Crítica | O Que As Mulheres Querem

estrelas 1,5Tentar decifrar o que as mulheres querem é uma tarefa difícil. Mesmo porque, dependendo para quem você perguntar, mulher, é claro, terá uma resposta diferente da outra e razões diferentes também.

Não dá para colocar todas no mesmo pote e afirmar que querem a mesma coisa. Por isso, O Que As Mulheres Querem de Audrey Dana que escreve e também dirige o filme narra as desventuras de 11 diferentes  mulheres na cidade luz.

Ysis está prestes a completar 27 anos e não tem a menor perspectiva de vida. Casada e com quatro filhos, seus dias são dedicados a cuidar da prole e do marido. Mas, tudo muda quando a babá Marie entra na vida deles. Rose é uma executiva bem sucedida que descobre estar “quase” se tornando um homem pelo seu alto nível de testosterona. Trabalhando rodeada de homens, decide comprar a assistente Adeline para ser sua amiga. Jo e Agathe são amigas e possuem personalidades totalmente opostas. Jo mantém um romance extra-conjugal com um homem casado e Agathe se sente mal toda vez que encontra um homem. Aos poucos a vida dessas e de outras mulheres será afetada por suas decisões ou decisões de terceiros e terão que aprender a lidar com isso.

O que a diretora tenta fazer, sem sucesso, é um filme de comédia com mulheres que estão representando papéis tipicamente masculinos. O que não funciona, pois as piadas, algumas de conteúdo escatológico, fazem rir a primeira vez e depois perdem a graça. As demais piadas apontam os mesmos estigmas femininos, como a TPM, por exemplo, os quais as mulheres vem tentando desvencilhar por anos.

Com tantas atrizes em cena, nem todas são aproveitadas da maneira correta e algumas possuem histórias dolorosas de acompanhar, pois não fazem qualquer sentido com o restante da trama. Como o papel de Isabelle Adjani que se recusa a acreditar que esteja entrando na menopausa e tem problemas com a vida sexual ativa da filha adolescente. Não porque a menina é muito nova para isso, mas porque ela própria não possui uma e se ressente profundamente da mocidade da menina e demonstra isso com ataques sem nexo e humilhação pessoal.

Geralmente multiplots são dinâmicos, mas nesse caso o espectador fica cansado depois de um tempo quando a trama começa a enrolar e demonstrar que não irá chegar a lugar algum. E realmente não chega. Algumas personagens resolvem seus problemas, outras não, e mesmo as que conseguem, apenas o fazem superficialmente e essa passa a ser a mensagem do filme que termina com um flash mob para coroar a falta de nexo do roteiro.

O Que As Mulheres Querem passa a ser um desserviço as comédias com mulheres protagonistas, pois coloca-as em posições esdrúxulas, quando poderiam abordar as situações apresentadas de uma forma mais inteligente.

O Que As Mulheres Querem (Sous les jupes des filles – FRA 2014)
Direção: Audrey Dana
Roteiro: Audrey Dana, Raphaëlle Desplechin
Elenco: Isabelle Adjani, Alice Belaïdi, Laetetia Casta, Audrey Dana, Julie Ferrier, Audrey Fleurot, Marina Hands, Géraldine Nakache, Vanessa Paradis, Alice Taglioni, Pascal Elbé, Sylvie Testud, Marc Lavoine, Guillaume Goix, Alex Luz
Duração: 116 min.

MELISSA ANDRADE . . . Uma pessoa curiosa que possui incontáveis pequenos conhecimentos desde literatura a filmes a reality shows a futebol alemão e está sempre disposta a aprender muito mais. Por isso sou Jornalista por experiência e vocação. Fotógrafa Profissional com muita paixão e um olhar apurado e Roteirista frustrada e uma Crítica de Cinema em ascensão.