Crítica | Once Upon a Time – 2ª Temporada

estrelas 4

A nuvem roxa que tomou a cidade no final da 1ª temporada trouxe de volta as memórias esquecidas dos moradores de Storybroke e a maldição foi quebrada, mas tudo continua igual na cidadezinha. Emma finalmente está diante dos pais e se mantém afastada, relutante em abraçar o passado inacreditável de onde partiu.

Uma espécie de dementador, possivelmente inspirado em Harry Potter, aparece em cena para impulsionar a necessidade de abrir-se um portão entre os mundos. Esse portal arrasta Emma e Snow (Branca de Neve), mãe e filha, de volta para a Floresta Encantada.

Embora esse tenha sido o primeiro contato de Emma com as raízes no mundo mágico, a personagem se mantém contida sem explorar aspectos mais emocionantes ou nostálgicos enquanto tem a chance de descobrir no que se transformou o antigo lar.

A série até então só mostrava o mundo mágico a partir de flashbacks para contar a história dos personagens antes da perda da memória, ou seja, antes da maldição que levou todos para um mundo sem mágica. Assim, o roteiro era enriquecido por essas reconstituições passadas que faziam um contraponto com a realidade.

Essa ruptura no elenco e no roteiro serve para encadear um paralelo entre os mundos e mostrar que o tempo entre os dois corre na mesma direção. Isso é importante notar, já que na temporada de estreia da série o relógio paralisado no tempo marcava a presença da maldição.  No entanto, por mais que a fórmula temporal tenha mudado, alguns personagens continuam tendo suas histórias passadas resgatadas para ajudar na composição da história geral, como é o caso de Pinóquio e Cora, a mãe de Regina.

Em geral, o roteiro segue coerente, apesar de explorar mais a questão de sobrevivência em um local inóspito e apresentar novos personagens: Mulan, Bela Adormecida e o Príncipe Philip na parte mágica e o pai de Henry na sem magia. Mais uma vez os nós vão se prendendo mais firme e a história vai ganhando mais densidade e fazendo mais sentido com as novas amarrações de roteiro.

Outra personagem que chega para ganhar um espaço cativo na série é Bela, que ama a fera ou no caso Rumplestilskin, que por sua vez é também o crocodilo que arrancou a mão do Capitão Gancho. Ele vem para aumentar o time dos vilões que recebe uma ampliação considerável e a personagem dele é a que mais ganha destaque no que diz respeito à transformação da personalidade.

A presença de Gancho é garantida na próxima temporada, já que o destino final é a Terra do Nunca. Emma agora começa a perceber a magia que existe dentro dela mesma e isso vai ser importante para operação de resgate que se inicia a bordo do barco de Gancho. Juntos heróis e vilões irão atrás de vingança, assuntos inacabados e amor.

Once Upon a Time – 2ª temporada (EUA, 2012)
Diretor: Diversos
Roteiro: Diversos
Elenco: Ginnifer Goodwin, Jennifer Morrison, Lana Parrilla, Josh Dallas, Jared Gilmore, Robert Carlyle, Emilie de Ravin.
Duração: 60 min. (por episódio)

GABRIELA MIRANDA . . . Cinéfila inveterada, sigo a estrada de ladrilhos amarelos ao som de Jazz dos anos 20 enquanto escrevo meu caminho entre as estrelas. Com os diálogos de Woody Allen correndo soltos na minha cabeça, me pego debatendo entre gostar mais do estilo trapalhão ou de um tipo canalha de personagem. Acima de tudo, acredito que tenho direito de permanecer com minha opinião. Mas acredite, nada do que eu disser poderá ser usado contra os filmes.