Crítica | Once Upon a Time – 3ª Temporada

estrelas 5,0

Essa temporada passa uma sensação de dois em um, pelo fato de ter uma marcação de lapso de tempo definida pelo antes da Terra do Nunca e o depois. Com os personagens principais bem definidos, a história de cada um ganha uma reviravolta. O bem vence o mal até certo ponto e a magia se torna mais presente e visível nos episódios. A única grande mudança no formato do roteiro é essa divisão em duas partes de uma história continuada. Os personagens que surgem são cada vez mais bem construídos e o histórico deles bem interessante.

As intensas aventuras na Terra do Nunca servem para instigar a coragem de Emma. Para salvar o filho, ela resolver enfrentar os sentimentos mais secretos que esconte. Um deles se baseia em aceitar o fato de que ela faz parte dos garotos perdidos, porque ela não consegue evitar o fato de que foi orfã durante a maior parte da vida dela. Outro se baseia em abraçar a mágica dentro dela e aprender com Regina a controlar esse poder branco que corre por suas mãos.

O retorno à Storybrook acontece com certa facilidade depois de uma longa jornada em busca do paradeiro de Henry. No entanto, uma reviravolta promete arrastar essa cidade e todos os habitantes de volta para a Floresta Encantada. Na tentativa de salvar Henry, Regina se despede de Emma e do filho para voltar à terra na qual ela é a Rainha Má.

O fusca amarelo volta a deixar a cidade de Storybrook. Esse e outros símbolos da série são enfatizados nessa temporada. A jaqueta vermelha de Emma é desenterrada do armário, agora um pouco mais sensual, com direito a saltos altíssimos.

Em uma clara referência à franquia De Volta Para o Futuro, Emma e Hook são levados de volta para o passado. O livro de Henry é o termometro que indica o quanto o futuro foi alterado pelas ações que eles praticam.

Em um dos melhores episódios da série, Emma finalmente resgata a sensação que nunca conheceu de viver na Floresta Encantada como ela era na época em que existiam cartazes de procura-se com o desenho da Branca de Neve. Assim, como no filme que marcou a carreira de Michael J. Fox, a história se baseia no encontro dos pais de Emma e as repercussões que qualquer intromissão possa causar na história do Principe Encantado e da Branca de Neve.

Os macacos voadores dão uma ideia de quem está por vir em Storybrook. A bruxa verde de inveja está bem longe de Oz. A personagem da Bruxa Malvada do Oeste consegue sustentar bem a trama por alguns episódios consecutivos. Essa temporada é definitivamente a mais rica em conteúdo e personagens. A mais nova personagem da Disney foi adicionada à trama, retirada de Frozen: Uma Aventura Congelante.  O que fecha a temporada com o aviso de aguarde.

Once Upon a Time – 3ª temporada (EUA, 2013)
Diretor: Diversos
Roteiro: Diversos
Elenco: Ginnifer Goodwin, Jennifer Morrison, Lana Parrilla, Josh Dallas, Jared Gilmore, Robert Carlyle, Emilie de Ravin
Duração: 946 min.

GABRIELA MIRANDA . . . Cinéfila inveterada, sigo a estrada de ladrilhos amarelos ao som de Jazz dos anos 20 enquanto escrevo meu caminho entre as estrelas. Com os diálogos de Woody Allen correndo soltos na minha cabeça, me pego debatendo entre gostar mais do estilo trapalhão ou de um tipo canalha de personagem. Acima de tudo, acredito que tenho direito de permanecer com minha opinião. Mas acredite, nada do que eu disser poderá ser usado contra os filmes.