Crítica | Os Muppets

estrelas 3,5

Vivemos uma época em que é impossível apreciar um filme como Os Muppets. Afinal, são marionetes de pano falantes e não efeitos especiais em computação gráfica. O filme nem em 3D foi lançado, imagine isso! Além do mais, o tipo de humor e os valores passados são coisa do século XX, ou seja, completamente ultrapassados e irrelevantes.

Se você julga Os Muppets dessa maneira, por favor, nem continue lendo essa crítica. Você provavelmente é um cara bem “jovem”, “moderno”, “esperto” e que obviamente não pode apreciar filmes bobos de marionete feitos para criança. Eu só peço que você também não vá ao cinema para ver essa fita, pois, na minha sessão, vários de vocês, “jovens”, “modernos” e “espertos”, infernizaram a minha vida (e de vários outros) com comentários cretinos em voz alta a cada segundo, conversas e textos ao celular e saindo e entrando a todo momento, como se estivessem na casa de vocês. Fiquem em casa e assistam a filmes “adultos” realmente bons como Transformers ou algo semelhante…

Ultrapassado esse momento que usei para desopilar o fígado (ufa, estava precisando!), devo dizer que me diverti com a volta dos Muppets. Poderia ter sido melhor, mas gostei mesmo assim do que a Disney fez.

Longe das telas do cinema desde 1999, quando Muppets no Espaço foi lançado, as imortais criações de Jim Henson foram compradas pela Disney e colocadas na geladeira. Meio que sem saber o que fazer, a Casa do Camundongo se preocupou mais em usar os famosos personagens em seus parques de diversão do que dar o destaque que eles mereciam em outras mídias. Mas, depois de muito matutarem, o conglomerado acabou comprando a ideia de um filme, cujo roteiro foi montado por Jason Segel (que também atua no filme como Gary) e Nicholas Stoller. A direção ficou ao encargo de James Bobin (egresso da televisão, em seu primeiro filme de cinema).

E que ideia teria feito a Disney se movimentar? Ora, foi algo bem simples: o filme conta, em uma espécie de meta-narrativa, a própria história do esquecimento dos Muppets. Caco (agora chamado pelo seu nome original, Kermit) e sua trupe estão separados, depois de anos de sucesso. Quando dois irmãos (Gary, um humano e Walter, uma marionete) fãs dos personagens, descobrem que o velho estúdio dos Muppets está para ser tomado e destruído por um malvado magnata do petróleo, ele saem, junto com Mary (Amy Adams), a namorada de Gary, para reunir os Muppets para que eles possam amealhar 10 milhões de dólares para salvar o dia.

É, decididamente, um frangalho de história, mas a trama básica funciona perfeitamente dentro de seus propósitos. O que não funciona, porém, é o equilíbrio entre as duas partes principais do filme. Enquanto a reunião dos Muppets tem pouco destaque, com os personagens sendo retirados de seus trabalhos atuais para ajudar na missão meio que a toque de caixa, a parte final, em que um show é montado para que os espectadores liguem para fazer doações, é dolorosamente longo e arrastado.

O grande problema é que, depois que Caco (ainda prefiro o nome pelo qual ele ficou conhecido no Brasil) é convencido a engajar-se na cruzada, ele, Gary, Walter e Mary partem pelos Estados Unidos e Europa para recolher os outros Muppets. Enquanto alguns poucos têm razoável destaque, como Fozzie e Animal, outros são completamente largados e relegados a segundo plano. A própria Miss Piggy, que, apesar de muito chata, é um dos mais engraçados personagens do grupo, é tratada rapidamente, sem muita cerimônia. Não sei, mas tenho para mim que um pouco mais de reverência a cada um dos personagens separadamente teria tornado a história mais interessante, pois, depois, o que vemos é, apenas, um longo show musical entrecortado pelas tentativas de sabotagem do magnata Tex Richman (Chris Cooper).

No entanto, esse desequilíbrio no roteiro não impede que alguns momentos antológicos sejam mostrados na tela. Um deles é a desde já clássica “viagem via mapa”. O que é isso? Lembram-se daqueles mapas que são mostrados em filmes como os do Indiana Jones em que a viagem dos personagens é marcada como um risco vermelho indo de cidade em cidade sobre um mapa que ocupa a telona inteira? Pois bem, os Muppets vão até a Paris assim, só que literalmente e de carro! Outro desses momentos é o simpático “vício” de Animal por sua bateria.

Reconheço, claro, que o humor dos Muppets é, de fato, antiquado, uma palavra forte, mas talvez adequada. Acontece que esse tipo de humor representa uma época mais simples, mais inocente, algo com um sabor muito especial. Não dá para simplesmente ignorar obras como essa ou, por exemplo, a mais recente do Ursinho Pooh (sempre será Puff para mim). Ao contrário, temos que aplaudir os esforços de se trazer filmes como esse para os cinemas. Para apreciar a volta d’Os Muppets, tentem relaxar e limpar a mente de piadas escatológicas que povoam as comédias de hoje e voltem um pouco no tempo. O filme, mesmo com todos os seus defeitos, é muito divertido e cheios de valores que, hoje, infelizmente, foram relegados a décimo-segundo plano.

Ah, para terminar, uma reclamação: a Disney somente lançou esse filme dublado no cinema e muitas piadas foram perdidas na tradução. Entendo a necessidade de se fazer mais dinheiro com a versão dublada do filme para atender ao maior número possível de pessoas, mas a dublagem, por melhor que seja, mata qualquer tipo de filme, especialmente um que depende fortemente de brincadeiras verbais para funcionar. Mas dublar é o de menos na verdade. Não dar a escolha de se assistir ao filme legendado é que é triste. Uma pena mesmo.

Os Muppets (The Muppets, EUA – 2011)
Direção: James Bobin
Roteiro: Jason Segel, Nicholas Stoller (baseado nos personagens criados por Jim Henson)
Elenco: Jason Segel, Amy Adams, Chris Cooper, Rashida Jones, Steve Whitmire, Eric Jacobson, Dave Goelz, Bill Barretta, David Rudman, Matt Vogel, Peter Linz
Duração: 103 min.

RITTER FAN. . . . Aprendi a fazer cara feia com Marion Cobretti, a dar cano nas pessoas com John Matrix e me apaixonei por Stephanie Zinone, ainda que Emmeline Lestrange e Lisa tenham sido fortes concorrentes. Comecei a lutar inspirado em Daniel-San e a pilotar aviões de cabeça para baixo com Maverick. Vim pelado do futuro para matar Sarah Connor, alimento Gizmo religiosamente antes da meia-noite e volta e meia tenho que ir ao Bairro Proibido para livrá-lo de demônios. Sou ex-tira, ex-blade-runner, ex-assassino, mas, às vezes, volto às minhas antigas atividades, mando um "yippe ki-yay m@th&rf%ck&r" e pego a Ferrari do pai do Cameron ou o V8 Interceptor do louco do Max para dar uma volta por Ridgemont High com Jessica Rabbit.