uma experiência mais imediata, devendo, portanto, manter o espectador interessado através da fluidez da narrativa, que não tem o luxo de ser dividida em capítulos. O grande problema do roteiro de Alice Arlen e Christopher Kyle tem relação justamente com essa questão. A trama, que constantemente alterna entre passado e presente, cria uma estrutura episódica para o longa-metragem, fazendo de cada sequência algo praticamente fechado em si próprio, ainda que, claro, siga a linha de raciocínio da anterior. Esse aspecto funciona provoca quebras de imersão em uma base constante, jamais permitindo que, de fato, nos entreguemos à narrativa.

Sentimo-nos distantes, apáticos, portanto a tudo o que ocorre, desempenhando o mero papel de observador distante de toda essa história, sem verdadeiramente nos importar com o que está sendo mostrado em tela, questão salientada pelo pouco tempo disponível a cada personagem para realmente despontar, já que as ações são interrompidas frequentemente. Fica bastante claro que a adaptação do livro original seguiu muito à risca sua estrutura, característica que, inclusive, torna toda a trama extremamente previsível – logo no primeiro terço da obra já temos completa noção do que irá acontecer, quebrando de vez nosso interesse pelo desenvolvimento da obra, já que mesmo o “como” não é apresentado da maneira que deveria.

O longa, pois, estabelece tensões artificiais, mesmo com o peso de seu elenco, que traz nomes como Sean Penn e Ciarán Hinds. O evidente paralelismo entre passado e presente é, sim, bem construído, não fazendo dos fatos atuais, meras convenientes repetições do que acontecera antes e sim acontecimentos que partilham atmosferas similares. Se há algo a ser reconhecido nessa obra, portanto, é a forma como seu tom se mantém mesmo nessas transições, questão bem trabalhada pela direção de Bigelow, cujos enquadramentos imprimem uma mistura de sensualidade, desejo e ocultamento, sabendo exatamente o que mostrar e, mais importante, quando.

Infelizmente isso acaba se perdendo em razão da narrativa hesitante, que demonstra clara dificuldade em nos envolver. Com bastante potencial, O Peso da Água desperdiça a força de sua história justamente pela forma como ela é contada, mostrando como adaptações não podem ser meras transcrições, devendo levar em conta a linguagem das duas mídias. Kathryn Bigelow continua provando o seu talento, mas, nesse caso, o material a seu dispor não poderia render um bom filme sem muitas necessárias modificações.

O Peso da Água (The Weight of Water) — EUA/ Canadá/ França, 2000
Direção:
 Kathryn Bigelow
Roteiro: Alice Arlen, Christopher Kyle (baseado no livro de Anita Shreve)
Elenco: Catherine McCormack, Sean Penn, Sarah Polley, Ciarán Hinds, Ulrich Thomsen,  Josh Lucas, Elizabeth Hurley, Richard Donat
Duração: 113 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.